One Piece: Pirate Warriors 4


A série que vejo há mais tempo, e que já vai neste momento com 927 episódios, One Piece é sem sombra de dúvida umas das melhores e mais amadas séries de sempre pelos fãs de mangas e animes. A famosa obra de Eichiiro Oda não parece ter travão tão cedo e por isso mesmo, os jogos continuam a ser lançados após 2 décadas do seu nascimento. One Piece: Pirate Warrios 4 é o mais recente jogo em estilo "musou", mas sendo o quarto terá trazido algo de novo para os fãs?

Posso começar por dizer que sou um amante da série e não falho o meu episódio ao domingo, neste momento a série encontra-se no arco Wano, com o vilão Kaido, um dos 4 Yonko, os piratas capitães mais famosos em One Piece. O jogo começa precisamente com um tutorial dos comandos básicos em pleno território Wano numa luta contra os Beasts Pirates subordinados de Kaido numa luta que chega a ter como Boss a Big Mama e o próprio Kaido. Sinceramente, não sei se foi um spoiler ou apenas uma introdução visto que a luta envolvia o nosso protagonista Luffy acompanhado de Eustass Kid, que se encontram de momento numa prisão.


Já muitos de vós sabem que a série é gigantesca, tirando Pókemon, é a a série anime com mais episódios. One Piece: Pirate Warriors 4 volta ao passado na história e começa a sério já após os eventos em East Blue, começando assim quando parte da tripulação faz parte ao comando do capitãp Luffy. O jogo começa com o arco Alabasta, no deserto, avançando uma enorme quantidade de episódios, seria expectável não conseguir encaixar toda a história de One Piece até ao arco atual. Mas é necessário referir desde já que é possível tirar proveito do jogo sem ter visto a série pois o importante da história é resumido. Infelizmente, alguns capítulos que fizeram parte dos outros jogos Pirate Warriors foram postos de parte para ser possível inserir os que ao ver da produção, eram os mais relevantes, excluíndo assim arcos memoráveis como Skypiea, Thriller Bark e Fishman Isand. Incluíndo os que tiveram mais impacto como Ennies Lobby, Summit War, Dressrosa, Whole Cake Island e claro, Wano.

O género de jogo não é apreciado por todos, no entanto tendo um tema sobre um anime ou um outro jogo como aconteceu com Dragon Quest, dá sempre outra vontade de jogar. Mas este é já o quarto da série e a ver de muita gente, pode ser mais do mesmo. Verdade seja dita, a fórmula é a mesma, não há que enganar, hordas de inimigos, devastar tudo e seguir ao próximo objetivo, como sempre, algo básico, derrotar inimigos específicos, correr contra o tempo na conquista de bases que se encontram no mapa ou simplesmente salvar amigos de situações menos agradáveis, tudo à base da porrada à moda antiga.

No entanto é de aplaudir algumas novidades inseridas. Eu joguei os dois primeiros títulos na geração anterior, deixando para trás o terceiro jogo da série simplesmente porque não cheguei a ter a oportunidade de jogar pois possívelmente iria jogar, isto porque apesar de normalmente ser mais do mesmo, sendo ele do universo de One Piece, gosto sempre de explorar. O quarto jogo trouxe novas mecânicas que acabam assim, por dar outra vida ao jogo.


Desta vez Pirate Warriors 4 inseriu um sistema interessante de adquirir novas habilidades, aumentar a saúde e ganhar mais força. Antes de iniciar as batalhas, o jogador é apresentado a um menu com 4 opções. O Growth Map, aqui o jogador irá utilizar os Berries (moeda no universo One Piece) e os materiais recolhidos nas batalhas. São apresentados 3 mapas de crescimento, o terceiro apenas desbloqueável após o rácio de aquisição ser alto o suficiente para que seja desbloqueado. Estes mapas são importantes para aumentar a força, stamina, defesa e até desbloquear habilidades para que possam ser usadas nas batalhas.

