Notícias

Análises

29 de janeiro de 2018

Strikers Edge


Há cerca de 2 anos, Strikers Edge sagrava-se vencedor da primeira edição dos Prémios PlayStation, um concurso de talentos nacionais com objetivo de financiar e apoiar o melhor destes, com vista a um lançamento na PlayStation 4. O jogo, que assenta numa forte vertente multijogador, destacou-se no evento, mas foi também alvo de destaque em múltiplos eventos internacionais após esta data. Um motivo de orgulho para todos, sem dúvida, pois melhor do que se estar a fazer "um bom jogo em Portugal" é saber que se está a fazer um bom jogo, ponto. Independentemente da sua origem, este Strikers Edge que agora chega ao Steam e à PlayStation 4 é um óptimo jogo. Vejamos porquê.


Este é um jogo de combate à distância no qual os lutadores se defrontam numa arena dividida ao meio em combates 1 contra 1 ou 2 contra 2. O combate é uma espécie de "dodgeball" onde cada lutador tenta acertar com uma lança no adversário, numa mecânica que é bastante simples mas está longe de ser básica: para um tiro perfeito, além do movimento das personagens, há que contabilizar também o tempo de viagem da lança. A primeira tentação, então, é de simplesmente atirar lanças à maior velocidade possível, mas imediatamente o jogo nos apresenta uma barra de "stamina" que nos limita os disparos, obrigando-nos assim a ler o adversário, desviar dos seus ataques e atacar no momento certo.

Ao todo há oito personagens para experimentar, cada uma com diferentes caraterísticas, principalmente no que diz respeito ao ataque especial. Os efeitos podem variar bastante, pelo que é importante conhecer bem o que faz cada uma antes de enfrentar o modo multijogador, ou seja, quase todo o jogo. Há um modo de campanha, semelhante aos de muitos outros jogos de luta, no qual cada personagem avança pelos diferentes cenários de combate e enfrenta inimigos cada vez mais difíceis. Há três modos de dificuldade, mas mesmo o "Fácil" irá dar bastante luta enquanto não se dominar bem os controlos, pois a A.I. não está ali para fazer caridade. Infelizmente, há poucos cenários, pelo que a campanha não oferece muito conteúdo. Não deixa de ser a melhor forma de praticar antes de partir para o multijogador.


Assim que se chega ao menu principal, o jogo automaticamente inicia sessão online, convidando o jogador a enfrentar adversários de todo o mundo. É também possível formar um grupo com amigos e fazer partidas personalizadas à semelhança do que fariam em modo local, o que sinceramente me pareceu a forma ideal de jogar Strikers Edge. Pegar em dois comandos e jogar lado a lado é divertido e viciante, especialmente quando os jogadores estão ao mesmo nível. Explica parte do sucesso que o jogo tem sempre que aparece em eventos públicos.

Um aspeto notável deste jogo é o seu estilo artístico. A "pixel art" é fantástica, tanto a nível das personagens como dos cenários, que são extremamente detalhados e ainda oferecem variações meteorológicas. Houve muita atenção ao pormenor e até é possível, por exemplo, observar as sombras das nuvens a passar. São só arenas de combate, mas transmitem a sensação de um mundo vivo onde aqueles lutadores existem.

Voltando ao menu principal, o jogo não oferece muitos modos de jogo, nem um tremendo leque de personagens e cenários. Aquilo que faz, porém, faz muito bem e, para uma nova franquia de jogos de "porrada", oferece uma dose de conteúdo bastante aceitável. É claro que a longevidade irá sempre depender da dedicação do jogador e da cena competitiva que se vai criar em torno do Strikers Edge, algo que é impossível prever neste momento. Os jogadores mais dedicados irão adorar a secção de estatísticas onde poderão consultar os mais variados números relativos ao seu desempenho no jogo.


Strikers Edge não é um jogo imediato, mas é um jogo que qualquer um pode jogar após um pequeno período de habituação. Um jogo de luta divertido, equilibrado e muito bem desenhado desde o conceito inicial até aos acabamentos finais, correspondendo ao entusiasmo que foi gerando e acumulando desde que emergiu de um concurso de talentos em Portugal. Parabéns à Fun Punch Games pelo excelente trabalho!

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a PlayStation 4, gentilmente cedido pela SIEE.