RICO



RICO é um FPS com um estilo indie que, à primeira vista, até parece bom. O grafismo é simples e até um pouco pobre (apesar do nome), mas a maior desilusão está na experiência que o jogo oferece.

Visualmente, este RICO é tão pobre que até dói, apesar dos vídeos de apresentação até prometerem algo agradável com um cel-shading simplista. Enquanto jogava só me ria de tão mau que este jogo é apresentado aos jogadores. É incrível como este produto saiu assim para o mercado, será que a equipa de produção não tem noção daquilo que fez?

Tudo começou mal logo no tutorial, um tutorial praticamente sem nexo mas que, pelo menos, ensina quais são os botões a pressionar. Se o vídeo de introdução apresenta o que parece ser uma história mais ao menos cativante onde a polícia luta contra os gangues de traficantes, por fim acaba por nunca desenvolver. Sendo um jogo principalmente dedicado ao multiplayer online mas com a possibilidade de jogar a solo, a jogabilidade é tão pobre e vazia que nem em modo cooperativo tem piada, quanto mais jogar a solo.


O jogo conta com 3 modos, podia dizer que são diferentes mas na verdade, não o são. Existe a operação rápida, modo caso e o jogo diário, mas todos eles consistem no mesmo, ou seja, extremamente básico. O objetivo é sempre derrotar os traficantes que se encontram no interior de cada sala, excetuando no modo Horda, onde o jogador tem de derrotar ondas de inimigos como se fosse um modo survival no interior de uma garagem extremamente limitada no que diz respeito a espaço para jogar. Temos por exemplo 10 salas/quartos, cada uma delas tem 2/5/8 inimigos e o jogo é isto. Eliminar todos os inimigos em cada sala, destruir servidores ou desativar bombas em certas salas e no fim proceder à saída. Em algumas das salas existem documentos, dinheiro sujo, balas e saúde para recolher. Com a experiência é possível comprar armas, seringas de saúde e equipamento.

O mais engraçado em RICO é pontapear as portas e entrar no modo slow motion (que o jogo obriga efetivamente) mas, após fazer isto em todas as portas de cada um dos níveis (cada nível conta com no mínimo umas 15 portas), é mais do que óbvio que é extremamente aborrecido, repetitivo e cansativo após os dois primeiros níveis. Além disto, a inteligência artificial é tão má que é um absurdo pois os próprios traficantes disparam contra os seus aliados caso estes se encontrem de frente a eles. É realmente fatal, não é possível entender como erros destes estão descaradamente na versão final do jogo à venda para o público. Sem referir os loadings longos para algo tão básico, num cenário fechado e com um grafismo pobre. Os inimigos, após 5 segundos de serem abatidos desaparecem do chão sem vestígios.


RICO é, como tenho vindo a repetir constantemente na análise, um jogo tão pobre que é impossível não imaginar o que se passou na cabeça dos criadores para colocar algo assim no mercado. Um jogo a evitar a todo o custo, RICO de rico não tem nada.

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo Switch, gentilmente cedido pela Thunderful Games.
RICO RICO Reviewed by Patrício Santos on 14 março Rating: 5

Latest in Sports