Notícias

Análises

19 de maio de 2017

Fire Emblem Echoes: Shadows of Valentia


Em poucos anos, Fire Emblem passou de série de nicho a uma das mais populares e reconhecidas da Nintendo, muito por conta de Fire Emblem Awakening para a Nintendo 3DS. De repente, o Ocidente apaixonou-se pelos RPGs táticos de fantasia medieval, oferecendo uma nova vida a uma franquia que poderia estar hoje extinta. Depois de dois jogos de grande sucesso e qualidade na portátil da Nintendo e ainda uma incursão pelos dispositivos móveis com Fire Emblem Heroes, a série regressa agora com um remake de um clássico da NES, Fire Emblem: Gaiden.

Fire Emblem Echoes: Shadows of Valentia conta-nos a história de duas personagens, Alm e Celica, marcadas pelo destino. Em comum, partilham um período da infância e uma marca de nascença, embora cada um com um símbolo distinto, e uma identidade secreta que desconhecem. Separados muito antes de poder compreender o que se passa, quer o destino que ambos acabem por formar exércitos para defender o reino de Zofia da invasão de Rigel, embora por meios muito diferentes. Percursos distintos, mas interligados, que definirão o destino de todo o continente de Valentia.

   

Duas equipas traduzem-se, na prática, em duas aventuras. O aspecto mais interessante deste Shadows of Valentia é a forma como nos permite alternar entre as histórias de Alm e Celica, assegurando uma cronologia de eventos para que as duas histórias decorram em paralelo. A cada movimento de um dos exércitos no mapa, o tempo avança para ambos, o que pode despoletar uma batalha do outro lado do mundo. Não só os nossos exércitos vão avançando, também alguns inimigos avançam livremente, pelo que é importante prestar atenção a ambas as equipas.

Além de oferecer alguma liberdade na exploração do mapa, o jogo permite explorar vilas e outras localidades onde será possível interagir com personagens e até recrutar novos elementos para os exércitos. O mais interessante, no entanto, é a possibilidade de explorar masmorras, onde podemos levar um grupo de até 10 elementos no que pode ser considerada uma bela sessão de "grinding", desde que se vá tendo cuidado com eventuais bosses que possam aparecer.

Já em combate, há algumas diferenças consideráveis em relação aos restantes jogos da série na Nintendo 3DS, começando pelas classes e habilidades das armas que requerem novas estratégias. Os exércitos de Alm e Celica são também bastante diferentes entre si, o que é algo importante a ter em conta ao abordar as batalhas. Uma novidade deste jogo é um mecanismo chamado Mila's Turnwheel, que permite voltar atrás no tempo para um qualquer ponto da batalha, até mesmo reiniciá-la. Alguns considerarão "batota", provavelmente os mesmos que se opõem à utilização do modo Casual onde os heróis caídos em combate apenas se retiram para curar e voltar na batalha seguinte. A vantagem deste modo é permitir testar jogadas mais arriscadas com a possibilidade de fazer "undo" caso seja mesmo uma péssima ideia. Por falar em bater em retirada, esta é uma nova opção que permite abandonar uma batalha que esteja a correr mal para recuperar ou considerar uma nova estratégia. Aqui não se perde o progresso, pelo que será possível recomeçar o combate com o inimigo numa posição enfraquecida em relação à batalha anterior.


Para esta análise, decidi jogar em modo Hard / Casual, ou seja, com uma dificuldade acima da média mas sem a morte permanente dos heróis. Embora o perfeccionismo leve a tentar manter todos os personagens em batalha, até porque assim têm bónus de experiência, o facto de não morrerem mesmo permite avançar mais rapidamente na história sem quaisquer remorsos por heróis desaparecidos. Ainda assim, achei a dificuldade Hard bastante desafiante, depois de ter jogado Fire Emblem Fates em modo Normal sem grandes preocupações.

Shadows of Valentia é um jogo moderno, mas que transmite um feeling bastante clássico. É difícil explicar mas, desde as ilustrações dos personagens, aos vídeos de animação, sem esquecer a fantástica banda sonora, há sempre algo que transmite uma nostalgia de outros tempos. É talvez o maior feito deste jogo, apresentar-se como uma lufada de ar fresco na fórmula de Fire Emblem ao mesmo tempo que recupera elementos de uma época em que a série nem sequer era conhecida fora do Japão. Um "remake" verdadeiramente exemplar!


Muito antes de Awakening ter saído na Nintendo 3DS para revolucionar a série, Fire Emblem Gaiden foi também um jogo que teve a audácia de fugir à fórmula dos jogos que o precederam. Shadows of Valentia, recuperando o clássico com uma roupagem moderna e uma história melhor trabalhada, acaba por trazer-nos o melhor de dois mundos. Uma história envolvente, mesmo que pouco surpreendente, e uma direção artística de mestre fazem deste um jogo imperdível para os que já são fãs de Fire Emblem, mas também uma excelente recomendação para quem se quiser iniciar nesta saga de RPGs de estratégia. É fantástico ver como, mesmo após o lançamento da Nintendo Switch, a 3DS continua a receber jogos de tão grande qualidade!

Nota: Esta análise foi efectuada com base em código final do jogo para a Nintendo 3DS, gentilmente cedido pela Nintendo.