Entrevista aos criadores de Pokémon Sword e Pokémon Shield


A convite da Nintendo e da The Pokémon Company, o Meus Jogos teve no passado dia 3 de outubro a oportunidade de experimentar os novos títulos da série Pokémon, seguido de uma pequena entrevista aos criadores, Junichi Masuda e Shigeru Ohmori, da Game Freak.

Quanto ao jogo em si, podem ler as nossas primeiras impressões nesta antevisão: O novo mundo de Pokémon Sword e Pokémon Shield.

A entrevista decorreu nas instalações da The Pokémon Company International, com a presença física de Junichi Masuda e remota de Shigeru Ohmori via videoconferência, além de dois tradutores e um representante da TPCi, Ben le Rougetel.


Telmo Couto (Meus Jogos): Boa tarde. Acabei de experimentar o jogo e foi realmente divertido, os visuais foram impressionantes e soube realmente a um jogo mesmo novo. A minha primeira pergunta é sobre a região de Galar. Se alguém fosse um turista no mundo de Pokémon, o que é que o levaria a visitar esta região?

Shigeru Ohmori: Antes de mais, obrigado por ter jogado e ter apreciado o jogo, isso é muito bom de ouvir. Com a região de Galar, esta possui muitas caraterísticas únicas. Não é fácil responder pois ainda há muito por revelar, mas podemos dizer que há muitos tipos de ambientes naturais bastante amplos. Costumamos olhar para isto como aquele tipo de escape do ambiente urbano, já que, como sabem, desta vez a região de Galar é inspirada no Reino Unido e esse tipo de vilas e cidades. O design é baseado na aparência das antigas cidades britânicas, mas também existem outros tipos de cidades, então é algo para ser realmente agradável jogar e observar.

Além disso, noutro tipo de experiência, existe a área selvagem. Esta apresenta planícies abertas e muita natureza, e uma espécie de sentimento realista de que os Pokémon estão lá a viver no seu habitat natural. O que seria o melhor daqui, tanto para um jogador como um turista, é a sensação de ir lá e sentir que se encontra entre os Pokémon a viver a sua vida quotidiana, poder andar pelo meio deles, apanhá-los ou simplesmente ver como se comportam nesse ambiente.

Junichi Masuda: E depois ir aos ginásios assistir a batalhas de Pokémon. As batalhas são um grande desporto em termos de público, por isso seria óptimo ir e assistir como espectador no meio das claques.



Telmo Couto: Uma das coisas mais faladas em torno deste jogo é o facto de não ter o Pokédex completo ao qual todos estavam habituados. Ao escolher quais as criaturas dos jogos anteriores que seriam trazidas para estes, quais foram os vossos critérios? Uma tentativa de trazer os mais competitivos, ou antes chamar atenção para alguns dos menos populares?

Shigeru Ohmori: A nossa forma de escolher quais queremos criar ou trazer de volta para uma nova região, é sempre a olhar para a região em si. Por exemplo quando fizemos Pokémon Sun e Moon olhamos para a região de Alola, com X e Y foi a região de Kalos e pensar quais os pokémon que realmente se encaixariam nesse ambiente, ou como seriam os novos que provavelmente viveriam lá.

Da mesma forma, desta vez com a região de Galar vimos o Reino Unido como a nossa base e pensamos em quais os pokémon que se enquadram. Como exemplo, a nova ovelha pokémon [Wooloo] é inspirada no facto do Reino Unido ter um grande número de ovelhas à solta pelos terrenos, que nos levou a desenhá-la. É sempre esta a nossa forma de escolher quais as criaturas de uma região.

Junichi Masuda: Que tipo de criaturas estariam de facto a viver lá, seja nas cidades, nas florestas e assim. Quando estiverem a jogar, espero que os jogadores sintam que os pokémon que vão encontrando sejam realmente criaturas que fazem sentido naquele ambiente.


Telmo Couto: De cada vez que é anunciada uma nova criatura pokémon, elas têm sido apresentadas com interessantes habilidades para o sistema de combate, juntamente com o sistema Dynamax. Estão a tentar trazer um maior número de jogadores para o lado competitivo de Pokémon?

