Notícias

Análises

21 de junho de 2018

Dillon's Dead-Heat Breakers


O Dillon é um Tatu, uma personagem anamórfica com uma armadura que lhe cobre o corpo, que tem o importante papel de proteger aldeias de uns atacantes extraterrestres que se assemelham com pedras. Só por esta frase, tudo o que eu escrever acerca do jogo vai parecer menor e irrelevante, mas o que é certo é que, após cinco anos do jogo original, o nosso armadilho continua em forma e tão desajustado socialmente como dantes.


O jogo é difícil de categorizar num só género, mas vou tentar descrever: Temos de balançar um ciclo de dias e noites, em que durante o dia temos de arrecadar moedas, trabalhando com a nossa personagem Amiimal, que irei falar mais à frente, numa série de mini-jogos desde gerir um supermercado, trabalhar na separação de resíduos domésticos ou numa série de shoot 'em up. Podemos ainda calhar em dias especiais, em que há corridas na nossa cidade e que ganhamos uma quantia choruda se formos merecedores do pódio.


À noite, saímos com o nosso justiceiro, que combina a sua armadura e velocidade para combater os Grocks, os mauzões robotizados em forma de pedra, algumas eletrificadas, que tentam aterrorizar as aldeias circundantes da nossa cidade. Para isso, temos de jogar uma de Need For Speed e derrotá-los ao mesmo tempo que corremos atrás deles, protegendo as construções fortificadas que dão emprego a gunners contratados com o dinheiro que auferimos durante o dia.


Esta gestão da economia local e pessoal é importante, pois melhores gunners trarão benefícios no campo de batalha, que por sua vez trarão benefícios em desenvolvermos as nossas armas de batalha, que por sua vez facilitarão este grind. A nossa gestora é simultaneamente a recepcionista do hotel onde estamos alojados, a simpática Rita.

Uma característica deste jogo é a nossa personagem Amiimal, que vai buscar o nosso Mii e que dá as nossas feições a um touro, que é ele que ativamente trabalha durante o dia e que gere a carreira de desportista de corridas do nosso Dillon. É um pormenor interessante, que acaba por quebrar a fourth wall, puxando-nos para dentro do jogo. É giro que as interpelações da Rita sejam dirigidas a nós pessoalmente, caso seja esse o nome do nosso Mii. Este Amiimal também tem uma função de ajuda aérea durante os combates.


O jogo é desafiante e requer estratégia de controlo de mapa e de recursos; os minijogos para ganharmos dinheiro são divertidos, embora repetitivos. Dillon's Dead-Heat Breakers talvez seja dirigido para jogadores mais novos, mas a questão da barreira linguística pode ser um problema e as longas cutscenes podem enfadar um jogador que apenas queira destruir gigantes de pedra para salvar inocentes aldeãos. A banda sonora parece que não aprendeu com o jogo original: as músicas são decentes mas são pouco cativantes e poucas; um bom trabalho de sonoplastia traria e muito a este jogo.

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código de review do jogo para a Nintendo 3DS, gentilmente cedido pela Nintendo.
Ler Mais >

Aragami: Shadow Edition


Aragami é um daqueles jogos que, antes de ter começado, já sabia que ia gostar. Se seria uma experiência do outro mundo, isso já é outra história. Ninjas, missões furtivas, sangue e pouco mais, é o que Aragami traz para os fãs deste género que está destinado a quem tem paciência para os jogar.
Ler Mais >

20 de junho de 2018

Mario Tennis Aces


Um jogo fundamentalmente multijogador decide arrancar diretamente para o modo campanha? Parece arrojado, mas é assim que Mario Tennis Aces começa quando é jogado pela primeira vez. Se o último jogo da saga foi criticado pela falta de conteúdo, agora a Nintendo quer certificar-se de que todos notam a diferença logo ao primeiro impacto com a chegada da série à Nintendo Switch.
Ler Mais >

19 de junho de 2018

Splatoon 2: Octo Expansion


Booyah! Desde o lançamento do primeiro Splatoon, com a luta de Inklings contra Octarians a pontuar a campanha principal, era inevitável que eventualmente se chegasse a este momento. Os Octolings (a espécie de Octarians mais parecida aos Inklings) chegaram a Inkopolis e estão prontos para se juntar à festa!
Ler Mais >

