Notícias

Análises

7 de fevereiro de 2018

Antevisão: My Time at Portia


Começou por ser um projeto de um estúdio chinês à procura de financiamento no kickstarter, agora é um jogo (já disponível em Early Access no Steam) com uma distribuidora de peso por trás. A Team17 acreditou neste projeto e irá trazê-lo ainda este ano para todas as principais plataformas de videojogos. Por aqui, estivemos a jogar as primeiras horas de My Time at Porta e rapidamente percebemos porquê.

Este é um RPG ao estilo "sandbox" cujas referências facilmente saltam à vista. Para começar, os visuais inspirados na obra de Hayao Miyazaki, especialmente filmes como Nausicaä do Vale do Vento ou O Castelo no Céu. Depois, a história que rapidamente nos remete para Harvest Moon, pois a nossa personagem irá ter de recuperar o negócio abandonado pelo pai. Rune Factory, Animal Crossing e Minecraft são outros exemplos de grandes séries no DNA deste jogo que, ainda assim, se conseguiu mostrar muito cativante.


Em My Time at Portia, somos herdeiros de uma oficina arruinada, pelo que teremos imenso trabalho pela frente até chegarmos a Mestre de oficinas. A única coisa que o pai nos deixou foi uma casa a precisar de obras e algum terreno onde poderemos construir as nossas ferramentas de construção. Antes de mais nada, é preciso recolher materiais. Uns galhos de madeira, umas pedras, lá fazemos um primeiro machado e picareta para ir buscar mais madeira e melhores pedras. Com isto já dá para fazer uma fornalha e começar a trabalhar metais e não só.

Tudo funciona em ciclos de recolha de materiais e montagem. Ao fim de pouco tempo temos de nos preocupar com armazenamento pois a pobre personagem não aguenta com tudo isto no bolso. Felizmente, o pai deixou-nos um inventário de materiais necessários para criar tanto as ferramentas como depois as construções que poderão depois servir aos habitantes de Portia.

No centro da vila é onde vamos encontrar a maior parte da socialização deste jogo. Aqui poderemos ir a diversas lojas para tratar de compras e vendas e interagir com os diversos habitantes, seja para conversar ou dar presentes de forma a melhorar o nosso relacionamento com os mesmos. Uma mecânica vinda diretamente de Harvest Moon, claro.


Para avançar no jogo, será preciso explorar algumas masmorras, onde se encontram os materiais mais raros e preciosos para as nossas construções. Aqui há uma mecânica interessante de escavação com a picareta, que permite construir túneis em busca de materiais que vamos localizando com a ajuda de um scanner. O ideal é visitar estes locais com muito espaço nos bolsos, mas convém trazer armas e alimentos para curar, não vá aparecer algum inimigo.

Há uma forte componente de RPG neste título, onde além de acumular experiência e uma árvore de skills para melhorar a personagem, temos ainda várias modificações que podemos fazer à nossa casa para melhorar as nossas estatísticas. A principal de todas é o "SP", que limita as ações que podemos fazer num dia antes de ficar exaustos. Depois disto, só nos resta dormir e recuperar energias para o dia seguinte. Uma casa arrumadinha contribui para o nosso bem estar.

Dia após dia, o tempo vai passando e, com o avançar do calendário, poderemos contar com vários eventos na vila e até mesmo o passar das estações. O jogo apresenta uma maior profundidade e complexidade do que se poderia pensar à primeira vista e, mesmo estando em Early Access, apresenta-se já bastante desenvolvido, com alguns glitches ocasionais. A maior surpresa é o quão envolvente o jogo consegue ser, com o seu grafismo adorável e várias mecânicas que nos prendem a jogar "só mais um bocadinho" durante horas a fio.


Naturalmente, há várias arestas ainda por limar, estando o lançamento do jogo previsto para mais tarde, embora ainda este ano. Os movimentos do personagem, especialmente o combate, merecem um pouco mais de atenção. Ainda assim, é perfeitamente jogável, pelo que se gostam do género e o querem jogar no PC não perdem nada em pegar nele tal como está e ir acompanhando a sua evolução até à data de lançamento. Por outro lado, considerando a natureza deste jogo, poderá compensar aguardar pela sua chegada à Nintendo Switch para tirar partido da portabilidade do sistema. Um lançamento que iremos, sem dúvida, manter debaixo de olho.