Notícias

Análises

14 de agosto de 2018

Beat Rush


Recentemente joguei um speed runner pelo qual fiquei encantado, Miles e Kilo, um jogo verdadeiramente bonito e charmoso, o qual entra como um dos melhores títulos indie que joguei este ano. No entanto agora a análise é ao Beat Rush, do mesmo género e que não deixa de ser interessante, o melhor é ir por pontos.
Ler Mais >

8 de agosto de 2018

Narcosis


São poucos os jogos de "terror" que nos últimos anos me envolveram verdadeiramente. Tirando Outlast e pouco mais, os que tenho jogado já não me conseguem assustar. Não querendo dizer com isto que Narcosis é o jogo mais aterrorizante que alguma vez joguei, mas é uma experiência a ter em conta porque o seu ambiente é tão claustrofóbico e obscuro que consegue criar uma tensão enorme aos jogadores que gostam deste género.
Ler Mais >

7 de agosto de 2018

Primeiras Impressões: Black Ops 4 (Private Beta)


Para os fãs da série Call of Duty, este fim de semana esteve disponível a beta para aqueles que fizeram a pré-reserva do jogo e também para nós jornalistas testarmos a nova direção que Black Ops tomou. Como é habitual, a beta foi dedicada apenas ao multiplayer normal, descartando qualquer campanha, mas tivemos acesso a alguns dos modos que estarão disponíveis no produto final do jogo. No futuro haverá uma outra beta do modo Battle Royale.
Ler Mais >

6 de agosto de 2018

Ultra Space Battle Brawl


Ultra Space Battle Brawl é um jogo tão estúpido como o seu nome. E eu sabia que depois de vários jogos bons me haveria de calhar algo assim.

Vamos lá ser imparciais para saberem se devem evitar ou jogar este USBB. Eu diria que não, mas enfim. Eu entendo o que o estúdio indonésio Mojiken Studio quis fazer: criar algo divertido e leve. E até conseguiu, mas é apenas mais um entre muitos com menos qualidade.
Ler Mais >

2 de agosto de 2018

Flat Heroes


Se há um género que marcou bastante os jogos indies foi toda uma quantidade de jogos de plataforma difíceis, quase impossíveis, que colocavam os nossos reflexos à prova e nervos em franja. Títulos que vão desde Super Meat Boy, um dos principais responsáveis pelo fenómeno, aos mais recentes como é o caso de Celeste. Dentro desse espírito surge agora Flat Heroes, um jogo de sobrevivência.

Ler Mais >

Primeiras Impressões: Marvel's Spider-Man


Com lançamento marcado para 7 de setembro e desde o início desta semana com estatuto Gold (significando que o seu desenvolvimento está terminado), Marvel's Spider-Man é o próximo grande jogo a chegar à PlayStation 4.

Para abrir o apetite, a PlayStation convidou-nos a ir até ao terraço do LACS, em Lisboa, para assistir a uma apresentação do jogo e poder, finalmente, experimentar a primeira hora de jogabilidade. Resumindo numa palavra: wow!
Ler Mais >

31 de julho de 2018

Pro Cycling Manager 2018


A Cyanide Studio e a Focus Home Interactive trazem-nos a mais recente edição do Pro Cycling Manager. Se passavam que os jogadores nacionais viviam única e exclusivamente de simuladores de gestão futebolística, enganaram-se, pois, e como o próprio nome de resto nos indica, Pro Cycling mostra-nos o complexo mundo do ciclismo em toda a sua glória. Como em muitas das suas edições passadas, Pro Cycling 2018 permite ao jogador escolher entre tomar as rédeas de uma das muitas equipas de ciclismo internacional e conduzi-las à glória ou incarnar no papel de um jovem aspirante a estrela e singrar nesse mundo.
Ler Mais >

Mothergunship


Um FPS ao estilo roguelike? Um sistema de armas completamente absurdo e over-the-top? Gosto muito de jogos FPS, mas Mothergunship conseguiu surpreender bastante! Ora vejamos então porquê.
Ler Mais >

27 de julho de 2018

Go Vacation


O Verão a chegar, tempo livre para passear e desfrutar... e claro, para uma compilação de minijogos também! Eis Go Vacation, o remake de um jogo da Wii que, por sua vez, era inspirado em títulos como Wii Sports e Wii Sports Resort. Mas será este o destino ideal para os jogadores da Nintendo Switch?
Ler Mais >

26 de julho de 2018

The Banner Saga 3


Pensei em várias maneiras de começar esta análise e todas malhavam em sequelas. Admito que tenho uma relação de amor-ódio para com elas. Se gostar do material de origem e quiser mais daquele mundo e personagens, abraço as sequelas e anseio por elas. Se um foi suficiente e não precisar de mais, acho que fico bem, obrigado.

O mundo e lore de The Banner Saga é bastante rico e com pano para vários banners de jogos (gostaram?). Se não houvesse mais sequelas depois do fim do primeiro ficava satisfeito. Foi uma boa conclusão. Se já acompanham as minhas análises, falo muito pouco do enredo porque um passo em falso e posso estragar a experiência, mas como estamos a falar de um terceiro jogo da série e se estão a ler isto, vou deduzir que acabaram os dois anteriores. Se não jogaram, não peço desculpas.