18 de junho de 2018

Tennis World Tour


O desporto do momento é sem dúvida alguma o Futebol, o que facilmente tira muito do protagonismo a outros desportos. Mas entre eles o Ténis continua a ter imensos fãs, com os vários campeonatos a serem transmitidos na televisão pelo mundo fora ao longo do ano, mas ainda assim não estamos habituados a ver grandes lançamentos de videojogos dedicados, e talvez dos jogos que vem à memória de muitos ainda é Virtua Tennis ou Mario Tennis.
Ler Mais >

15 de junho de 2018

Bridge Constructor Stunts


Após a nossa análise ao Bridge Constructor Portal, a Headup Games traz-nos mais um crossover de séries, aliando o tão conhecido jogo de construção de pontes ao igualmente conhecido jogo de manobras motorizadas.
Ler Mais >

Moonlighter


Moonlighter é uma mistura curiosa. Uma espécie de fusão de Legend of Zelda com jogos de gestão, algo que ao início pode parecer estranho, mas que se trata de algo especial, isso podem crer. Requer tempo e estratégia, persistência para o jogar, no entanto acaba por ser bastante gratificante em muitos aspetos. Vejamos porquê.
Ler Mais >

Fallen Legion: Rise to Glory


Só há poucos anos comecei a olhar para os RPG’s táticos/ação com muito mais interesse, mesmo não tendo um conhecimento vasto neste género, passando por títulos como Fire Emblem e Front Mission 3 ou até Advanced Wars. Fallen Legion é um RPG tático mas com ação em tempo real, lançado originalmente na PS Vita e PS4, que chega agora à consola híbrida da Nintendo. A principal diferença é que desta vez é possível jogar as duas campanhas que outrora foram vendidas separadamente.
Ler Mais >

14 de junho de 2018

Earth Atlantis


Neste shoot’em up com um design muito engraçado jogamos com um submarino tendo como objetivo exterminar os monstros marinhos ameaçadores nas profundezas do oceano. Earth Atlantis é divertido e tem uma boa jogabilidade, mas estará à altura do preço que é pedido?
Ler Mais >

Shape of the World


O jogo indie de exploração é único na sua classe. A sua serenidade, tranquilidade, (in)quietação e coloração em tudo têm a ver com um único objetivo: trazer a paz interior ao jogador. Mas será que consegue?
Ler Mais >

Vampyr


Quero contar uma história, quando vi o Drácula de Bram Stoker pela primeira vez, estava tão assustado que tinha o dedo no comando para mudar para o Benfica. Havia uma certa segurança no futebol, nos anos 90, mas nem cheguei a mudar. Lembro-me de adorar o filme: a história, as personagens, os visuais. Se na altura metia medo, hoje rio-me do sotaque do Keanu e o Drácula tem mamas na cabeça. E a Monica Bellucci... Agora que já desabafei, vamos começar.
Ler Mais >

13 de junho de 2018

E3 2018: Nintendo segue sozinha, mas convida toda a gente


Nos primeiros dias de anúncios de novidades da E3, o padrão começou a desenhar-se: as companhias "third-party" não estão assim tão dedicadas à Nintendo Switch. Só um bocadinho. Começou com a EA ao apresentar as novidades do FIFA 19, uma melhoria em relação ao anterior, sem dúvida, mas que parece ser o único investimento da marca na consola. Depois veio a Bethesda, uma das maiores apoiantes da consola, mas sem grandes novidades no que diz respeito aos seus principais jogos. Square-Enix? Apenas o Octopath Traveler, mais do que conhecido e quase a chegar às lojas.

