A jogabilidade de Monster Hunter Rise


A convite da Nintendo Portugal, tivemos a oportunidade de assistir a uma apresentação da Capcom Europe dedicada a Monster Hunter Rise. Totalmente dedicada à experiência de gameplay, desde todos os preparativos até às quests propriamente ditas, permitiu um olhar mais aprofundado ao que a demo gratuita já tinha deixado experimentar.

Como seria de esperar, a apresentação começou no centro da vila, onde são efetuados todos os preparativos para as missões.

O primeiro destino a visitar foi a cantina, onde os caçadores poderão dar um boost aos seus diversos stats como a saúde ou stamina, por exemplo. Aqui, os pratos são conhecidos por “Dango”, e podem ser obtidos através de dinheiro ou tickets ganhos pela personagem. Ao misturar diferentes “Dango”, estes poderão trazer efeitos adicionais, que serão (ou não) ativados com base numa percentagem indicada no ecrã. Um dos exemplos dados é, no final de uma quest, receber dinheiro de recompensa, o que certamente irá ajudar a melhorar o equipamento ou adquirir itens adicionais.

Quanto aos itens, pouco muda em relação aos títulos anteriores, havendo um limite de espaço “no bolso” para o que se poderá transportar, e armazenamento para o restante. Os itens podem também ser combinados de múltiplas formas, dando origem a outros com melhores efeitos. O mesmo pode ser dito em relação ao equipamento, apesar do jogo trazer, naturalmente, novas armas e armaduras. Ao todo, há 14 tipos de armas, que podem ser consultadas aqui: Monster Hunter Rise - Weapons.



Uma das grandes novidades deste título está nos companheiros, que agora podem ser Palicos (os já famosos felinos) ou Palamutes (a nova espécie canina). Ao jogar em single-player, será possível levar dois destes companheiros, um de cada espécie, para ajudar a completar a missão. A cada quest terminada, ficam disponíveis sessões de treino no Buddy Dojo, de forma a melhorar o seu desempenho. No entanto, nem só os escolhidos terão utilidade, pois os restantes podem ser atribuídos a missões secundárias para recolha de itens, por exemplo. Tal como o caçador, estes adoráveis companheiros também podem ser personalizados com variados equipamentos, que irão afetar o seu desempenho. Os caninos têm ainda a vantagem de poderem ser montados, permitindo ao jogador deslocar-se de forma muito mais rápida.

No que diz respeito ao multiplayer, o jogo conta com várias opções. Para isso, o jogador deve dirigir-se ao felino carteiro da vila, que permitirá alternar entre o modo single-player, o multiplayer online e o multiplayer local. Após criar uma sala para até 4 jogadores, basta esperar que eles se juntem enquanto se podem ir fazendo outras atividades na vila. Quanto ao carteiro, este personagem será ainda responsável pela aquisição de conteúdos adicionais, com acesso à Nintendo eShop.

Selecionado o modo de jogo e reunidos os companheiros, está na hora de partir para uma nova quest! 



Embora este jogo tenha cenários amplos, de mundo aberto, este está dividido por áreas ao estilo dos mais tradicionais, cada uma delas numerada de forma a facilitar a comunicação. Ao explorar as diversas regiões, pelo meio serão encontradas “Spiribirds”, formas de vida introduzidas pela primeira vez neste título. Estas são como umas pequenas luzes flutuantes espalhadas pelos cenários que, ao serem obtidas, darão boost ao caçador até ao final da jornada. Isto significa que, antes de ir diretamente a um grande combate, convém explorar bem as áreas de forma a ter melhor desempenho.

Em Monster Hunter Rise, a principal novidade está numa original mecânica de jogo chamada Wyvern Riding. Com isto, após enfraquecer uma criatura, passa a ser possível montá-la e controlar os seus movimentos, incluindo atacar outros monstros ou desviar dos seus ataques. Há até um ataque especial que, reunidas as devidas condições, poderá causar um dano impressionante aos adversários. O mais interessante é que até a criatura que se pretende derrotar pode, eventualmente, ser controlada via Wyvern Riding e forçada a magoar-se a si própria! Graças a esta mecânica, é até possível em modo multiplayer que diferentes jogadores controlem diferentes criaturas em simultâneo, colocando-as uma contra a outra em batalhas realmente épicas!



Terminada a quest, é hora de recolher materiais da criatura derrotada, bem como as devidas recompensas, e regressar à aldeia. Com os novos materiais à disposição, nada como ir tratar de melhorias ao equipamento, antes de partir numa nova jornada. Desde as diversas armas às mais variadas fatiotas, esta sempre foi uma componente central em Monster Hunter, aplicando-se tanto ao caçador como aos seus companheiros.

O jogo conta ainda com várias opções de treino, que permitem facilmente experimentar as diversas armas do jogo e aperfeiçoar as várias técnicas, para que cada um possa encontrar o seu equipamento ideal.

O melhor dos treinos, porém, é jogar, jogar e jogar. Se for com amigos, ainda melhor! Monster Hunter Rise estará disponível a partir do dia 26 de março, em exclusivo para a Nintendo Switch.


A jogabilidade de Monster Hunter Rise A jogabilidade de Monster Hunter Rise Reviewed by Telmo Couto on 08:00 Rating: 5

Latest in Sports