Ler Mais >

Semblance


Semblance é um ambicioso jogo indie de puzzles e plataformas, onde controlamos uma pequena bola saltitona e maleável. A premissa é simples: para avançar, o jogador terá de usar a personagem para deformar os cenários e assim conseguir ultrapassar obstáculos.
Ler Mais >

Hitman 2: Sniper Assassin


Quinze minutos. Em tão curto espaço de tempo, tudo pode acontecer, especialmente se houver um assassino contratado nas proximidades. Sniper Assassin é uma mini campanha especial, para um ou dois jogadores em co-op, que pode ser obtida com a pré-compra de Hitman 2.
Ler Mais >

25 de julho de 2018

Estão abertas as candidaturas à 4ª edição dos Prémios PlayStation!


Esta notícia é dedicada aos criadores de videojogos mas não deixa de interessar a todos os jogadores. Foi dos Prémios PlayStation que nos chegou a pérola que é o Strikers Edge e se revelou ao país o promissor Out of Line, vencedor da mais recente edição. Segue-se, então, um excerto do comunicado oficial emitido pela PlayStation.
Ler Mais >

Mega Man X Legacy Collection (1 & 2)



A série Mega Man celebra 30 anos de vida, uma das séries mais icónicas da indústria, criada por Keiji Inafune. Esta série é reconhecida por todos, sendo uma série que sempre fez os jogadores provarem o sabor da derrota dezenas de vezes com o seu nível de dificuldade absurdo. Aqueles que terminaram o primeiro Mega Man tal como eu, recordam-se perfeitamente do percurso até chegar ao Dr.Willy - mas que desespero! No entanto é tão bom e viciante que isso ajudava imenso a motivar na tentativa de terminar o jogo. Após anos surgiu Mega Man X, uma outra versão do herói, que também conseguiu conquistar os corações dos fãs apesar do seu design foi alterado. E é precisamente desse que se trata esta dupla coleção de títulos retro.
Ler Mais >

20 de julho de 2018

Ghost 1.0


Para os amantes dos jogos ao estilo Metroidvania, Ghost 1.0 chega à Nintendo Switch para mostrar que este género continua bem vivo e desafiante, aqui com inspiração no fantástico Ghost in the Shell e diálogos humorísticos com referências à cultura pop. Estão aqui todas as bases: explorar, disparar, encontrar caminhos secretos e colecionar upgrades. Mas estará este indie à altura dos grandes clássicos do género?
Ler Mais >

The Lion's Song


Há jogos e jogos. Uns que acendem a discussão sobre se serão arte e outros que abraçam a arte. Algures no meio há um ponto de intersecção entre estas duas perspectivas. Como escritor amador, senti que foi fácil gostar deste The Lion’s Song que reforça o que costumo dizer quando falo de escrita: criar dá valentes dores de cabeça. E é melhor parar aqui com o pseudo intelectualismo ou ninguém lê mais a análise.
Ler Mais >

19 de julho de 2018

Inspector Zé e Robot Palhaço em: O Assassino do Intercidades


Detective Case and Clown Bot in: The Express Killer é o título que chegará a mais pessoas no mundo, mas não há que enganar, Inspector Zé e Robot Palhaço em: O Assassino do Intercidades é um jogo bem "tuga"! Desenvolvido pela Nerd Monkeys, este point-and-click é uma sequela do já clássico Crime no Hotel Lisboa, um dos pioneiros da nova vaga de jogos indie desenvolvidos em Portugal. Mas será este um jogo do catano?
Ler Mais >

18 de julho de 2018

PlayStation Hits chega hoje às lojas


A PlayStation lançou hoje a nova gama de jogos PlayStation Hits, uma seleção de jogos populares da PlayStation 4 por apenas 19,99€, disponível tanto nas lojas físicas como na PlayStation Store.
Ler Mais >

17 de julho de 2018

Miles e Kilo


Nos dias que correm, o mais difícil para um jogo indie é fazer-se notar pelo meio das listas de lançamentos. É preciso uma boa publicidade, mas também é importante o "passa-palavra". Este Miles & Kilo é um bom exemplo, foi uma partilha no Twitter que nos despertou o interesse pelo jogo. Pelo trailer, parecia divertido, mas agora o que posso dizer é que estou mesmo feliz por ter tido o prazer de jogar Miles e Kilo.
Ler Mais >

20XX


Análise por Pedro M. Macedo

Após quase um ano do lançamento no Steam, 20XX chega agora às consolas. Considerado já desde a versão Alpha como o jogo que "Mighty No 9" devia (e bem podia) ter sido, o jogo independente da Batterystaple Games bebe da fonte dos incríveis MegaMan, mais precisamente da série X.
Ler Mais >

16 de julho de 2018

Candle: The Power of the Flame


Candle: The Power of the Flame é um jogo de puzzles em que controlamos uma personagem humanística numa sequência de acontecimentos fantásticos, num cenário pintado à mão em aguarela.