A nível de jogos multiplataformas, o destaque vai para títulos como FIFA 19, da Electronic Arts, Monster Hunter Generations Ultimate, da Capcom, Dragon Ball FighterZ e Dark Souls: Remastered, da Bandai Namco Entertainment, Wolfenstein II: The New Colossus, da Bethesda Softworks, e Starlink: Battle for Atlas, da Ubisoft, que inclui personagens e conteúdos da série Star Fox, exclusivos para a Switch. Títulos de grande qualidade, e é, sem dúvida, um cenário melhor do que o de gerações passadas, onde se assistiu a um abandono total, mas não vale a pena esperar que os anúncios de topo destas companhias incluam nos trailers a imagem da consola.


Foi precisamente por este motivo que a Nintendo abriu a sua apresentação da E3 com um exclusivo de uma "third-party". Daemon X Machina, desenvolvido pela Marvelous, será lançado em 2019 e é o novo jogo de Kenichiro Tsukuda, conhecido pelo seu trabalho na série Armored Core. Será um jogo de mechs com muita ação e um impressionante grafismo ao estilo animé.

A primeira grande surpresa da Nintendo Direct foi o novo conteúdo The Golden Kingdom of Torna para o jogo Xenoblade Chronicles 2, um DLC que funciona como prequela para o jogo principal e permite assistir aos eventos que marcaram a queda do reino de Torna. Os conteúdos ficarão disponíveis para os detentores do Expansion Pass a 14 de setembro, mas também serão disponibilizados numa versão física standalone a partir de 21 de setembro.


Num dos momentos mais aguardados, foi finalmente desvendado o novo título da saga Fire Emblem, com o título Fire Emblem: Three Houses. O jogo chegará na primavera de 2019 e, embora se mantenha fiel à arte que popularizou a saga na Nintendo 3DS, apresenta algumas novidades no sistema de combate e ainda a possibilidade de manobrar a personagem principal livremente para alguma exploração. O jogo irá passar-se num novo mundo governado por três grandes casas (daí o título) e promete todo o drama de fantasia medieval a que os fãs estão habituados.

Ainda no reino dos RPGs, a Nintendo aproveitou para relembrar do lançamento de Octopath Traveler, marcado para 13 de julho, revelando que a partir do dia 14 de junho estará disponível uma nova versão demo e cujos dados poderão ser transferidos para a versão final do jogo.

Pelo meio, houve espaço para pequenos anúncios mas que nem por isso deixam de ser muito relevantes, como o lançamento do popular Fortnite, já disponível para a Nintendo Switch, ou o novo Super Mario Party, com lançamento previsto para 5 de outubro. Este último incluirá um modo que permite jogar com dois ecrãs de uma forma inesperada e que será curioso ver em funcionamento.


Para 2018, a grande aposta da Nintendo reside em dois grandes títulos com enorme potencial, dos quais o primeiro a chegar ao mercado será o novo Pokémon: Let's Go, Pikachu! e Pokémon: Let's Go, Eevee!, com lançamento previsto para 16 de novembro. A estreia de Pokémon para a Nintendo Switch já tinha sido anunciada, mas a Nintendo Direct serviu para revelar novos detalhes e não deixar arrefecer o entusiasmo por este título que tenciona principalmente atrair novos jogadores.

Não será difícil, com um aspecto visual tão apelativo e a integração com o jogo Pokémon Go, que foi instalado mais de 800 milhões de vezes nos smartphones iOS e Android. Curioso pensar que mesmo um 1% desses utilizadores já representaria um enorme sucesso para a Nintendo Switch!


Finalmente, o grande destaque da apresentação foi para o novo Super Smash Bros. Ultimate, que será lançado na Nintendo Switch a 7 de dezembro. A grande novidade é que todas as personagens que alguma vez marcaram presença na série estão de regresso, assim como algumas novas como a Inkling (Splatoon) e o Ridley (Metroid). Se o Avengers: Infinity War foi o "crossover" mais ambicioso da história do cinema, o mesmo poderá dizer-se deste título para a indústria dos videojogos!

Naquilo que foi considerado um pouco exagerado e talvez fosse material para uma apresentação independente a seguir à Nintendo Direct, o diretor Masahiro Sakurai detalhou todas as novidades introduzidas em cada uma das personagens em relação à última vez que estiveram na série, assim como as principais diferenças deste jogo para os anteriores. Este SSB Ultimate promete uma experiência mais competitiva enquanto jogo de luta, mas sem querer afastar os jogadores que gostam da série pela sua vertente de "party game": estão cá todos e o jogo é para todos.