Shigeru Ohmori: Quando estamos a pensar em implementar novas ideias e integrá-las no jogo, é algo sempre difícil pois queremos sempre surpreender, trazer algo novo para os jogadores. Com o novo sistema Dynamax, quando começamos a desenvolver o Pokémon Sword e Shield, tivemos de pensar muito na direção em que o queríamos levar e para isso chegamos a um tema principal. O tema deste jogo foi a força, fazer o pokémon mais forte.

Em tudo o que pensamos sobre esse tema, uma coisa que veio à mente foi não só apresentar os pokémon como eles são, mas tentar apresentar algo com mais impacto. O que nos ocorreu foi que agora que passamos para a Nintendo Switch, que conta com um grande ecrã e alta resolução, conseguimos criar pokémon bastante grandes mas, para os destacar, é preciso mostrá-los lado a lado com os pequenos. Caso contrário, as pessoas não sabem que eles são mesmo grandes [risos]. Com a Switch, ter à disposição um ecrã bem grande e ser capaz de ir para uma TV, tornou possível mostrá-los lado a lado. É algo que queríamos mesmo fazer e assim fomos parar a esta mecânica Dynamax.

Junichi Masuda: Em termos do que isto pode trazer para a competição, penso que é algo mesmo muito poderoso, mas que só pode ser utilizado uma vez por batalha e, quando se usa, fica disponível por apenas três turnos. Nesse sentido, é uma opção de batalha bastante táctica. Fizemos de maneira a que os jogadores possam ver o adversário escolher se vai utilizar o seu Dynamax. Assim, poderão rapidamente pensar se também a querem usar nesse momento. É uma mecânica realmente forte e foi bastante excitante adicioná-la às batalhas, por isso é algo que estamos ansiosos por ver os jogadores a utilizar.



Telmo Couto: Por falar na ligação à TV, este é o primeiro novo jogo da série principal a correr tanto na TV como em modo portátil. Além das mecânicas Dynamax de que acabamos de falar, que outras novas oportunidades surgiram com a Nintendo Switch?

Shigeru Ohmori: Ao mudar para uma consola que pode ser ligada à TV, isto permitiu-nos aceder a poder adicional para um tema realmente detalhado e expressivo. Graficamente isso foi tanto um desafio como uma nova oportunidade para nós, mas para além dos gráficos ganhamos as funcionalidades de comunicação. A Nintendo Switch é obviamente uma consola que pode ser jogada em casa, com pessoas de todo o mundo, mas também se pode pegar e levar para qualquer lado e usá-la quando se tem os amigos em redor, o que nos permite usar comunicações locais.

Como exemplo temos a área selvagem, onde a partir do ecrã é possível escolher entre comunicações locais ou via Wi-Fi. Nas comunicações locais será possível ver os jogadores que estão nas proximidades a explorar a área, mas também será possível fazê-lo online e tudo isto foi uma oportunidade que esta plataforma nos deu.


Telmo Couto: Relativamente aos conteúdos das gerações anteriores, coisas como as Mega Evoluções ou os Z-Moves, irão eles ficar completamente fora destes novos jogos, aparecer mais tarde ou talvez em jogos futuros?

Shigeru Ohmori: No que diz respeito ao futuro, estamos sempre a considerar o que fazer e quais as funcionalidades a utilizar ou não utilizar. Em termos de Pokémon Sword e Shield, o que estamos mesmo ansiosos por observar é como os jogadores irão reagir à mecânica Dynamax, como a utilizam em batalha e se traz o factor de surpresa e diversão que estamos a tentar criar. Por isso neste momento queremos ver como será a recepção e utilização desta mecânica, e aí sim pensar em ideias para jogos futuros com base nisso.

Junichi Masuda: Além disso o World Championship do próximo ano será em Londres, por isso estamos bastante ansiosos para o ver e descobrir o vencedor. Aqui dará para ver até que ponto os jogadores estarão excitados e a apreciar o jogo, mas também a forma como combatem e utilizam as diferentes funcionalidades. Por isso é algo a que estaremos bastante atentos em termos de pesquisa.


