Life is Strange: Before the Storm


"Burn it down", cantam os Daughter numa das faixas da banda sonora de Before the Storm que melhor capturam um certo sentimento adolescente: a perda da inocência, a desilusão com o mundo e o abalar de valores fundamentais.

Life is Strange: Before the Storm é uma prequela de Life is Strange (2015) que tem como principal objetivo dar a conhecer melhor o background da escola e das personagens que dão o mote aos eventos do jogo original. Na ausência de Max Caulfield, a protagonista do primeiro, somos colocados na pele de Chloe Price numa fase determinante da sua vida onde acaba por conhecer o seu primeiro amor.

Após a perda do pai, e na ausência da melhor melhor amiga, Chloe vive uma fase atribulada. Com apenas 16 anos, refugia-se em álcool e substâncias ilícitas, escudada por uma crescente atitude "punk" como quem não precisa de ninguém. Um caminho que a levará a dar-se com as pessoas erradas e envolver-se em confusões, mas também a alguns dos momentos mais inesquecíveis da sua vida. Dado o contexto e a natureza deste jogo, completamente focado na história, importa ter-se jogado primeiro Life is Strange, ou muito do que aqui acontece poderá perder o significado.

Before the Storm é uma prequela construída para ser jogada pela ordem de lançamento e não pela cronologia dos acontecimentos. Embora a história principal do jogo tenha valor por si só, muitos dos acontecimentos servem para aprofundar o conhecimento que já temos do passado, vivendo-o na primeira pessoa. A grande novidade, então, é toda a história de Rachel Amber, sobre a qual se sabia muito pouco. A história está dividida em três episódios em torno de Chloe e Rachel e a forma como a vida as uniu, havendo ainda um pequeno episódio bónus que remete para a despedida entre Chloe e Max, quando esta partiu para Seattle.


Ao contrário do que acontece em Life is Strange, em Before the Storm não há um poder especial, nem é possível manipular o tempo. A narrativa continua a oferecer o sistema de múltiplas interações possíveis com diferentes resultados e impacto em toda a história, introduzindo uma nova mecânica em alguns diálogos. Agora é possível fazer uma espécie de despique com as personagens, especialmente quando Chloe está num aperto e quer sair de uma situação complicada. Aqui, deve prestar-se atenção ao que diz a outra personagem e contrapor com algo relacionado. Não introduz grande dificuldade, mas é certo que anima algumas das conversas.

Por falar em conversa, em Before the Storm fala-se imenso. Embora o jogo tenha apenas três episódios, estes são mais longos que os de Life is Strange, contando com alguns momentos cujo propósito parece ser mais o de aumentar a longevidade do que propriamente contribuir para a narrativa. Outros momentos, porém, embora sendo aparentemente superficiais, têm um impacto enorme na construção das personagens. O melhor exemplo disso são as sessões de jogos de mesa que, embora opcionais, oferecem um lado nerd da Chloe que de outra forma permaneceria desconhecido.

Apesar deste jogo não ter sido desenvolvido pelos mesmos criadores do original, houve um grande cuidado em manter um estilo fiel, desde o grafismo às temáticas abordadas na história. Desta vez, a banda britânica Daughter foi responsável pela banda sonora do jogo, à qual se adicionam algumas faixas licenciadas de outros artistas. O ambiente é semelhante, aqui um pouco mais ligado à rebeldia adolescente. No entanto, a estética perdeu um pouco do estilo etéreo caraterizado pela visão da Max em Life is Strange, aqui é tudo mais cru.



Life is Strange: Before the Storm não produz o mesmo impacto que o jogo anterior, principalmente por se tratar de uma história cujo desfecho já sabemos à partida. Para os jogadores de Life is Strange, é uma grande oportunidade de conhecer o passado de Chloe e descobrir a história de Rachel Amber, influenciando a história e personalidade de ambas com o poder das decisões tomadas ao longo do jogo. Um envolvente drama adolescente que, embora não capture a dinâmica do original, o complementa perfeitamente e aborda temas com que qualquer pessoa que já tenha tido 16 anos se poderá relacionar.

Nota: Esta análise foi efetuada com base numa cópia de retalho do jogo para a PlayStation 4, gentilmente cedida pela Ecoplay.
Life is Strange: Before the Storm Life is Strange: Before the Storm Reviewed by Telmo Couto on 26 março Rating: 5

Latest in Sports