Cyber Shadow


Ninja Cibernético procura mestre perdido para vingança sobre o cruel vilão, tendo apenas a sua fiel espada como companhia. E um robô. E poderes cibernéticos e ninjas. Sim, é assim tão fixe.

Da Yacht Club Games, que nos trouxe o fenomenal Shovel Knight, vem um novo regresso ao mundo dos platformers bidimensionais. Ao contrário do 1º título, Cyber Shadow é um regresso mais clássico, um aprimorar da fórmula que se viu nascer com Shinobi e que moldou um estilo e várias gerações. 



Acordamos num corpo cibernético, num futuro distópico. A cidade que protegíamos foi tomada por máquinas maléficas e encontrar o nosso mestre e companheiros ninja é a única forma de salvarmos o universo. Ou assim nos diz o nosso fiel companheiro robot L-Gion, que nos enquadra no que se passou desde que morremos. Pois. Não acordamos num corpo cibernético com tempo limitado por acaso, mas sim devido a um desastre que arruinou Mekacity e levando com ele tudo aquilo que nos era querido. O sinistro Dr. Progen é o vilão responsável por tudo isto, vil experimentador  e após este contexto começamos a nossa aventura. 

O esquema de nomes continua espetacular e apesar do plot clássico (é só incrível quando ninjas cibernéticos são já clássicos) tem os seus twists e mistura bem a parte futurista com a mais espiritual. Pelo caminho vamos encontrando bosses também eles com os seus poderes e histórias, cada um apresentando um desafio único. Encontramos também companheiros caídos e máquinas que nos vão dando mais contexto de como se encontra Mekacity. Temos alguns desvios ao mundo virtual e ao espiritual enquadrados adequadamente para o seguimento da história.



O gameplay é do mais simples, vindo a exigência não de comandos complexos mas da nossa habilidade e reflexos. Quase se faz só com os direcionais, salto e ataque sendo a grande maioria dos ataques especiais uma combinação destes. Esses ataques permitem não só formas diferentes de lidar com os inimigos, mas também métodos alternativos de avançar pelo mapa e progredir. Existem upgrades permanentes à vida e barra especial (que usamos por exemplo para as nossas super futurísticas nunca antes vistas... Shurikens) alguns escondidos através de paredes quebráveis e puzzles ou inimigos. Com o progresso na história vamos também adquirindo habilidades ninja, tanto em bosses como após desafios (sejam eles combate ou puzzles).

O progresso é gravado por checkpoints e aqui sim temos uma alteração maior à formula: os pontos que obtemos dos inimigos podem ser usados para melhorar permanentemente o checkpoint. A partir do momento em que adquirimos a melhoria, aquele checkpoint para além de recuperar a nossa vida, pode recuperar também especial e oferecer uma arma secundária. As armas secundárias, sejam encontradas no nível ou no checkpoint, têm o limite de 3 ao fim dos quais as perdemos. Existem imensas e cada nível introduz uma nova com funcionalidade adequada para os inimigos do mesmo, ainda que não necessárias para a progressão. 



O artstyle com sprites passa lindamente o estilo neo-clássico do jogo, descrevendo bem com os backgrounds o ambiente do nível (e adequadamente alterando ao longo dos mesmos). A música é uma verdadeira homenagem à música 8 bit e está muito bem conseguida, tendo cada zona e até bosses a sua. As opções incluem ainda um filtro de CRT para os fãs dos 90s e até um filtro de um CRT com os fios estragados. Os controlos são completamente customizáveis e joga-se bem de teclado ou comando, tendo também tradução em várias línguas incluindo a nossa, na versão sul-americana. Não tem opções de dificuldade sendo um jogo que exige alguma paciência e aprendizagem de padrões para termos sucesso.



Uma entrada extremamente sólida no género, com toques modernos, mas que transmite o espírito dos clássicos do género deixando a sua marca bem definida e cheia de estilo. Fica a pergunta: sonham os ninja robôs com templos espirituais eléctricos?


PS: A custcene de esperar no menu inicial vale a pena e não tem spoilers!

Nota: Análise efetuada com base em código final do jogo para PC via Steam, gentilmente cedido pela Yacht Club Games.

Cyber Shadow Cyber Shadow Reviewed by Bruno Santos on 14:00 Rating: 5

Latest in Sports