Gears 5


Gears of War, uma das séries mais amadas pelos jogadores está de regresso e com a cara lavada: com novo nome e protagonistas, eis o novo Gears 5! É sabido que os produtores por detrás deste título fizeram um esforço colossal para trazer o novo capítulo da saga exclusiva da Microsoft aos fãs, mas será que foi bem conseguido?

Considero-me um grande fã desta série, tendo todos os títulos e terminado duas vezes cada um deles exceptuando o quarto capítulo, que na minha opinião deixou um pouco a desejar. Gears 5 quis trazer o efeito “wow” aos velhos e novos jogadores da série. Empenharam-se tanto em apresentar a saga aos mais recentes jogadores, que está disponível no próprio jogo um resumo de toda a série. Até os próprios veteranos vão adorar visualizar nem que seja pela nostalgia pura, os bons velhos tempos de horas passadas na Xbox 360 com Marcus Fenix e companhia.

Depois desta introdução, nada como iniciar a campanha, talvez mesmo a melhor de toda a série. Desde momentos de drama, raiva, frustração e silêncio, a momentos tensos e sangrentos com violência e tiroteio na aniquilação dos Locust e o Swarm. Eles estão de volta e o prazer de os cortar com a belíssima Lancer é de chorar por mais e mais carnificina. Por falar em Lancer, para além da original e da retro que já tinha sido incluída antes, foi adicionado um novo modelo da arma ,que tem como segundo modo de disparo 3 lança granadas onde o jogador aponta, dispara e chovem pequenos mas bombásticos explosivos do céu. Foram igualmente adicionadas outras armas e modelos diferentes, no entanto, confesso que pouco utilizei sendo um completo maníaco pela Lancer. Uma das novas armas foi talvez a segunda mais utilizada e que apenas surge um pouco mais adiante na campanha mas que provoca danos irreversíveis a todos os inimigos.


Na maior parte da campanha o jogador terá sob controlo a personagem Kait, a principal figura deste capítulo já que o foco principal da história gira em torno de si. Mas inicialmente a personagem jogável é James Fenix, filho do lendário soldado Marcus Fenix, outrora protagonista da série, dando assim espaço à sua semente e aos jovens soldados que marcaram a sua estreia em Gears of War 4.

Existem menções a personagens como Anya, esposa de Marcus e a aparição de Baird e Cole, antigos companheiros de Fenix, velhos mas com muita força para travar os Locust seja de que maneira for. Talvez o ponto que mais me desmotivou a jogar foi mesmo esse, o amor e carinho pelas personagens anteriores é tão grande que os novos personagens não me conseguiram cativar nem no quarto capítulo nem neste. No entanto isto é apenas uma opinião pessoal, até porque admiro imenso a história muito bem trabalhada de Kait e o desenrolar dos acontecimentos é incrível, o que vai agarrar muitos dos jogadores.

Em termos de brutalidade, embora tenha as grandes quantidades de sangue pela qual a série ficou famosa, é bem mais suave que na trilogia original, onde o ambiente era realmente agressivo. No entanto, se para alguns o aspecto gráfico é tudo, Gears 5 está um dos jogos mais geniais nesse aspeto. O grafismo é incrível, verdade seja dita, foi o que mais apreciei no quarto jogo e este consegue estar ainda mais além. Já a banda sonora, tem uns toques do tema clássico de Steve Jablonski mas não é tão memorável como os 3 primeiros.


Foram inseridos novos Locust, mais ferozes e difíceis de derrotar, já alguns bosses têm o mesmo padrão e estão quase uma cópia do original, apelando pela nostalgia, embora com novas formas de os derrotar. Poderá ser preciso ajuda para derrotar as hordas de inimigos, por isso em todos os capítulos podem chamar um amigo para jogar em multiplayer, seja via online ou local. Não é algo muito comum neste género de jogos, por isso há que aplaudir pela oportunidade, principalmente neste título que tanto faz falta ter alguém competente para ajudar.

Se o jogador estiver a solo, para além da IA, o robô Jack estará sempre disposto a ajudar, o maior salva vidas que se pode ter ao nosso lado. Jack não é um mero robô, ele ajuda a abrir portas e a recolher armas, mas o trabalho dele não fica por aqui. Durante toda a campanha ele recebe atualizações extremamente úteis nesta jornada. Ele pode criar uma camada de gelo em redor do jogador para atravessar passagens flamejantes, criar um escudo para proteção de balas, ter controlo de máquinas etc… Estes perks podem ser atualizados com itens que estão espalhados por Gears 5. O Jack é um verdadeiro Ripper, got it?

E como nos dias de hoje os jogadores não se contentam com jogos lineares, Gears 5 é o primeiro título da série que traz secções em que o jogador pode explorar livremente e até realizar missões secundárias. Estas prolongam a campanha, que já de si é bastante longa. Aqui tem-se o controlo de uma espécie de kit surf mas controlado no gelo e num vasto deserto.


A jogabilidade de Gears 5 está bastante refinada, contando com o meu sistema de cobertura favorito de sempre. Fora da campanha principal, há ainda o modo multiplayer que promete horas e horas de diversão. Embora não seja de todo fã, experimentar este modo foi realmente divertido, e aqueles que aderiram ao Xbox Game Pass para jogar tiveram a oportunidade de jogar com o T-100 do Terminator e a própria Sara Connor, o que realmente aguçou a curiosidade dos jogadores tal como a mim.

Falando nos problemas a sério que todos registaram e que esperamos que sejam resolvidos o quanto antes com updates. O jogo, que teve o seu lançamento antecipado através do Xbox Game Pass, causou problemas por todo o mundo incluindo a mim. Jogadores que estiveram a recolher colecionáveis e que num "auto save" que se prolongou e congelou acabaram por perder tudo, voltando a ter de reiniciar o jogo e recomeçar o nível inteiro e recolher novamente tudo. Este erro grave do save deixou os jogadores com nervos à flor da pele pois o problema era aleatório e não havia como escapar. No entanto, é ago que deverá ser resolvido brevemente, caso até já não esteja resolvido no momento desta publicação.


Gears 5 tem uma campanha explosiva que faz com que seja facilmente um dos melhores jogos do ano, visualmente deslumbrante, uma narrativa de se tirar o chapéu com uma dose de tiroteio que enche as medidas a todos. Mesmo tendo um arranque que sofreu com algumas falhas e pequenos bugs, Gears 5 não deixa de ser uma experiência obrigatória na Xbox One, também disponível para PC.
Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Xbox, disponível via Xbox Game Pass.
Gears 5 Gears 5 Reviewed by Patrício Santos on 20 setembro Rating: 5

Latest in Sports