Notícias

Análises

22 de novembro de 2017

Aces of the Luftwaffe - Squadron


Os shoot’em up’s já têm uns bons anos desde as suas primeiras aparições nos salões de jogos e consolas, com o passar do tempo, algumas pessoas cansaram-se de os jogar. Aces of the Luftwaffe - Squadron é uma sequela, pelo que consegui comparar, muito superior ao seu antecessor. Embora a simplicidade do jogo esteja obviamente presente sendo este do género que é, o jogo incorpora novidades que tornam a experiência refrescante.


Há muitos jogos que são “sempre a mesma coisa”, mas neste Squadron não é isso que acontece. Primeiro porque em termos narrativos trata-se duma época que a maior parte dos jogadores gosta, ou seja, a presença dos nazis. Não está propriamente referenciado que são nazis, isto porque não conta com nenhuma cruz suástica mas um X com as cores pretas e vermelhas à volta e a língua alemã. No entanto isto trata-se de uma espécie de Wolfenstein no que diz respeito ao seu armamento bélico. Os “nazis” atacam com os seus velhos típicos aviões da Segunda Guerra Mundial, mas também têm no seu exército um vasto arsenal de máquinas de guerra mais futuristas para nos derrotar em força, desde comboios a naves em forma de OVNIS que disparam de todas as partes para todos os cantos do cenário.

Para além dos inimigos e dos bosses originais, o nosso esquadrão é composto por quatro membros, um controlado por nós, os outros pela inteligência artificial. Assim sendo, caso queiram jogar com os vossos amigos, existe a possibilidade de jogar em multiplayer local até quatro jogadores. No entanto o jogo é perfeitamente jogável a solo, mas a diversão não será a mesma como é evidente. Os personagens têm as suas características, cada um com as suas habilidades, que podem sofrer upgrades, para tornar a resistência ou os danos mais fortes. Cada um dos personagens conta com o seu ataque especial, seja destruidor ou para reforçar a equipa. No caso da bomba, esta é lançada para o centro do mapa destruindo tudo que estiver presente no ecrã, mas também podem por exemplo abrandar o tempo ou lançar um ataque de meteoros. Mas isto das habilidades já tem sido costume nos videojogos, algo inesperado foi mesmo contar com os problemas pessoais de cada um deles. Por exemplo, uma das personagens tem medo das alturas (qual é a lógica, eu sei), outro fica com sono e, por aí adiante.


Sendo um shoot’em up, é impossível não recebermos danos, por isso existe uma barra de saúde que nos indica se o avião está ou não em condições, mas por vezes a confusão no ecrã é imensa e torna-se complicado ter noção dos danos sofridos. Para tal, a equipa por detrás de Aces of the Luftwaffe apresenta a nossa tela perfurada por tiros como se de um vidro tratasse, assim será fácil de entender que estamos perto do limite de saúde do nosso avião.

O grafismo é engraçado, principalmente jogado no modo portátil onde estamos mais perto do ecrã e conseguimos reparar nos pequenos detalhes que este apresenta. Algumas expressões estão em alemão, tal como no título do jogo “Luftwaffe” que significa “aviação”, por isso, como entendo a língua, nos diálogos entre as personagens e os inimigos, não deixo de reparar em certas expressões. A banda sonora do jogo insere-se neste tiroteio de forma impecável, tornando o jogo numa experiência formidável.


Percorram Aces of the Luftwaffe Squadron em cinco capítulos cheios de ação e missões secundárias, cheias de armas potentes para recolher e muita diversão à mistura. Um dos grandes indies disponíveis na Nintendo Swtich.

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo Switch, gentilmente cedido pela HandyGames.