Primeiras Impressões: Monster Train


Um roguelike interessante e bem construído, com semelhanças inegáveis ao brilhante Slay the Spire. Ainda assim tem o suficiente de diferente para se destacar e estando neste momento ainda em desenvolvimento muito espaço para crescer. Tivemos acesso a uma versão beta para o ficar a conhecer. Vamos, então, acender de novo o Inferno?

Monster Train é na sua essência um roguelike que utiliza a construção de baralhos e a aleatoriedade para cada viagem até ao centro do Inferno (ou o mais próximo que se consiga) ser diferente da anterior. Tem essencialmente 3 tipos de cartas: os feitiços, os nossos aliados e o nosso campeão. Há vários clãs para escolher (escolhendo-se para dois cada run) e dependendo da escolha as cartas disponíveis mudam também.

O campeão é sempre pertencente ao clã principal, é o nosso aliado mais forte e que tem vários caminhos possíveis de upgrade. A diversidade de estratégias só nisto é gigante, adicionando ainda o factor aleatório presente em cada run. Mais ainda e o que o distingue particularmente de outros é colocarmos os aliados em 3 andares, os monstros começam sempre no inferior e vão subindo após as rondas. Em cada ronda temos uma nova mão de cartas, as quais podemos usar para construir o nosso exército ou usar feitiços para reforçar as unidades existentes ou dar dano e outros efeitos aos inimigos. Os conceitos existentes são comuns a muitos outros, mas a disposição das unidades nos vários andares e mesmo a ordem pela qual estão dispostas adicionam camadas de estratégia super interessantes.


Tendo apenas 2 clãs nesta versão, posso dizer que em nenhuma das runs usei estratégias semelhantes e ainda há muito mais a caminho. Temos também artefactos que dão bónus permanentes e cada boss tem uma mecânica particular que varia em cada run. O último boss também varia com as runs, podendo ter efeitos diferentes e levando a uma adaptação desde o início à estratégia. Sempre que jogamos vamos desbloqueando mais cartas e artefactos, em suma mais opções para as próximas runs.

Para além disso tem o já comum challenge diário, no entanto permite a criação de challenges que podem ser partilhados online para desafiar amigos ou fazer a vida dos outros jogadores um verdadeiro Inferno. As runs do challenge diário são simultâneas com outros jogadores e podemos ver no fim os melhores pontuados, tendo uma componente competitiva ligeira e que nos faz querer sempre melhorar e ganhar aos outros. Tem também o modo Hell Rush em que competimos contra 3 outros jogadores para ver quem é o mais rápido e eficaz a acender a fornalha infernal.


A banda sonora é espetacular, cada boss tem a sua própria música e são bastante épicas. Mais do que isso cada mapa representa áreas diferentes do inferno e tem portanto características diferentes. No entanto o mapa onde lutamos é sempre o mesmo, alguma variedade aproveitando as características que já existem nos mapas. As animações no combate também não são muito variadas ou têm muitos efeitos, mas a opção de acelerar o mesmo é prática, principalmente nos níveis mais tardios onde há muitas interacções a acontecerem.

Em suma, parece prometer para quem gosta do género roguelike e construção de baralhos tendo a versão completa já planeada um sem número de adições. Mesmo incompleto já providencia horas de diversão e runs extremamente variadas. Sem dúvida um título a manter debaixo de olho, com data de lançamento prevista para o Q2 de 2020.

Primeiras Impressões: Monster Train Primeiras Impressões: Monster Train Reviewed by Bruno Santos on 06 abril Rating: 5

Latest in Sports