Notícias

Análises

13 de março de 2018

Tesla vs Lovecraft


Se são leitores assíduos das nossas análises, certamente se devem lembrar (ou talvez não) de um jogo que analisei de nome Crimsonland. Eu gostei mesmo muito do jogo pois, embora fosse básico, cumpria perfeitamente com os objetivos: a chacina total de inimigos. Este Tesla vs Lovecraft, dos mesmos criadores, é um jogo do mesmo género, mas bastante mais aperfeiçoado.

Se em Crimsonland a diversão estava garantida, aqui não é diferente, aliás, nota-se algo muito polido, com uma história que envolve duas personalidades famosas e, monstros, muitos monstros. Até porque o objetivo do jogo, tal como o anterior, é a aniquilação de monstros quase infinitos, basicamente é um jogo focado na diversão.

Jogamos com Nikola Tesla, um dos maiores inventores da História que neste caso em especifico, usa a sua tecnologia para destruir as hordas de inimigos. Tudo começa com uma "pequena guerra" entre Tesla e Lovecraft, apenas um pretexto para o que vão encontrar pela frente. Neste género de jogo já temos a noção de que a história pouco ou nada interessa. Não vejo isto como algo negativo, mas uma justificação clara para tudo aquilo que vão enfrentar.


A jogabilidade é também muito simples, só temos de controlar a personagem no analógico esquerdo e usar o direito para disparar na direção que desejarmos. O que torna tudo mais interessante são as habilidades especiais que temos em Tesla vs Lovecraft. As armas são imensas, mas as habilidades é que são do melhor. Habilidades que melhoram a saúde, armas e a performance do jogador na luta contras os monstros. Melhor ainda, é possível colecionar peças que têm como objetivo a criação de um Mecha! É verdade, quem diria que Tesla construiria um Mecha carregado com duas metralhadoras e munições infinitas na luta contra o mal? Apesar de termos um Mecha, não implica que sejamos invencíveis, no entanto ajuda e muito.

Para além de tudo isto, há um botão que vão ter de usar com uma enorme frequência, o de esquivar. Os inimigos são quase infinitos, os ataques surgem de todos os lados, existem níveis com imensos buracos ou até paredes e, para ultrapassarmos esses obstáculos, usamos o botão de esquivar, que nos facilita imenso a vida, podem ter a certeza absoluta.

É preciso referir que o design dos níveis está variado e isso ajuda a manter a experiência fresca. Mas existe algo que pode aborrecer, a banda sonora, que infelizmente está limitada a uma ou duas músicas. O resultado, apesar de repetitivo, é positivo.


Como qualquer outro jogo, o mais importante é que a pessoa que o joga se divirta, em Tesla vs Lovecraft o objetivo é esse desde o primeiro nível até ao final e nisso, os produtores cumpriram perfeitamente com a sua missão, trazer algo ainda melhor do que aquilo que foi feito em Crimsonland. Infelizmente, o preço que pedem por ele no lançamento é um pouco puxado para o conteúdo oferecido, mas certamente os fãs de twin-stick shooters não se vão arrepender!

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Xbox One, gentilmente cedido pela 10tons.