Darkest Dungeon


Chegaste a um cruzamento. Se quiseres virar à esquerda salta para a página 32. Segues pela esquerda e encontras um Necromancer. Queres atacar?

Adorava este género de livros quando era mais novo. Poder combinar a leitura com a interacção do jogo era muito bom – infelizmente afastei-me um pouco do medium, mas tenho de ver alternativas para voltar. Darkest Dungeon fez-me lembrar desses livros, da atmosfera gótica e opressiva, da jogabilidade estratégica e da interecção com o mundo. Podia ser um grande jogo e manter-me agarrado durante muito tempo, mas tem uma falha gritante: A interface é péssima e o tamanho de letra é minúsculo. Não sou só eu a queixar; uma rápida viagem pela Internet ou por fóruns específicos mostram que vários jogadores também se queixam do mesmo. Talvez para contornar essa situação, a Red Hook Studios tenha apostado mais na versão portátil e suportado controlos tácteis. Ainda assim é preciso ter a consola colada à cara para podermos ver o que está à frente. Não fosse este o problema, seriam outros. A interface continua péssima, é confusa e não é intuitiva. É frustrante e consegue fazer com que percamos a paciência até desistir.


Admito que não sou fã do género roguelikes pelo simples facto de gostar de jogos movidos pelo enredo. Nota-se que o mercado indie está pejado de roguelikes, portanto há que se destacar. Darkest Dungeon, se ignorarmos o que disse em cima, destaca-se pela sua mecânica viciante (embora não original) que aposta num ambiente Lovecraftiano ou de Bram Stoker. A arte é forte e visceral e característica. Trudi Castle e Chris Bourassa são os vencedores deste jogo e espero ver mais deles. O departamento sonoro, também uma delícia, vai tão bem com a ilustração como manteiga em torradas. A narração de Wayne June é de louvar e toda a banda sonora. Hum.
Eu estou praticamente a falar bem do jogo, mas não consigo acabar numa boa nota. Spoiler: vai ser um razoável pelas razões dadas acima. É jogável, mas se o estúdio lançasse um patch para resolver estes problemas podia tornar-se num grande jogo.

Afinal, do que se trata Darkest Dungeon? DD é um dungeon crawler e side scroller que revolve à volta de quests para limparmos as catacumbas e terrenos do ascendente do jogador. Acontece que este, em busca de mais poder descobriu portais para outras dimensões. Desses portais, saíram as abominações mais terríveis que a humidade jamais viu. O jogador recruta aventureiros e parte para o combate. O jogo não se limita só a combater aventesmas, mas lida com batalhas mais interiores como o stress e sanidade. A doença e fome também são adversários. Antes de cada missão é vital haver uma boa e cuidada preparação para que consigamos chegar vivos da aventura. Se tal não acontecer, há mais carne para canhão a recrutar. Evitem chegar a esse ponto e mantenham a equipa viva e bem treinada.


Se forem persistentes, ignorarem os defeitos que mencionei em cima e quiserem algo envolvente para jogarem em pequenos intervalos ao longo do dia, têm aqui uma boa aposta. Quando a Red Hook lançar um patch talvez mude de opinião e diga que é um grande jogo; memorável e viciante. Até lá prefiro preservar a minha saúde visual.

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo Switch, gentilmente cedido pela Red Hook Studios
Darkest Dungeon Darkest Dungeon Reviewed by André Pereira on 24 janeiro Rating: 5

Latest in Sports