Por mais que a Nintendo apoie e promova o lançamento de jogos "third-party", a empresa sabe que está muito dependente da sua oferta "first-party" e de colaborações que vai fazendo com outras companhias. Felizmente, a Nintendo Switch continua com um catálogo recheado de bons lançamentos até ao final do ano e meses seguintes, com muitos outros títulos anunciados que continuam por revelar, como Bayonetta 3 e Metroid Prime 4, as grandes ausências do evento.

A Nintendo Direct da E3 2018 pode ser vista em seguida:

Ler Mais >

12 de junho de 2018

E3 2018: A época dourada da PlayStation 4


Em conferências passadas, a PlayStation já teve eventos bombásticos, com dezenas de jogos apresentados, revelações surpreendentes e até promessas de jogos que até hoje continuam perdidos no éter. Onde andas tu, Final Fantasy VII Remake, anunciado em 2015?

Desta vez, foi diferente: a PlayStation está no topo e sabe disso. A PS4 chegou à sua "golden age" com o lançamento de God of War e, a partir de agora, só podem vir coisas boas. Por isso mesmo, a presença da marca na E3 deste ano é mais contida em quantidade, mas não em qualidade. Os jogos falam por si. Com uma conferência pouco convencional, a marca focou-se principalmente nos 4 grandes jogos a caminho da consola: The Last of Us Part II, Ghost of Tsushima, Death Stranding e Marvel's Spider Man. Como quem diz: "vejam só os nossos exclusivos". Pelo meio, algumas surpresas, mas nada de promessas insufladas ou exageros desnecessários.

The Last of Us Part II ainda não tem data de lançamento, mas apresentou um trailer intenso e que nos coloca ao lado de uma Ellie já crescida. Foi apresentado um bom segmento de jogabilidade (aliás, o mesmo pode ser dito dos outros três jogos), onde a acção e a cinemática se interligam de forma completamente natural, mostrando a mestria da Naughty Dog num género onde os rivais só tentam imitar.


Ghost of Tsushima foi a maior surpresa, um jogo da Sucker Punch que já tinha sido anunciado previamente mas ainda não tinha recebido a devida atenção. Os visuais são lindíssimos, com uma paleta de cores perfeita para retratar o ambiente de um Japão sob invasão mongol, com paisagens deslumbrantes mas inimigos temíveis. O único problema da apresentação foi mesmo as vozes em inglês nas personagens principais, que contrastam com todo o ambiente do jogo. Vá lá PlayStation, ainda estamos a tempo de adicionarem a opção de jogar com as vozes em japonês e legendas.


A estreia em vídeo da jogabilidade do Death Stranding, de Hideo Kojima, não serviu para responder a muitas perguntas, mas veio acompanhada da seguinte sinopse: "Num cenário futurista pós-apocalíptico, o protagonista Sam (interpretado pelo famoso ator Norman Reedus) efetua um conjunto de misteriosas entregas, ao longo de uma série de paisagens impressionantes". O vídeo mostra-nos isso mesmo, com um solitário Sam a atravessar diversos cenários com a mercadoria às costas. Ok, então!


Finalmente, o único dos 4 jogos com uma data confirmada, Marvel's Spider Man. Desta vez, o jogo apresenta uma série de vilões famosos da saga como Scorpion, Rhino e Mr. Negative. No entanto, Peter Parker não está sozinho, pois alguém aparece para o ajudar. Quem será? Já não falta muito para se descobrir, pois o lançamento está marcado para 7 de setembro.

Títulos fantásticos e uma apresentação sem pressas que mostra que a PlayStation está plenamente confiante dos produtos que tem em mãos. A conferência em si não foi das melhores, com alguns problemas de ritmo, mas sem dúvida que teve excelentes conteúdos. Pelo meio, houve ainda tempo para boas surpresas, como o remake de Resident Evil 2, com data marcada para janeiro de 2019, e NiOh 2, a continuação do intenso título da Team Ninja lançado em 2017.

