Dread Nautical


Um navio infestado de zombies, meia dúzia de sobreviventes e uma réstea de esperança para escapar ou, pelo menos chamar alguém que os possa salvar os últimos seres humanos... no meio de todas as aberrações existentes em Dread Nautical.

Antes de começar, o jogo apresenta 3 modos, normal, hard e insane. O normal é o aconselhável para um primeiro playthough e no entanto, o Insane, só para aqueles que desejarem um desafio pois este consiste em jogar até perder a vida e aí, terá de iniciar o jogo do zero. Existem 4 personagens à escolha, cada uma com as suas habilidades e características únicas., desde um Yakuza, um Detetive ou uma até uma nerd em videojogos. Após a sua escolha, o jogador começa a aventura nesta noite de terror. Acordando repentinamente e questionando onde se encontra, o jogador encontra uma personagem de nome Jed. Este personagem será a ponte para as informações básicas. Jed ensina e explica como proceder no navio.


Ninguém percebe bem aquilo que se passa, para além de existirem zombies a vaguear no navio entre outros monstros estranhos. Assim que o jogador toma controlo da sua personagem, terá de chamar o elevador e explorar o deck número 1. Neste deck, o jogador irá aprender os controlos básicos. Podemos dizer que é uma espécie de Fire Emblem ou o recente Gears Tactics. O jogador tem x pontos de ação para se movimentar quando este se encontra em zona de perigo avistando um inimigo. Caso não exista qualquer ameaça por perto, este terá a liberdade para a total exploração. O loot está por todo o lado e inicialmente o jogador não terá propriamente espaço para tudo, assim sendo, terá de gerir muito bem aquilo que quer carregar pois muitos dos itens terão de ser deixados para trás. Enquanto se explora, vão surgindo os zombies, que podem ser derrotados com simples murros ou, usando todo o tipo de armas disponíveis. Tal como em jogos de estratégia, conforme a arma, o jogador pode ou não derrotar o inimigo, esteja afastado ou perto, seja vulnerável ou não. Com uma pistola é possível disparar ao longe sem ter de perder dano contra o inimigo, já com um canudo o jogador terá de se aproximar e sofrer dano será inevitável.

Como referido, existem muito loot a fazer e, o que se mais se encontra é sucata, que faz falta para efetuar upgrades. Os upgrades não são realizados apenas para as armas que se recolhem, a sucata serve para efetuar upgrades à base que ficará abaixo de todos os decks. Na base pode e devem ser construídas camas para outros sobreviventes que podem vir a lutar convosco se vocês forem simpáticos quando se cruzarem com eles pelos decks fora na progressão do jogo. Há também uma forma de subir o nível da vossa personagem e dos sobreviventes que recrutarem, para que estes estejam melhores preparados para quando forem “convidados” a darem uma ajuda pelos decks do navio.


Estas personagens que vão encontrando têm as suas personalidades e cada uma delas conta com um actor de voz em exclusivo, um trabalho notável. O primeiro encontro dita de imediato a vossa relação pois o jogador é confrontado com uma pergunta e terá à escolha 4 respostas, consoante a resposta dada, o jogador criará empatia ou não com a personagem. De lembrar que a personagem nunca pode ser recrutada de imediato e esta é como se fosse inútil até ser recrutada e para a base e convidada a sair para a exploração no navio. É algo que infelizmente, o jogador pode estar a lutar contra um boss, se esta personagem se encontra no navio e não ter sido recrutada, ignora todo o tipo de ameaça e nem sequer é capaz de dar uma mão para ajudar na luta contra os zombies, quando no momento da sua ação, apenas se limita a caminhar em seu redor.

Os loadings são muito longos para um jogo que não puxa por nenhuma das consolas, o grafismo é meio cartoonesco e engraçado. Um visual básico (criado assim intencionalmente) mas cujo design dos decks podia muito bem ser trabalhado, visto que todos os decks parecem os mesmos e fica visualmente repetitivo. O final de cada nível resume-se a tocar a buzina do navio onde o jogador cai de imediato e acorda na base para mais um novo dia.


Dread Nautical podia estar melhor em vários aspetos mas cumpre com os elementos básicos de um jogo de estratégia, apesar de ser simples, não deixa de ser um jogo razoável e acessível mesmo para aqueles que nunca estiveram muito interessados no género de jogo.

Nota: Análise efetuada com base em código final do jogo para Nintendo Switch, gentilmente cedido pela Evolve PR.
Dread Nautical Dread Nautical Reviewed by Patrício Santos on 21 maio Rating: 5

Latest in Sports