Notícias

Análises

4 de junho de 2013

Animal Crossing: New Leaf


Virar a página, começar de novo: "Turning over a new leaf" é uma expressão que traduz uma mudança, muitas vezes um recomeço na vida de alguém. E Animal Crossing: New Leaf é isso mesmo, uma oportunidade para os fãs da série começarem de novo e para os que nunca jogaram Animal Crossing descobrirem toda uma nova vida na Nintendo 3DS.

Animal Crossing é uma série que não se rege pelos parâmetros tradicionais de um videojogo, tendo atingido o pico de popularidade até hoje na Nintendo DS, devido à sua portabilidade que se revelou um factor essencial. Isto, porque o jogo simula a vida numa pequena aldeia habitada por animais com diferentes personalidades, com os quais é possível interagir de diversas maneiras. Uma das suas principais características é passar-se em tempo real, com eventos a acontecer em dias específicos e rotinas que variam conforme a hora do dia. Caso se esteja um dia inteiro, uma semana ou um mês sem visitar o jogo, o tempo correspondente terá passado na mesma e a vida na aldeia continuou independentemente da atividade do jogador. Ao mesmo tempo, todos os dias há algo novo a acontecer e, com o passar dos meses e das estações, o cenário de jogo vai mudando bastante ao longo do ano. Em Wild World, na Nintendo DS, ter a consola sempre presente era um factor bastante conveniente que permitia desfrutar desses momentos.

   
Sete anos depois do fenómeno da DS, chega à sua sucessora Animal Crossing: New Life com o mesmo conceito de base, mas também com um grande conjunto de novidades que fazem deste o melhor título da série até hoje. Ao começar o jogo, perguntam-nos o nome que queremos dar ao personagem e da vila onde vamos viver (tal como nos jogos anteriores, a resposta às perguntas feitas no início determinam o aspecto que o personagem irá ter). De seguida, é-nos apresentado o mapa, criado aleatoriamente, com a possibilidade de escolher uma de 4 opções para a distribuição do território. Assim que o comboio chega à estação, uma série de personagens faz uma grande recepção ao Presidente da Câmara – houve uma grande confusão da parte de Isabelle, mas não há como dizer que não a um cargo eleito por unanimidade! Este cargo faz toda a diferença no jogo e torna-o bastante mais interessante, pois agora será possível personalizar completamente a vila através de construções públicas e decretos camarários.

   

E apesar de ser imediatamente nomeado presidente, o nosso pobre personagem ainda nem tem onde viver. É aqui que surge Tom Nook, o infame personagem com olho para o negócio, pronto para nos vender um terreno à escolha, com direito a uma tenda emprestada para dormir. Só quando estiver paga a dívida do terreno é que será construída uma casa, cuja dívida terá de ser paga até se poder pensar em expansões e anexos. No entanto, com o tempo, será possível ter uma verdadeira mansão com vários pisos e divisões. A personalização da casa, como é típico da série, passa pela disposição de várias mobílias ao gosto do jogador, incluindo tapetes e papéis de parede, mas agora é também possível decorar o seu exterior.

   
Para comprar mobílias, pagar dívidas ou até fazer construções na cidade, é necessário dinheiro, que pode ser adquirido a vender coisas na loja, tais como frutos apanhados das árvores, peixes apanhados com a cana de pesca ou insectos capturados com a rede. Tudo pode ser vendido e tudo custa dinheiro, mas também é possível que caiam algumas moedas das árvores. Por causa disso, é um hábito típico dos jogadores fazer uma ronda diária a abanar todas as árvores da vila para maximizar os lucros, especialmente quando conseguem plantar árvores de frutos diferentes dos nativos, pois valem muito mais dinheiro.

   

Os animais habitantes da vila são um ponto central do jogo. Com diferentes estilos e personalidades, estes personagens interagem com o jogador de várias maneiras, seja para oferecer um comentário acerca de alguma coisa, pedir um favor ou oferecer um desafio. É possível enviar-lhes cartas, que têm sempre resposta, e até trocar presentes. Com o passar do tempo, novos habitantes vão chegando à vila, mas outros também tomam a iniciativa de ir embora, geralmente avisando com uma semana de antecedência a sua intenção - cabe ao jogador tentar convencê-los a ficar ou então deixá-los ir embora.

Enquanto Presidente, o jogador tem a liberdade de ordenar várias construções na vila, desde um chafariz, bancos de jardim ou postes de iluminação até mesmo uma estação da polícia ou um café. De todas as novidades de New Leaf, esta é possivelmente a mais empolgante, pois permite a cada jogador ter um cenário mesmo ao seu estilo, que poderá depois mostrar aos seus amigos localmente ou através da internet. Outro dos poderes do Presidente é determinar o estilo de vida da sua vila, como por exemplo decretar que será um sítio mais limpo ou então um sítio onde há imensa vida noturna. A alteração dos horários é particularmente conveniente para pessoas cujo estilo de vida no mundo real não é compatível com os horários pré-definidos – muitos só poderão jogar de manhã cedo ou então à noite, por exemplo.