A apresentação pode ser vista na íntegra aqui:

Ler Mais >

E3 2018: Assassino do Intercidades chega a 19 de Julho!

C:\Users\Pina\AppData\Local\Microsoft\Windows\INetCache\Content.Word\AssassinoIntercidades_Logo.png
Ainda somos do tempo em que a E3 era só sobre videojogos internacionais, mas felizmente hoje em dia já não é assim. Acabamos de receber a data de lançamento para Inspector Zé e Robot Palhaço em: o Assassino do Intercidades! A sequela para o Crime no Hotel Lisboa está quase aí e promete trazer de volta o seu apurado sentido de humor. Até temos direito a um trailer!


Segue-se um excerto do comunicado oficial:

Inspector Zé e Robot Palhaço em: o Assassino do Intercidades é um videojogo de aventuras criado inteiramente em pixel art, para Windows, Mac e Linux. O Assassino do Intercidades é a sequela de Crime no Hotel Lisboa, que saiu em 2013 e que, desde então, vendeu cerca de 120.000 cópias.

Com um preço de 14.99€ / £12.99 / $14.99, o Assassino do Intercidades estará disponível internacionalmente em Português e Inglês no Steam, a loja digital da Valve. Virá com as típicas conquistas, “cartas para a troca” e, dado o enorme amor demonstrado pela banda sonora, terá novamente, músicas compostas e gravadas especialmente para o Inspector Zé e o Robot Palhaço incluindo música orquestral e uma pista de rock “moderno”.

Embora esta seja uma sequela, fizémo-lo de forma que possam apreciar na mesma o Assassino do Intercidades sem ter de jogar o Crime no Hotel Lisboa! Tipo, UAU!
Ler Mais >

E3 2018: Ubisoft com novidades para todos os gostos!


De todas as companhias third-party, poucas podem ambicionar uma apresentação na E3 tão empolgante e diversificada como a Ubisoft. Que o diga, por exemplo, a Square Enix, que parece ter chegado a Los Angeles sem grandes novidades além do Kingdom Hearts 3...

Apesar de todos os leaks e rumores, que obrigaram a empresa a confirmar a existência do Assassin's Creed Odyssey antecipadamente, este foi sem dúvida o grande título da conferência. Situado na Grécia Antiga, o jogo utiliza o motor de Assassin's Creed Origins e muitas das mecânicas introduzidas nesse título. A grande novidade é um sistema de escolhas, com diálogos interativos e cujas escolhas terão impacto no mundo de jogo e a sua história. Outra novidade é que desta vez será possível optar por jogar com uma personagem feminina, Kassandra, ou masculina, Alexios. O jogo será lançado a 5 de outubro de 2018 e estará disponível para Xbox One, PS4 e PC.


Da Grécia Antiga para o espaço, também em outubro será lançado Starlink: Battle for Atlas, jogo para o qual foi anunciado conteúdo exclusivo para a Nintendo Switch, numa colaboração com a Nintendo e a série Star Fox. Embora tenham referido, a pretexto deste anúncio, uma longa amizade com a Nintendo, pouco mais foi anunciado para a Nintendo Switch. Além do DLC para o Mario + Rabbids: Kingdom Battle, foi revelado o novo Trials Rising, que será lançado em 2019, e o Just Dance 2019, que será lançado para quase tudo: Nintendo Switch, Wii U, Wii, Xbox One, Xbox 360 e PlayStation 4. Sim, um jogo lançado para a Wii em 2018.

Voltando à Terra, tivemos uma interessante antevisão de Skull & Bones, onde a frota portuguesa é atacada... malditos piratas! Fora de brincadeiras, o jogo tem óptimo aspecto e poderá ser uma concorrência feroz ao Sea of Thieves da Rare: haverá mercado para dois jogos multiplayer de piratas?

Outros destaques incluíram a revelação do novo Tom Clancy's The Division 2, que será lançado a 15 de março de 2019 e Beyond Good & Evil 2, que continua sem data prevista de lançamento mas tem também um óptimo aspecto. Seja como for, o melhor mesmo é assistir à apresentação na íntegra:

Ler Mais >

11 de junho de 2018

E3 2018: O novo jogo dos criadores de Life is Strange será gratuito!


