Notícias

Análises

27 de novembro de 2017

Stick it to the Man!


Stick it to the Man! recebeu imensas críticas positivas quando foi lançado e, mesmo assim, eu fui uma das pessoas que ignorou por completo a sua existência. Entretanto o jogo teve um novo lançamento, desta vez na Nintendo Switch e finalmente tive a oportunidade de o jogar. Foi um prazer! Mesmo com o seu design apelativo, tinha deixado o jogo passar ao lado, talvez como muitos outros jogadores. Realmente, é incrível como muitos de nós não chegaram a jogar algo tão fantástico.

Se a originalidade é algo que nos dias de hoje tem faltado nos videojogos, Stick it to the Man! demonstra que ainda existem criadores que apostam em algo refrescante num mercado tão saturado e desgastante. O protagonista desta louca e bizarra aventura é Ray Doewood. Assim que iniciamos o jogo, Ray, um cidadão vulgar, sai do trabalho como diariamente o faz, percorrendo o seu caminho habitual até casa, mas eis que um acidente ocorre, o qual muda por completo a sua vida para sempre. Um avião governamental deixa cair algo precioso exatamente na cabeça do azarento Ray Doewood. Ray acorda num hospital com uma grande dor de cabeça e na verdade, descobre que ganhou um poder incrível: uma mão cor de rosa e longa que sai da sua mente. Com essa mão, é possível ler as mentes de todas as pessoas que encontramos na rua.


Ao ler a mente das pessoas (ou até animais) que vamos encontrando, ficamos a conhecer os pensamentos ou sentimentos de cada um. A primeira pessoa que encontramos trata-se de um taxista que se encontra em cima do seu veículo com a corda ao pescoço. Ao ler a mente deste homem desesperado, ficamos a conhecer as razões pela qual ele quer cometer o suicídio. As soluções para estes problemas encontram-se sempre por perto. Às vezes temos de puxar folhas que estão coladas em apartamentos, desvendando assim o interior da casa e a devida solução, ou até roubar pensamentos de pessoas para serem usados e obtermos então a solução desejada. Todas as personagens e cenários são folhas de papel, os checkpoints de nome Mr.Copy, tiram-nos uma fotografia e, caso morramos, somos impressos nesse checkpoint. A originalidade está a olhos vistos e isso agrada-me imenso. Não é qualquer jogo que me consegue surpreender nos dias de hoje e Stick it to the Man! foi uma surpresa extremamente agradável.

O humor bizarro é algo que está patente em Stick it to the Man! e o torna bastante engraçado. Por exemplo, um dos pormenores que não me esqueço facilmente, é duma personagem referir que ainda não terminou o Silver Surfer para a NES, um jogo famoso por ser extremamente difícil. Sem esquecer que os cenários neste jogo estão memoráveis. Começamos por caminhar pelas ruas, mas conforme a estória vai progredindo, Ray caminha no interior da sua mente indo ao encontro das suas memórias de infância, sonhos e até chegamos a visitar um manicómio. Por isso, no que diz respeito aos níveis, existe variedade e também referências a velhos filmes como o clássico “One flew over the cukko’s nest”.

Os diálogos entre as personagens são de facto brilhantes, o voice acting é magnífico e o grafismo é incrivelmente apelativo. Mesmo a sua jogabilidade, fácil de qualquer pessoa aprender e jogar. É um platformer 2D com uma apresentação e estilo visual de ficar boquiaberto. Sinceramente não me recordo de recentemente ter jogado um jogo que me fizesse vibrar tanto com as cores e o seu design tão único e fascinante, principalmente para um indie. A banda sonora é muito animada e deixa o jogador concentrado enquanto que ao mesmo tempo se diverte a escutar as melodias. Não são apenas os cenários que se destacam, o ambiente em si, o estilo desenho animado dos anos 90, as personagens meias bizarras, tudo se encaixa num mundo que criou a sua própria identidade, a equipa que produziu o jogo só pode ser aplaudida.


É verdade que o jogo pode tornar-se repetitivo no aspeto de termos sempre o mesmo objetivo, ler mentes, resolver problemas e seguir para o próximo capítulo. Mas não se preocupem, o jogo prende-nos de tal maneira que isso só poderá acontecer caso no futuro queiram repetir o jogo. Se não tiveram a oportunidade de jogar este soberbo indie no passado, agora não existe desculpa, pois, com a versão da Nintendo Switch podem-no jogar na TV como continuar em qualquer lugar no modo portátil, porque Stick it to the Man! “cola”, mas cola mesmo man!

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo Switch, gentilmente cedido pela Zoink Games.