Quase todas as lojas estão localizadas na Main Street, uma zona urbana que fica a norte da linha de comboio, onde é possível ir às compras, visitar o museu ou ir ao posto dos correios. O museu está completamente vazio no início, mas o jogador pode ir doando insectos, peixes, fósseis e obras de arte que vá encontrando ao longo do tempo para ficar com uma galeria bastante interessante, com informações (verdadeiras) acerca dos exemplares que lá se encontram. Nas lojas é possível comprar mobília, utensílios ou até mesmo roupa e criar peças de vestuário personalizadas para colocar em exposição, que poderão também ser usadas pelos habitantes ou outros jogadores que visitem a vila.

   

Conforme a qualidade de vida vai melhorando na vila, também vão surgindo novos espaços na Main Street, incluindo a Dream Suite, que permite visitar em "sonhos" as vilas de outros jogadores que estão disponíveis na internet e podem ser encontradas através de um código ou então pesquisando pelo nome da vila ou do jogador. Outro destes espaços é o Club LOL, um bar de diversão noturna com música ao vivo do K.K. Slider ou pista de dança ao som do DJ KK. O novo espaço mais interessante de todos é o Happy Home Showcase, que ativa o StreetPass do jogo e permite visualizar as casas dos jogadores encontrados na rua através da Nintendo 3DS, sendo ainda possível aceder ao catálogo e encomendar mobílias que se encontram nessas casas. Após uma série de encontros com diferentes jogadores, este espaço torna-se realmente interessante e um exemplo da diversidade nos gostos e interesses dos jogadores.

Se estas interações indiretas com outros jogadores já são bastante interessantes, ainda mais é a interação direta em modo wireless local ou através da internet. Na estação de comboio, é possível visitar outras vilas ou permitir a entrada de visitantes num destes modos. Convém que sejam pessoas de confiança, para não correr o risco de alguém mal intencionado destruir ou roubar flores raras do jardim ou cortar árvores com o machado, por exemplo. A Nintendo pensou nisso e criou o conceito de "best friends", pessoas da lista de amigos da 3DS com estatuto especial de confiança. Os melhores amigos têm acesso a uma funcionalidade de chat especial que indica quando estão a jogar e permite combinar dentro do jogo a visita à vila de alguém. Infelizmente, só se pode marcar alguém como melhor amigo quando se joga com essa pessoa, o que faz com que seja mais complicado jogar pela primeira vez com amigos e se tenha de recorrer a outros meios como o telefone ou o computador para combinar uma sessão de jogo.

   

Ao jogar em grupo (até quatro jogadores em simultâneo na vila), é possível fazer quase tudo o que se faz a jogar sozinho, incluindo falar com os habitantes da vila que estamos a visitar ou deixar cartas no correio para surpreender os amigos quando a mensagem chegar. Os jogadores também podem ir em grupo à ilha, o novo espaço do jogo onde há uma série de minijogos que misturam cooperação e competição e oferecem medalhas que depois podem ser utilizadas para adquirir novos itens exclusivos da ilha. Este espaço também pode ser acedido no modo a solo, desbloqueando mais tarde a opção de jogar com desconhecidos através da internet – opção que não foi possível testar a tempo desta análise.

A principal crítica a apontar a este jogo é a ausência de comunicação por voz através da internet, seguida da já referida dificuldade em jogar online com amigos da consola pela primeira vez (mas que se torna muito acessível depois disso). No entanto, é também importante referir que este jogo não se encontra localizado em Português, uma grande falha no que diz respeito à sua acessibilidade aos jogadores mais novos.

Dito isto, resta uma questão central: qual é o apelo do jogo? Se alguns vêm um apelo imediato pelo seu estilo gráfico, outros questionam qual é o interesse de um título como este, mas a verdade é que não existe uma resposta concreta. O ponto forte deste jogo é a forma como não apresenta nenhum objectivo nem qualquer tipo de pressão ao jogador, mas dá um conjunto de ferramentas e possibilidades para que cada um tenha os seus próprios objectivos. Enquanto eu estou investido nas obras públicas e tenho como objectivo desenvolver os diferentes espaços da vila, outros jogadores preferem dedicar-se à criação de roupas e outros têm como objectivo conseguir rapidamente uma grande mansão. Todos acabam por fazer um pouco de tudo mas, se alguém não gostar de pescar no jogo, por exemplo, pode ignorar por completo essa componente sem qualquer pressão. E talvez seja mesmo essa liberdade o principal apelo do jogo, estar à vontade para fazer o que se quer ao seu próprio ritmo: é literalmente uma pequena vida paralela, sem o stress do mundo real.


Animal Crossing: New Leaf é um jogo perfeitamente indicado para a 3DS, tirando partido ao máximo das funcionalidades da consola, desde o aspecto gráfico e o efeito 3D a pequenas coisas úteis como a possibilidade de tirar fotografias a qualquer momento carregando em L+R, que ficam gravadas no cartão SD e podem depois ser partilhadas. Devido à natureza do jogo, é fortemente recomendada a aquisição da versão digital através da eShop – é o tipo de jogo que queremos instalar na consola ter sempre connosco, sem ter de trocar de cartucho. Não será um jogo que apele a todos os jogadores, mas é o título mais acessível da série e também o mais rico em conteúdo e possibilidades. Podem contar com ele, daqui por uns anos, nas listas dos jogos mais memoráveis da Nintendo 3DS.


Para mais imagens do jogo, visitem meusjogosds.tumblr.com