Boardgames: Do ecrã para a mesa


Artigo escrito por Bruno Maciel

Videojogos ou jogos de tabuleiro? Depende de cada pessoa, claro. Por norma, e até porque a sociedade valoriza cada vez mais o digital, há muito mais gamers de videojogos do que de jogos de tabuleiro, mas nas últimas 2 décadas temos vindo a registar um fenómeno interessante: apesar de ambas as indústrias terem cada vez mais consumidores, há uma grande parte de jogadores que transita dos videojogos para a vertente analógica deste hobbie, a dos boardgames! Mas... porquê?

• Sejamos pragmáticos, os jogos de tabuleiro são cada vez melhores. Mecanicamente oferecem experiências que há alguns anos atrás eram impensáveis, estão cada vez melhor produzidos, com componentes cada vez mais bonitos e uma arte bastante aprazível à vista;

• O mito de que os jogos de tabuleiro são essencialmente para crianças ou famílias está errado! A oferta é grande e diferenciada! E se continuam a haver jogos para esse público, há também cada vez mais jogos que agradam a jogadores que procuram experiências desafiantes e diferentes daquelas que os jogos digitais oferecem;

• O “burnout”! Acontece nos dois hobbies, sim, mas quantos de nós já sentimos a necessidade de parar um pouco? De nos libertarmos do ecrã e sentir o contacto humano? De termos uma necessidade mais táctil e mais próxima de uma relação humana? Este fenómeno traz, sem dúvida alguma, muitos gamers a este hobby!

• A necessidade de manter um grupo de amigos ativo. Isto é, a vida acontece, o tempo passa, as rotinas mudam e tendemos a dizer cada vez mais que não temos tempo para combinar coisas com amigos. Os jogos de tabuleiro têm este condão de criar rotinas. A “game night”, a tarde de jogos, o que lhe quiserem chamar. É saudável e essencial criar uma rotina! Sendo esta uma experiência social, de “ajuntamento”, fortalece os laços de amizade e em tempos de pandemia, em que o isolamento fez estragos, os jogos de tabuleiro, pela sua natureza social podem ser muito importantes e muitos gamers procuram isso!

Dito isto, que jogos de tabuleiro podem facilitar a transição de um videogamer para este hobby? Não falo de jogos de entrada no hobby, mas sim de jogos que fazem lembrar tematicamente um videojogo com o qual se identifiquem.

1. Sid Meier’s Civilization
Se gostam de jogos ao estilo de 4x (Explore, Expand, Exploit e Exterminate) este é um bom jogo para experimentarem! É baseado no vídeojogo com o mesmo nome e simula, bastante bem, a experiência de criação de civilização que a versão digital oferece.

2. Adrenaline
Adrenaline é um jogo que simula o típico jogo de “First Person Shooter”. Personagens que se encontram numa arena e tentam eliminar os adversários com as suas armas!

3. Sçythe
Se procuram um jogo de gestão de recursos, com guerra, Scythe é uma boa opção! Scythe é um território, situado na Europa, num cenário histórico alternativo e que é disputado pelos jogadores, que representarão facções que procuram controlar Scythe.

4. This War of Mine
This War of Mine é uma adaptação do jogo digital e que retrata o dia-a-dia de um conjunto de cidadãos que vive cercado numa zona de guerra. Tenso, temático e com a curiosidade de ser cooperativo. É uma excelente reimplementação em formato analógico!

5. Terraforming Mars
Se gostam de ficção científica ou do tema espacial, sugiro o Terraforming Mars. É um fenómeno de popularidade, enquanto jogo de tabuleiro. Os jogadores assumem o papel de corporações que irão ajudar a colonizar Marte.

6. Street Masters
É um jogo cooperativo, em que os jogadores assumem personagens, especialistas em artes marciais que declaram guerra a um regime chamado de “Reino”. É o típico jogo de luta, em que os jogadores tentam derrotar lutadores do regime adversário.

7. Suburbia
Se és fã de jogos ao estilo de “Sim City”, Suburbia é o título de eleição! É um city-building que simula bem as sinergias entre diferentes tipo de edifício e bastante interativo, na medida em que edifícios de um subúrbio podem ter impacto no subúrbio do adversário.

8. Agricola
Existem vários títulos com este tema, mas este é o clássico dos clássicos! Em Agricola, os jogadores tomam conta de uma quinta, tendo como tarefas a criação de gado e cultivo de legumes. Existe aqui, também, um elemento de gestão de recursos e de espaço, bastante interessante. É muito competitivo e temático para quem gosta de jogos de “farming”.

9. 7th Continent
Este é para quem gosta de jogos to estilo “Choose your own adventure”. Os jogadores irão explorar um mundo desconhecido e deparar-se-ão com muitos obstáculos, desde criaturas, maldições. Etc. É um misto de jogo de exploração com sobrevivência. É uma experiência única, muito temática e desafiante!

10. Claustrophobia
Claustrophobia é o jogo ideal para quem gosta de “Dungeon Crawlers”. Alguns jogadores são humanos, outros são as entidades demoníacas que tentam evitar que os adversários escapem das catacumbas. Com regras relativamente simples, o foco está virado para o tema!

Muitos outros jogos existem que estão relacionados com videojogos. Alguns até têm a propriedade intelectual de algumas franquias bem conhecidas, no entanto, espero que gostem das minhas sugestões e se tentarem experimentar um pouco deste hobbie, seja com que jogo for, divirtam-se! Porque à mesa, o importante são as pessoas!

Boardgames: Do ecrã para a mesa Boardgames: Do ecrã para a mesa Reviewed by DICE Cultural on 10:00 Rating: 5

Latest in Sports