Shovel Knight: King of Cards


Shovel Knight é um grande exemplo de sucesso indie, que chegou tanto aos gamers da velha escola como os mais novos. Tão conhecido, que mereceu já duas sequelas integradas em Shovel Knight: Treasure Trove, às quais se juntam agora Shovel Knight Showdown e este Shovel Knight: King of Cards, também disponíveis em separado.

Tal como nos anteriores, este é um jogo de plataformas 2D de 8 bits que, embora esteja virado para o lado nostálgico de quem jogava no passado na sua velha NES, facilmente atrai jogadores de todas as faixas etárias. Desde o seu grafismo à sua banda sonora, o próprio design dos níveis, tudo se parece com o passado, no entanto em Full HD e com uma belíssima arte que o distingue de muitos outros a imitar jogos antigos. Além disso, recria uma experiência desafiante e viciante, sem ser um jogo mesmo difícil como muitas vezes acontece.


A narrativa é cómica, o jogador veste a pele do King of Knights que usa o seu espectro ao contrário do primeiro título Shovel Knight que tinha a sua pá (shovel). Meio arrogante, deseja tornar-se no melhor jogador de Joustun, jogo de cartas que desempenha grande papel tanto na narrativa como na própria jogabilidade. O objetivo é derrubar os 3 reis deste jogo de cartas e pronunciar-se como o rei do jogo, daí o nome King of Cards.

King of Knights parte assim para a viagem entre os níveis que surgem no mapa, bem ao estilo de Super Mario Bros. 3, com alguns cortes de caminho e side quests, como também níveis especiais que vão surgindo no mapa. O jogador irá visitar aldeias onde poderá comprar cartas, saúde, habilidades, armas, armaduras e claro, efetuar upgrades com os cristais que colecionar. Em certos níveis especiais, fará amizades e com isto, ganhará habilidades que vão contribuir para um melhor equipamento.


Falando nas amizades, os diálogos são bastante cómicos e estão excelentes. O próprio design das personagens, incluindo até algumas que fizeram parte dos outros jogos da saga, como o primeiro mid boss que aqui surge.

E por falar em bosses, tal como a história dá a entender, existem bosses que têm de ser derrotados num jogo de cartas. Aqui pode ser meio frustrante, pois estes bosses não são pêra doce, são de facto extremamente inteligentes e para aprender a jogar bem é necessário puxar pela cabeça. Isto quebra um pouco o ritmo de jogo, que por si é frenético, e divide-o entre um jogo de cartas e um jogo de plataformas. Será obrigatório realizar as partidas de cartas e vencê-las para progredir.

Contudo, o jogo de cartas é maravilhoso e as regras acabam por ser simples, os adversários é que nem tanto. O que ajuda é realmente o jogo ser viciante, mas o primeiro boss deu logo que fazer, obrigando a reiniciar a partida umas quantas vezes depois de perder a maior parte das cartas em posse. Até porque tanto o jogador como os adversários podem igualmente fazer batota, existem até umas cartas especiais para auxiliar o jogador, e mesmo com elas foi difícil vencer a partida contra o primeiro boss. Algo que se vai aprendendo e melhorando ao jogar mais vezes.


Já no que diz respeito às plataformas, é surpreendente ver o design dos níveis e de como é necessário ultrapassar certos obstáculos usando o espectro do King of Knights. Aqui o jogador terá de usar o bash attack para derrubar ou simplesmente cair em cima de cada um deles com o spinning strike. O mais incrível é o facto de serem usados apenas dois botões, fora o D-Pad como é evidente. Ao longo da jornada, o jogador irá desbloquear novas habilidades como usar ratos que transportam bombas e, não se preocupem, os ratos não sofrem danos vá se lá saber porquê, por isso nenhum rato sofreu com o desenvolvimento do jogo.

Já os bosses são espantosos e apesar de todos terem de ser derrotados mais ao menos da mesma forma, acaba por ser sempre variado e cada um deles com os seus ataques característicos, que dão uma variedade fabulosa que deixará o jogador com um sorriso do quão bom esteve a produção por detrás deste Shovel Knight: King of Cards.

De realçar uma vez mais a música fantástica de 8 bits, obra de Jake “Virt” Kaufman e todo o próprio design do jogo que me encantou. Além de que King of Knights usa uma espécie de aeronave que é onde se situa a sua base e todos os laços de amizade que cria vão lá parar e ajudam na jornada do Rei.
 

Esta é a campanha final da saga Shovel Knight: Treasure Trove, disponível gratuitamente para quem o comprou, mas também vendido em separado. É maior e melhor, com 4 mundos e 30 novos percursos, nesta jornada hilariante de derrubar os 3 reis que possuem o seu reinado. Um belíssimo jogo que estará disponível em todas as plataformas incluíndo a geração passada de consolas. Este é igualmente um dos meus jogos favoritos deste ano, fechando 2019 de forma espetacular, é caso para dizer “Longa vida ao Rei!”


Nota: Análise efetuada com base em código final do jogo para PC via Steam, gentilmente cedido pela Yacht Club Games
Shovel Knight: King of Cards Shovel Knight: King of Cards Reviewed by Patrício Santos on 14:00 Rating: 5

Latest in Sports