The Awesome Adventures of Captain Spirit é o nome do novo jogo da DONTNOD e será lançado gratuitamente para PS4, Xbox One e PC já daqui a duas semanas, mais propriamente a 26 de junho.

Situado no mesmo mundo de Life is Strange, o jogo é uma história independente sobre um rapaz de 10 anos chamado Chris que sonha grandes aventuras. Muitas caraterísticas de Life is Strange serão encontradas neste jogo, como o foco na narrativa e na construção das personagens, podendo encontrar-se aqui algumas pistas para o que poderá vir a ser Life is Strange 2.

O trailer é realmente awesome e adorável:

Ler Mais >

E3 2018: A Xbox está de volta ao jogo!


Longe vão os tempos em que a Xbox 360 dominava o mercado das consolas. A mudança de geração teve um impacto muito negativo na marca, em conjunto com as mudanças na liderança da Microsoft que, na altura, parecia não ter grande interesse em videojogos. Seria o fim? Em 2018, Phil Spencer subiu ao palco para nos assegurar que não.

O chefe da Xbox e Microsoft Studios mostrou-se orgulhoso com o seu trabalho e anunciou um grande esforço dentro da companhia para o desenvolvimento de novos jogos exclusivos para a Xbox One, reconhecendo que a falta de um catálogo forte em exclusivos foi um grande travão ao sucesso da plataforma. Por esta altura, a Xbox One dificilmente chegará à liderança de vendas no mercado de consolas, mas anúncios como a aquisição de 5 estúdios de desenvolvimento, incluindo a Ninja Theory (Hellblade: Senua's Scrifice), mostram que a Microsoft está a trabalhar para o futuro. Não foi por acaso que Phil Spencer encerrou a conferência com a confirmação de que já estão a trabalhar na próxima geração da Xbox.


A necessidade deste investimento é notória pois, mesmo com grandes anúncios e "world premieres", muito do que foi apresentado também estará disponível noutras plataformas que não pertencem à Microsoft. Kingdom Hearts 3, Cyberpunk 2077 ou Fallout 76, só para dar alguns exemplos, são títulos fantásticos de que a Xbox se deve orgulhar por ter no seu catálogo, mas dificilmente pesarão na hora do consumidor decidir entre uma PlayStation 4 ou uma Xbox One.

Restam então os exclusivos, onde se destacam títulos como Halo Infinite, Forza Horizon 4 e Gears 5, novos conteúdos em franquias favoritas dos fãs da Xbox e que parecem tirar o máximo partido das capacidades da Xbox One X. Aliás, a série Gears levou um grande investimento, com um total de três jogos revelados, incluindo um para dispositivos móveis onde todas as personangens são figuras Pop! A grande surpresa, no entanto, foi o anúncio de um novo Battletoads, que será lançado em 2019. A nostalgia também vende, Phil Spencer sabe disso.

A conferência da Xbox na E3 2018 foi a sua melhor nos últimos anos e mostra uma tendência muito positiva para o futuro, assegurando o apoio das companhias third-party enquanto começam a trabalhar em força num maior catálogo de títulos exclusivos para a Xbox One... e para a sua sucessora também.

Segue-se a apresentação integral:

Ler Mais >

Moche XL ESPORTS: O maior evento eSports de Portugal


No passado fim de semana, Lisboa foi palco do primeiro grande evento nacional inteiramente dedicado aos eSports. Durante dois dias, foi possível assistir em grande ecrã a competições dos maiores videojogos competitivos dos nossos tempos.
Ler Mais >

5 de junho de 2018

The Banner Saga


Este Banner Saga era daqueles jogos que já tinha em backlog no computador. O meu fraco por RPGs tácticos levou-me a uma compra impulsiva e lá ficou. Anos depois, o dever chamou para o analisar na nossa Nintendo Switch.
Ler Mais >

