The Walking Dead: The Final Season - Episode 4


Análise por André Santos // Parceria Future Behind

Acabou.

Chegou ao fim a história que começou a ser contada em 2012 pela Telltale Games, não me vou alongar sobre o fim do estúdio porque para isso tive a análise do terceiro episódio desta última temporada de The Walking Dead, quando o fecho do estúdio estava mais fresco na memória. Vou, sim, falar-vos da minha experiência com o episódio final do título agora produzido pela Still Not Bitten Team em conjunto com a Skybound Games.

Aproveitei uma viagem de 8 horas para pegar na minha Nintendo Switch e começar a explorar o fim da história de The Walking Dead. Devo admitir que começou com um pouco de turbulência pois não foi fácil adaptar-me, de imediato, aos controlos do jogo na consola (a análise anterior foi feita em Windows PC). Alguns minutos e algumas ações falhadas depois, lá consegui perceber a mecânica do jogo e tudo se tornou mais fácil.

A história passa-se imediatamente depois dos acontecimentos do terceiro episódio, significando isto que a ação começa mal entramos no jogo... é ligar a consola e começar a fazer escolhas. E tenho que vos dizer, este último episódio é feito de escolhas difíceis.

O quarto episódio, Take Us Back, talvez por ser o fim de uma história, é um pouco mais parado que os primeiros três desta última temporada de The Walking Dead, notando-se claramente que a intenção dos criadores é mesmo a de contar a história e não a de criar mais momentos de ação parar manter o jogador agarrado ao título. Embora, como disse anteriormente, este seja um episódio de escolhas difíceis, a verdade é que são menos as escolhas e mais as cutscenes durante o decorrer do título. Tudo isto faz com que o capítulo que encerra a história seja mais lento mas também mais emotivo... Acreditem, se os jogadores não ficarem agarrados pela ação, ficarão certamente pelo lado emotivo da história.

O último episódio está dividido em três partes importantes e, sem spoilers (saltem este parágrafo se ainda não jogaram o terceiro episódio), posso dizer que estas três partes são as seguintes. Na fase inicial, quando têm que sair do barco onde se encontravam. Segue-se aquilo que as personagens acreditam ser, o caminho de regresso à escola, seguido do momento final, que por razões óbvias não vou comentar. Ok... digo apenas que é um momento de união.


Durante o decorrer do jogo, existiram momentos que me fizeram querer parar com as escolhas, nenhuma das opções apresentadas tinha um bom fim. Todas elas eram, à sua maneira, tristes... capazes de deixar um sentimento de revolta, acreditem... dei por mim a pensar: “Isto não pode acabar assim”. E não acaba, depois de um regresso ao passado voltamos ao presente e percebemos que a equipa responsável por finalizar a história fê-lo de uma forma muito boa, celebrando todos os que sobreviveram, mas também todos os que caíram até aquele momento.

Já perceberam que o jogo me deixou um pouco emocionado certo? Para ser honesto, é a primeira vez que estou a escrever uma análise logo depois de acabar o jogo, e é sem dúvida alguma a primeira vez que estou a escrever 10 quilómetros acima do solo. Passemos à parte técnica: A comparação tem que ser feita, Nintendo Switch ou Windowa PC? Tenho que dizer que a Switch se comporta muito bem, mesmo nos momentos mais rápidos não fui capaz de notar nenhuma quebra no desempenho da consola híbrida da Nintendo. Algo que notei de diferente, relativamente ao PC, foi o facto dos tempos de loading serem um pouco mais demorados na consola. No fim de contas, a escolha tem que cair sobre cada um de vocês tendo em conta a vossa plataforma gaming preferida, pois mesmo existindo controlos diferentes entre plataformas é algo que acabam por se habituar.

Outra diferença que saltou à vista foi a alteração na forma de fazer as escolhas no ato final do título. Aqui passamos a ter uma lista de opções onde temos que selecionar a que melhor se adequa ao que nos vai na alma, ou seja, ou seja as opções passam a ser mais que quatro e deixamos de ter que nos preocupar com o tempo que temos para tomar determinada opção, pois passa a ser ilimitado. Acredito que esta opção se deva ao facto de nos encontrarmos na reta final de The Walking Dead, onde é mais importante fazermos as nossas escolhas de forma calma e sensata e não de forma apressada... ao fim de contas, estamos a encerrar uma história e não temos nenhum monstro atrás de nós.

Por fim, resta-me dizer que embora todos saibamos que este é o fim de linha para o título, o mesmo acaba de uma forma que nos permite ver continuidade, que nos permite imaginar como vai ser a vida daquelas personagens dali para a frente, agora que já não estamos lá para os guiar.

Peço desde já desculpa por este pedaço de texto e por estas duas imagens que se seguem (espero que não as vejam como um spoiler, porque não é essa a intenção).


Quero acabar esta análise de forma diferente, agradecendo à equipa que pertencia à Telltale Games, agora Still Not Bitten Team, e à Skybound Games pelo facto de nos terem permitido concluir esta fantástica história. Pois numa década recheada de zombies, esta história, arte e música acabam por ser uma lufada de ar fresco no mundo dos videojogos.

Obrigado.


Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo Switch, gentilmente cedido pela Ecoplay.
The Walking Dead: The Final Season - Episode 4 The Walking Dead: The Final Season - Episode 4 Reviewed by Telmo Couto on 28 março Rating: 5

Latest in Sports