Encarnamos a personagem Teku, um "servo luminoso" ao serviço de Yaqa, o xamã da tribo Tumaykú. Com isto, Teku teve de sofrer um sacrifício, ao trocar uma das suas mãos por uma vela que nunca se deve extinguir. No entanto, a tribo Tumaykú é atacada pelos odiáveis Wakcha, um clã rival de assassinos que acaba por raptar Yaqa, o xamã da tribo. Jurando proteger o seu mestre, embarcamos com Teku na viagem por este mundo encantado para resgatar Yaqa.

Todo o jogo é desenhado à mão em aguarela, replicadas digitalmente e colocadas em camadas, fazendo-nos parecer que estamos a jogar num mundo desenhado, visualmente deslumbrante. A banda sonora é propícia a uma aventura épica. Mas como salvamos Yaqa?


O propósito do jogo é resolver puzzles através de interações muito simples com objetos, com o poder da chama ou com items que recolhemos ao longo do jogo, alguns apenas com o propósito imediato de resolver uma charada. A narrativa da história não é linear, forçando o jogador a estar sempre alerta do ambiente ao seu redor e do que vamos encontrando, pois um objeto que encontrámos no início do jogo pode ser solução de um puzzle, que desbloqueia uma porção de história que desbloqueia outro puzzle.

Não nos deixemos iludir pelo aspeto inócuo de Candle, o jogo é difícil e viciante. Às vezes a solução para os nossos problemas está mesmo à frente dos nossos narizes e nós, jogadores ávidos, habituados a resoluções típicas, não somos capazes de enxergar tal resolução. Outras, porém, são arquitetadas brilhantemente e dão uma satisfação incrível ao serem ultrapassadas. Mas as que eu mais gosto são os problemas que têm que ver com a narrativa da história, em que a história que nos é contada é a solução para um puzzle, requerendo uma apurada capacidade de abstração.


Em termos de jogabilidade, o estúdio indie espanhol Teku fez um ótimo trabalho, não confundindo as personagens com o fundo e não realçando os objetos-chave em cada nível, como é comum em alguns jogos desenhados à mão. A experiência é fluida e prende o jogador. No entanto, alguns menus de interação são restritos a uma zona pequena, tornando difícil a abordagem do jogo. O jogo é exímio em dar apenas a informação que é necessária, deixando o jogador explorar e conhecer os meandros do jogo. Até o mapa é brilhantemente engenhoso, por mostrar as conexões, diretas ou indiretas, de um ecrã para outro.


A minha experiência com o jogo foi com uma Nintendo Switch em modo portátil, realçando uma vez mais as capacidades pick and play do jogo, mas ligada a um grande ecrã é possível apreciar os maravilhosos desenhos aguarela que dão vida ao jogo. A tempo de terminar a análise, e devido ao grande conteúdo de jogo e de puzzles, não me foi possível terminar o jogo. Precisaria de um pouco mais de calma, rever todas as salas e recantos, a fim de poder solucionar o próximo desafio. É um jogo obrigatório para quem gosta de puzzles, que vai estar disponível na PlayStation 4 e na Nintendo Switch no próximo dia 26 de julho de 2018 e com versão física no final de agosto.


Nota: esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo Switch, gentilmente cedido pela Merge Games.
Ler Mais >

13 de julho de 2018

The Crew 2


Liberdade total. Corridas em terra, ar e mar num jogo de mundo aberto onde cada jogador pode fazer o que bem lhe apetecer? A premissa de The Crew 2 é, no mínimo, ambiciosa!
Ler Mais >

12 de julho de 2018

Octopath Traveler


Quando em 2012 Bravely Default foi lançado para a 3DS, o RPG ao estilo retro foi bem recebido e conseguiu demonstrar que esse estilo de jogo ainda funcionava na perfeição e conseguia manter-se bastante atual. Essa mesma aposta evolui agora para Octopath Traveler, um dos primeiros títulos a ser apresentado para a Nintendo Switch, e que desde então tem chamado à atenção. Já ficamos a conhecer as 8 personagens que nos esperam no jogo, mas agora resta saber o que lhes espera.
Ler Mais >

The Mooseman


Nem sempre os jogos são focados numa intensa experiência de jogabilidade. Já me passaram pelas mãos vários que se focam mais na sua narrativa e muitos deles são jogos que me fascinam. The Mooseman é mais um jogo desses, um curto jogo mas focado na história e na construção artística, com visuais impressionantes baseados no estilo "animal" da região de Perm, na Rússia.
Ler Mais >

11 de julho de 2018

Captain Toad: Treasure Tracker


Parece uma consequência inevitável do sucesso da Nintendo Switch após o fracasso da Wii U, a Nintendo investir na adaptação dos melhores títulos da antiga consola, tanto para os rentabilizar melhor como para preencher eventuais lacunas no catálogo do sistema. No entanto, este lançamento é peculiar, pois surge acompanhado de uma versão para a Nintendo 3DS com os mesmos conteúdos e algumas diferenças na jogabilidade. Já não falamos apenas de um port para a Switch: o Capitão Toad procura um lugar na ribalta. Mas será que o merece?
Ler Mais >