Cada personagem tem o seu Growth Map, para completar tudo levará uma enorme quantidade de horas devido aos requisitos para completar e obter todas as habilidades e desbloquear o potencial de cada personagem. A opção Special move set é precisamente onde o jogador poderá escolher os ataques especiais das personagens, ao contrário dos outros jogos, agora podem escolher quais as habilidades para levar, como a série é extensa, todas as personagens contam com carradas de movimentos especiais. O Skill set é onde se encontram as habilidades que ajudam o jogador em vários aspetos, desde o aumento da força, ao restauro dos ataques especiais ou à maior chance dos inimigos derrotados larguem mais Berries, tudo isto são habilidades aplicadas a cada personagem. A última opção é, infelizmente, a banda sonora, que embora seja boa, é uma vez mais uma original criada de raíz ao contrário da original que dá no anime, podiam licenciar e pelo menos fazer um remix tal como aconteceu com o jogo Dragon Ball : Kakarot, o jogo teria decididamente outro impacto nos jogadores.

Voltando ao menu inicial e deixando o Dramatic Log de lado (modo história), este também conta com o Free Log, para jogar novamente todos os mapas da forma como desejarem, já o Treasure Log leva o jogador a outras partes do universo One Piece, contando com as zonas East Blue, Grande Line e New World. Este modo é interessante, foge à história e centra-se nas personagens e as suas características, apresentando também outras que não estão no modo Dramatic Log, o que acaba por ser realmente bom e vai certamente estender as horas de jogo. Estes são os modos de jogo disponíveis, depois há o System/opções e o Gallery. No gallery encontra-se toda a informação de cada um dos piratas, heróis e vilões. Não me recordo se nos jogos anteriores era possível alterar as vozes mas neste, apenas estão as vozes originais em japonês, os puristas como eu podem sorrir de alegria.


O multiplayer está disponível em todos os modos, pode ser jogado online ou couch, no entanto não conseguimos testar visto que não conseguimos apanhar ninguém online na altura de realizar a análise. O divretimento a dois é muito maior com toda a certeza, embora se jogue perfeitamente sozinho seja qual for o modo, mas uma vez mais, acompanhado, é sempre uma grande valia e outra experiência. A quantidade de personagens é absurda, à volta de 40, algumas delas vão sendo desbloqueadas através de certos objetivos realizados no modo Dramatic já outras simplesmente passando os níveis. Foram inseridos os irmãos de Sanji da Germa 66, Katakuri dos piratas da Big Momma e várias personagens do novo arco Wano como Kinemon.

A parte negativa aqui são os loadings demorados antes das cut-scenes, curiosamente quando é para entrar realmente no mapa e começar a jogar, os loadings são quase inexistentes. O grafismo não é mau mas sinceramente, podiam alterar, isto porque o grafismo é exatamente o mesmo da geração anterior e é algo que se nota que não sofreu praticamente nenhuma nova transformação, o que podia muito bem ter tido um novo toque/look.


Para finalizar, ao contrário de jogos como Demon Souls, este é o tipo de jogo que se foca no divertimento e não exige grande concentração, a ideia é passar um bom tempo com o universo de One Piece que é tão rico, disfrutar dos arcos mais recentes e sentirem-se poderosos. A nossa análise foi realizada na Nintendo Switch e temos a sublinhar que a versão corre perfeitamente sem quaisquer quebras, embora possamos referir que se nota a resolução mais baixa comparada com as versões concorrentes, One Piece : Pirate Warriors 4 portou-se lindamente na Switch fosse portátil ou na TV, é caso para dizer que assim, o Luffy pode muito bem ser o Rei dos Piratas!

Nota: Análise efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo Switch, gentilmente cedido pela Bandai Namco Entertainment.
One Piece: Pirate Warriors 4 One Piece: Pirate Warriors 4 Reviewed by Patrício Santos on 09 abril Rating: 5

Latest in Sports