Uma introdução aos jogos de tabuleiro

 Artigo escrito por Pedro Kerouac

Gosto de jogar jogos de tabuleiro. Gosto eu, gostas tu, gosta o pai, a filha, o tio e a avó. Até os amigos gostam. Alguns dizem que não. Que não têm paciência, que não têm tempo, que é coisa de miúdos, que estão velhos demais para isso. 

Ou que, simplesmente, não gostam. Estão no seu direito. É uma opinião tão válida como qualquer outra. São gostos. 

Eu discordo.

- Mas agora discordas dos gostos de uma pessoa?

Hum…

Esta conversa - imaginária, mas perfeitamente plausível - fez-me pensar naquilo em que de mais básico e essencial assenta o hobby: o que é e para que serve um jogo de tabuleiro?

E a resposta é tão vasta que pode chegar a parecer evasiva. É um veículo que permite a socialização, o convívio. Certo. É um meio de aprendizagem através do qual se adquirem ou consolidam capacidades tão variadas como a memória, a destreza, o raciocínio lógico ou o espírito de equipa. Correto. É um objeto lúdico que proporciona prazer através da criação de estratégias, da diversão mais ou menos imediata, do desvendar de enigmas ou da tensão crescente que cria. Também verdadeiro. É um simulador de problemas, situações ou desafios que proporcionam experiências diferentes e vastas aos jogadores. Não diria melhor.

Eu diria que o jogo de tabuleiro é, na sua essência, um veículo de experiências. Seja qual for a sua base e a sua composição, aleatória ou determinística, solo, para poucos ou para muitos jogadores, com miniaturas ou os clássicos cubinhos, abstratos ou com alto teor temático, todo o jogo de tabuleiro acarreta consigo uma experiência em potência. É essa experiência que o jogador, eu, tu, qualquer outro, procura. É essa experiência que o criador do jogo tenta aperfeiçoar com o intuito de encontrar o seu público.

Todos nós temos expectativas, sonhos e medos diferentes, muitos deles altamente baseados nas condicionantes que nos fizeram e fazem enquanto pessoas. Por isso, todos nós valorizamos diferentes experiências e sensações, diferentes desafios e ambições. 

O segredo não está em tentar convencer ninguém a gostar de jogos de tabuleiro. Não é preciso. É preciso perceber que há um jogo de tabuleiro, uma experiência dentro de uma caixa, para cada tipo de pessoa. Quando encontramos o jogo certo para a pessoa certa, abrimos uma Caixa de Pandora. E há sempre um jogo certo para cada pessoa. 7000 anos de jogos de tabuleiro falam por si.



Uma introdução aos jogos de tabuleiro Uma introdução aos jogos de tabuleiro Reviewed by DICE Cultural on 10:00 Rating: 5

Latest in Sports