 Oh...Sir! The Hollywood  Roast 


Análise por Pedro M. Macedo

Algures, em 2018, uma pessoa deve ter pensado “meu, o Cards  Against  Humanity  teve tanto sucesso, seria interessante haver um jogo digital semelhante” e um outra pessoa aleatória deve ter completado com “brilhante ideia, podíamos usar o (não) sucesso dos simuladores e criar um de insultos...”.  Oh...Sir, Desafio Aceite! 
Ler Mais >

1 de junho de 2018

SEGA Mega Drive Classics


Como não adorar uma viagem ao passado? Os jogadores adoram e as companhias de videojogos sabem-no, motivo pelo qual não faltam ofertas de conteúdos de "retrogaming", especialmente da parte de companhias como a Nintendo e a SEGA. Qualquer pessoa nos seus 30s terá memórias de infância da Mega Drive, quer fosse afortunado com uma em casa, quer tivesse um amigo com a consola para ir lá jogar. Bons tempos, certo?
Ler Mais >

Dark Souls Remastered


Um dos jogos mais aclamados pela crítica na geração anterior acaba de receber a sua versão remasterizada, chegando agora à PlayStation4 e Xbox One numa versão definitiva com os seus belos 60fps e também uma resolução em 4K e ainda uma outra versão na calha, a caminho da Nintendo Switch. Dark Souls Remastered vem recordar os jogadores o quão severo e punidor pode ser, mas vem também para aqueles que, tal como eu, não tiveram a oportunidade de o jogar no passado. Bem-vindos à tortura!
Ler Mais >

31 de maio de 2018

Smoke and Sacrifice


O uso da ilustração em videojogos tem sido cada vez mais frequente nos últimos anos, muitas vezes explorada através de jogos indies. Entre eles surge agora Smoke and Sacrifice, a primeira aposta da Solar Sail Games que nos entrega um RPG onde exploramos um mundo ao estilo dark fantasy, repleto de horror e um ambiente pesado. A história começa quando Sachi se vê obrigada a cumprir a tradição da sua pequena aldeia, ao sacrificar o seu filho, mas há uma verdade oculta e todo um conjunto de conspirações que vão sendo desvendadas aos poucos, talvez como seria de esperar.


Poucos depois do início da aventura Sachi é transportada para um local desconhecido e bastante diferente do que conhece, repleto de criaturas hostis. Um lugar bizarro onde  horríveis monstros e habitantes mascarados partilham o mesmo espaço, e todo o cenário se encontra escondido por uma espécie de escuro nevoeiro que temos de ir "limpando" aos poucos através de uma lanterna, de modo a descobrir mais sobre este mundo. Um pouco ao estilo dos clássicos jogos de estratégia onde desvendamos o terreno à medida que o exploramos.

A jogabilidade é bastante simples, sendo um RPG de ação com vista isométrica sem aprofundar muito nas mecânicas disponíveis, e um dos pontos fundamentais é a sobrevivência, onde ver o ecrã de Game Over não é assim tão raro e numa espécie de aviso, o jogo não tem auto-save, obrigando-nos a gravar em pontos específicos. Não que o jogo seja muito difícil, mas a escassez de itens para recuperar vida, por exemplo, faz com que pensemos duas vezes antes de atacar um inimigo desconhecido. Aos poucos descobrimos novas receitas que vão desde alimentos a diversas armas ou equipamento que nos preparam melhor, equipamento esses que estamos constantemente a arranjar ou melhorar, embora que no geral estejamos sempre a criar novos itens com o loot que vamos adquirindo ao enfrentar os vários monstros.


Há bastante liberdade para explorar o cenário e vamos desvendando-o aos poucos, mas a progressão em si é feita através de quests que funcionam à base de procurar e criar entregar itens, encontrar personagens ou ir para determinados locais, nada que não estejamos habituados dentro do género mas que ainda assim tornam o jogo bastante repetitivo e pouco entusiasmante. A história é também revelada aos poucos através destas fetch quests, mas no meio de tantas entregas muitas vezes parecia que o essencial, que é a procura pelo filho de Sachi, parece ignorado. No geral dei por mim a explorar pura e simplesmente por estar curioso por descobrir mais, muitas vezes fugindo de enormes monstros pois um simples ataque resultava em morte.

