Notícias

Análises

25 de outubro de 2017

The LEGO Ninjago Movie Videogame


Ainda me recordo de jogar o primeiro videojogo LEGO na PSOne. Na altura foi LEGO Racers se bem me recordo. Gostei imenso, ver as peças a saltar por todas as partes, o grafismo era agradável e foi divertido ter um contacto com brinquedos da minha infância neste formato digital, mas mal sabia eu que os LEGO estavam prestes a invadir as consolas e o cinema.

The LEGO Ninjago: Movie Videogame é um videojogo baseado no filme lançado nos cinemas este verão. O jogo está disponível para todas as consolas atuais no mercado. O jogo conta com todos os protagonistas e inclui cenas retiradas diretamente do próprio filme. Não sei quanto ao filme pois não tive a oportunidade de o ver, mas este é um jogo que dispensa a sua visualização caso queiram apenas dar umas jogatinas num novo jogo LEGO.


O jogo foca-se mais no Ninja Verde e na sua ligação com o vilão Garmadon. No entanto há a possibilidade de jogarem com todos os ninjas que marcam presença no filme, inclusive o próprio vilão. Todas as personagens contam com os seus ataques especiais, cada um deles com os seus elementos da natureza tais como terra, fogo, vento, gelo etc. A jogabilidade está melhor quando comparada com os jogos anteriores da série LEGO, isto porque agora temos combos nas lutas. Embora não seja nada do outro mundo, as diferenças estão lá. Tal como acontece em LEGO City: Undercover, também escalamos paredes, atravessamos os muros dum lado para o outro como se estivéssemos a jogar Prince of Persia e ainda temos de trocar de personagens para prosseguir em certas partes do jogo. Por vezes é necessário o uso dum martelo, outras vezes as espadas de um dos ninjas para abrir os portões e ultrapassar vários obstáculos que vamos encontrando ao longo do jogo.

Os ninjas contam também com ninjutsus que vão sendo desbloqueados enquanto progredimos no jogo, ou seja, as personagens acordam o seu poder adormecido enquanto enfrentam situações mais complicadas. Os ninjutsus serão usados para várias partes do jogo como por exemplo congelar cascatas para escalar, derreter paredes congeladas com fogo e por aí fora. Por fim, no que toca à jogabilidade, também controlamos alguns mechas no inicio do jogo, o que achei bastante divertido e interessante embora a jogabilidade seja sempre básica para que ninguém tenha dificuldades nem se confunda com os controlos para dominar estas máquinas enormes que os nossos protagonistas usam até a uma determinada ocorrência que deixará os mechas completamente inúteis.

A campanha infelizmente é bastante curta, podendo o jogador finalizar o jogo num dia. Para meu desânimo, consegui obter no meu primeiro playthrough todos os upgrades sem sequer me esforçar muito. É evidente que o jogo também tem como alvo um público mais novo, no entanto os jogos Lego são jogados por todas as faixas etárias e, tendo um modo cooperativo, julgo que o desafio deveria ser alargado. Algo positivo é a possibilidade de explorar os locais que visitamos para completar várias missões secundárias e obter mais peças lego e fatos desbloqueáveis para as personagens.


Se pensavam que os loadings de LEGO City: Undercover eram uma dor de cabeça, em Ninjago eles continuam assim, por isso vão ter tempo e mais que tempo para queimar enquanto o jogo carrega o próximo capítulo. A banda sonora é boa, não sei se fará parte do filme, mas adequa-se bem ao ritmo do jogo. O grafismo nota-se que não está ao nível do filme porque as cutscenes são retiradas da longa metragem e essas sim estão incríveis. De qualquer das formas a qualidade gráfica é bastante satisfatória. O humor está obviamente presente, os sons das peças lego a desmontarem-se e a diversão, embora seja algo básico, mantêm-se como em todos os jogos, por isso para aqueles que já jogaram no passado jogos da série, vão sentir-se verdadeiramente familiarizados.

O jogo é totalmente baseado na estória do filme, contando com partes que estão realmente engraçadas e que dão vontade de ver este recente filme LEGO. No entanto é importante referir que o jogo está totalmente em inglês, desde as vozes às legendas, o que pode ser um entrave aos mais novos. O fim do jogo está muito pobre e fará com que o jogador se questione porque razão acaba daquela forma, esquisita. Fora estes pequenos detalhes, o jogo vale a pena ser jogado mas apenas no caso de serem fãs acérrimos, porque LEGO City: Undercover continua a ser bastante superior em todos os níveis.

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a PlayStation 4, gentilmente cedido pela Upload Distribution.