Telmo Couto: Já falamos dos jogadores competitivos, mas para jogadores mais ocasionais e os que vão jogar pela primeira vez, quais são as novidades que lhes poderão ser mais apelativas e ajudá-los a descobrir o mundo de Pokémon?

Shigeru Ohmori: Os fãs estarão bem familiarizados, mas para os novos jogadores é também um jogo muito acessível. Nós garantimos que logo desde o início damos uma clara explicação do que é o mundo de Pokémon e o que são os pokémon, como os apanhar atirando uma Pokébola e tudo o resto. Explicamos sempre para que tanto os novos jogadores como os mais casuais possam entrar no jogo e rapidamente poderem desfrutar.

Junichi Masuda: Quanto ao que um novo jogador possa achar interessante com este jogo, há sempre os encontros com os novos pokémon da região de Galar, explorar a área selvagem e as outras novas funcionalidades. Mas, por exemplo, se for um jogador que não é assim tão bom com as batalhas, há outras maneiras de apreciar o jogo na mesma. Por exemplo, há o acampamento, onde se pode ver os próprios pokémon a brincar no acampamento e brincar com eles. Ver como reagem, vê-los a ser engraçados ou adoráveis, é uma forma diferente de se apreciar o jogo sem ter de se trazer experiência de jogos anteriores.


Junichi Masuda e os starters Grookey, Sobble e Scorbunny

Telmo Couto: Uma última pergunta, para os nossos leitores portugueses. Irão eles alguma vez encontrar um pokémon inspirado em Portugal? [risos]

Shigeru Ohmori: [risos] Bem, é difícil dizer, estamos sempre a olhar para vários países e culturas quando pensamos no que vamos querer criar. Mais do que escolher uma parte do mundo e fazer o jogo a partir do mapa, na realidade gostamos de escolher um tema primeiro. Por exemplo, quando pensamos em beleza como sentimento geral para o jogo, acabamos por utilizar França como inspiração para Kalos, e agora no caso do Reino Unido o pensamento foi a força e viemos cá parar por múltiplas razões. Nós pensamos primeiro num tema, por isso realmente dependerá do tema que escolheremos no futuro. O futuro é desconhecido.

Telmo Couto: Estava mesmo a perguntar em relação a alguma criatura de pokémon, mas a resposta foi interessante de qualquer forma!

Junichi Masuda: Quando estive em Portugal, fui visitar aquela ponte famosa no Porto. [Ponte D. Luís] Fiquei muito impressionado com a simpatia de toda a gente na cidade, mas não tenho a certeza que conseguiríamos fazer o pokémon de uma ponte. [risos]

[O representante da TPCi entra na conversa]

Ben le Rougetel: Mas há por exemplo algum animal que seja nativo em Portugal?

Telmo Couto: Um animal... hmm... nós temos uma espécie rara de lince, o Lince Ibérico, e também uma espécie rara de lobo perto da extinção... e temos um famoso galo! Chama-se Galo de Barcelos, é um galo pintado às cores, um dos símbolos do nosso país para os turistas.

Ben le Rougetel: Espera, isso é o símbolo do Nando's? [risos]

Telmo Couto: Sim, esse símbolo! Na realidade é um símbolo de Portugal! [risos]

Shigeru Ohmori: [risos] Bem talvez os fãs portugueses gostem da embalagem destes jogos, por terem um design semelhante ao de uns lobos. De qualquer forma esperamos que os fãs portugueses apreciem e gostem de o jogar.

Telmo Couto: Muito obrigado pelo vosso tempo e a vossa disponibilidade!


Esta foi uma entrevista que parecia estar a ser bastante normal e no final acabou com toda a gente às gargalhadas. Coincidência ou não... aqui fica onde passado dois dias levaram o senhor Masuda a almoçar:


Entrevista aos criadores de Pokémon Sword e Pokémon Shield Entrevista aos criadores de Pokémon Sword e Pokémon Shield Reviewed by Telmo Couto on 24 outubro Rating: 5

Latest in Sports