Yoshi’s Crafted World


Desde que protagonizou o seu primeiro videojogo de plataformas na Super Nintendo, até aos dias de hoje, Yoshi sempre foi uma das personagens da Nintendo mais propensas à experimentação com estilos artísticos e conceitos de jogo diferentes. A par dele, só talvez o adorável Kirby e, por isso mesmo, não é de espantar que ambos tenham passado pelas mãos da Good-Feel, estúdio que agora nos traz este Yoshi's Crafted World.

Depois de um mundo de lã em Yoshi's Woolly World, um título que já por si evidenciava o gosto dos criadores pelos trabalhos manuais, em Yoshi's Crafted World todo o universo de jogo é inspirado no conceito de artesanato como forma de reciclar e reutilizar outros materiais. Caixas de cartão, garrafas de plástico, fita adesiva e muita criatividade à mistura! Aliás, criatividade é mesmo a palavra-chave aqui.

Do princípio ao final do jogo, não há um nível que não surpreenda, seja pela sua temática, pelas suas mecânicas ou mesmo pelos materiais físicos em que se inspiraram para o criar. Não há dois níveis iguais, sendo a chegada a cada novo cenário uma agradável descoberta. Embora estejamos a falar de algo totalmente virtual, criado e modelado em três dimensões para um videojogo, muito do que se vê nestes cenários poderia ser realmente construído com os mesmos materiais que o jogo está a simular. Nota-se facilmente a paixão dos criadores.


Mas de que se trata, então, a aventura neste mundo artesanal? Este é um jogo de plataformas feito em cenários tridimensionais, mas cuja jogabilidade é maioritariamente feita em 2D. A profundidade entra muitas vezes em jogo, no entanto, seja por interações no cenário, seja pelos ovos do Yoshi, que podem ser disparados em qualquer direção com a ajuda de um cursor. Muitos segredos e desafios estarão, precisamente, escondidos em planos de fundo dos cenários, à espera dos jogadores mais atentos. Alguns níveis irão obrigar o Yoshi a viajar entre os seus diferentes níveis de profundidade, mas não há aqui propriamente uma regra na sua estrutura.

Quem já tiver jogado algum jogo de plataformas do Yoshi irá facilmente reconhecer as suas mecânicas principais: engolir inimigos, atirar ovos e colecionar margaridas sorridentes ou moedas vermelhas que se encontram espalhadas pelos níveis. Logo desde o início, é possível optar entre o "Mellow Mode" (extra fácil, para jogadores inexperientes) e o modo normal, mas não se espere daqui um jogo propriamente difícil. Para um jogador experiente, os primeiros 80% do jogo serão até bastante fáceis, acabando por ser uma surpresa encontrar-se cenários mais desafiantes nas fases finais do jogo.

Mais do que acabar um nível no sentido de chegar à meta e passar ao seguinte, o verdadeiro desafio deste Crafted World é a vertente colecionista. Encontrar todas as flores e todas as moedas vermelhas não será fácil, exigindo uma observação atenta dos cenários e os seus diferentes níveis de profundidade. Como se tal não chegasse, em cada mundo haverá ainda personagens a pedir que se encontrem certos objetos dentro dos níveis, oferecendo uma recompensa em troca. Mas não é tudo!


Sendo estes cenários totalmente tridimensionais, cada nível terá o seu "Flip Side", uma opção de o jogar de trás para a frente com a câmara colocada no lado oposto à versão normal do nível. Aqui, o objetivo será encontrar três pequenos cachorrinhos Poochy, obrigando a jogar com atenção a todos os pormenores do cenário. O mais impressionante aqui é que isto não é um modo espelhado ou algo parecido. É mesmo o mesmo nível, visto do outro lado. Se de um lado podemos ver uma folha de cartão a imitar um arbusto, do outro lado podemos ver o suporte que fizeram para ele se manter em pé. Artisticamente, é simplesmente fantástico.

Infelizmente, a experiência será um pouco diferente para quem jogue com a Nintendo Switch em Modo TV ou Portátil. O jogo tem um grafismo belíssimo, especialmente na simulação do aspeto dos materiais com que é suposto os cenários serem feitos, além de uma agradável desfocagem associada à profundidade. Menos agradável é a desfocagem que o jogo recebe em modo portátil, a correr numa resolução inferior à do ecrã da consola. É realmente uma pena, especialmente num jogo com uma arte tão criativa, mas para quem jogar maioritariamente em modo portátil a experiência será inferior.

Voltando à questão do colecionismo, poderá ser um factor decisivo na decisão entre comprar ou não este jogo. Conforme se vai avançando no mapa, vários obstáculos irão exigir a entrega de flores sorridentes como moeda de pagamento para avançar. Isto exige que haja um mínimo de cuidado em fazer algo mais do que simplesmente passar os níveis, mas não impede que se faça uma corrida do início ao fim do jogo em apenas cerca de 6 horas. O colecionismo e a rejogabilidade que está associada aos factores referidos mais acima é que formam o verdadeiro recheio deste jogo, estando os níveis cheios de segredos para encontrar. Com isto sim, teremos jogo de plataformas para 20 horas ou mais.


Yoshi's Crafted World não é um jogo difícil, nem muito extenso, mas é sem dúvida um jogo criativo e inspirador. Com um modo dedicado aos mais inexperientes, além da possibilidade de se jogar a dois, é um jogo de plataformas ideal para os mais pequenos. Além disso, não há como não referir a forma como todo o jogo faz lembrar o Nintendo LABO, brinquedos de cartão para a Nintendo Switch com uma forte componente de criação e imaginação. Podem não ser muitos níveis, mas são dem dúvida todos muito diferentes e conseguem ser mesmo surpreendentes.

Numa altura em que o mundo começa a ficar mais consciente para os temas do ambientalismo, é também um jogo que, pela sua direção artística, promove a reciclagem e reutilização de materiais para a construção de novas coisas. Em vez de ir para o lixo, uma garrafa de plástico pode dar um foguetão de brincar? Pode pois!

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo Switch, gentilmente cedido pela Nintendo.
Yoshi’s Crafted World Yoshi’s Crafted World Reviewed by Telmo Couto on 27 março Rating: 5

Latest in Sports