Um dos pontos mais fortes do jogo é o seu estilo artístico, onde tanto os personagens como os cenários estão detalhados, embora algumas vezes estes se tornem confusos quando estão vários elementos uns em cima dos outros. Tem sido bastante mais recorrente ver uma forte aposta na ilustração em jogos indie, e cada vez mais encontramos estéticas interessantes como neste título, e explora uma fusão interessante entre o horror e o género RPG, que não é assim tão comum. Infelizmente a banda sonora não está ao mesmo nível, mesmo sendo calma e enquadrando-se no ambiente do jogo, é facilmente esquecida.


Os fãs do género dark fantasy têm aqui um bom jogo, mesmo não explorando mais a parte do horror ou tensão que normalmente encontramos em jogos mais ao estilo survival horror. Mas é pena que a história deixe um pouco a desejar, com surpresas previsíveis e um motivo principal que é constantemente esquecido ou ignorado, em prol de procuras constantes por itens! Ainda assim a aventura tem bons momentos, e uma bela atenção à ilustração que nos deixa a admirar as várias criaturas criadas (poucos momentos antes delas nos matarem sem remorsos).

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para Steam, gentilmente cedido pela Plan of Attack. 
Ler Mais >

Days of Play: Grandes Descontos e uma Edição Limitada da PS4


Andas mortinho por comprar uma PlayStation 4 mas não tens uma boa desculpa? Queres aumentar o teu catálogo de jogos mas a preços reduzidos?

Então os Days of Play da PlayStation estão de volta. De 8 a 18 de junho poderás comprar em lojas de retalho e na PS Store os referidos descontos. Onze dias inteiros em que poderás comprar consolas, acessórios e títulos AAA a preços mais acessíveis:

Consolas e acessórios:
  • PlayStation 4 de 500GB Edição Limitada Days of Play por 299.99€
  • PS VR e Grand Turismo Sport por 249.99£
  • Comandos DUALSHOCK 4 desde 39.99€ (edições normais e limitadas)
  • Auscultadores sem fios Gold e Platinum desde 59.99€
Nos jogos:
  • God of War por 49.99€
  • Grand Turismo Sport por 19.99€
  • Shadow of the Colossus por 19.99€
  • Uncharted: O Legado Perdido por 19.99€
  • Horizon Zero Dawn - Complete Edition por 29.99€
  • Uncharted 4: O Fim de um Ladrão por 19.99€
  • Horizon Zero Dawn por 19.99€
Das informações que recebemos, pudemos ainda ficar a saber que durante os Days of Play, serão feitos descontos em títulos third party como Call of Duty: WWII, Assassin's Creed Origins e Grand Theft Auto V. Para teres toda a informação dos descontos, visita www.playstation.com/daysofplay.

Para terminar, os Days of Play ainda te dão a possibilidade de ganhares uma PlayStation4 500GB Days of Play de edição limitada, um pack PlayStation VR, uma subscrição PS Plus de 12 meses e um crédito de 70 € na PS Store todos os meses durante 1 ano!
Este passatempo está a decorrer de momento e mantém-se até dia 8 de junho, pelas 10:00, hora de Portugal Continental. Podes visitar https://blog.eu.playstation.com/ e ficar a par de todas as informações.
Ler Mais >

30 de maio de 2018

Anunciado Pokémon Let's Go, Pikachu! / Let's Go, Eevee! para a Nintendo Switch!


As novidades chegam diretamente do Japão e em plena madrugada, após uma conferência especial da Pokémon Company com a participação da Game Freak, criadores da série Pokémon, e da Niantic, empresa responsável pelo jogo Pokémon Go.

Pokémon Let's Go, Pikachu! e Pokémon Let's Go, Eevee! São os títulos dos jogos que prometem um novo começo na Nintendo Switch, com um regresso à região de Kanto, uma surpreendente interação com o jogo Pokémon Go... e ainda uma pokébola! Como assim? O melhor é ver o trailer:


Pokémon Let's Go, Pikachu! / Let's Go, Eevee! chegarão à Nintendo Switch a 16 de novembro de 2018.
Ler Mais >