Notícias

Análises

22 de junho de 2015

Yoshi's Woolly World


Era uma vez um mundo do Yoshi completamente feito de lã. Combinando alguns elementos como alfinetes, botões e algodão, alguém deu vida a esse mundo que agora é habitado por felizes yoshies de lã fofinhos e coloridos. Sem que ninguém estivesse a contar, num certo dia surge o kamek e transforma quase todos os yoshies de lã em novelos e leva-os para longe, perdendo muitos deles pelo caminho. É uma história até bastante macabra: imagine-se o horror do Yoshi ao ver os seus amigos ser desmanchados e enrolados em novelos! Assim começa uma nova aventura num mundo maravilhoso que mais parece feito à mão do que criado apenas no computador, com o mais fofo dinossauro de sempre em busca dos seus companheiros.

O grafismo do jogo é realmente impressionante, com texturas bastante detalhadas e realistas do que seriam personagens e cenários feitos de lã. Por vezes, são utilizados outros materiais para representar certos elementos, como algumas nuvens feitas de algodão ou o gelo cujo material evoca os sacos utilizados para levar alimentos ao congelador. As carapaças dos koopa troopas são pequenos botões e certos inimigos que Yoshi não pode engolir são feitos de peluche. Mas ainda assim é a lã que domina todo o ambiente do jogo, com aplicações criativas que fazem deste um jogo bastante inspirador. Por exemplo, nos níveis de lava, o magma é representado através de uma quentinha manta em tons de laranja, vermelho e amarelo, enquanto que noutros cenários um elaborado tricô pode representar uma planta trepadeira. São cenários lindíssimos e entram diretamente para a lista de gráficos mais bonitos da primeira plataforma HD da Nintendo.


Apesar do grafismo adorável, que poderia dar a entender que se trata de um jogo mais fácil e infantil como foi o caso do anterior jogo da mesma equipa, este é na realidade um grande jogo de plataformas e que está acima da média de qualidade dos jogos do Yoshi. Tal como Yoshi's Island, nos tempos da SNES, a Nintendo utilizou um estilo artístico bastante demarcado para envolver uma grande experiência de jogo, com níveis bastante interessantes, originais e suficientemente desafiantes. Este não é um jogo particularmente difícil como seria, por exemplo, um Donkey Kong Country, mas também não é um passeio no parque. Quem procura uma experiência mais simples, pode alternar em qualquer momento para o "Mellow Mode", que faz com que o Yoshi ganhe asas e assim se possa passar mais facilmente qualquer nível mais exigente - algo que os jogadores mais experientes irão, certamente, recusar.

Este é, ainda, um óptimo jogo para partilhar, com um interessante modo cooperativo a dois jogadores, onde é possível transformar o parceiro em bola e arremessá-lo para locais de difícil acesso onde normalmente se escondem alguns segredos. A experiência a dois pode mudar a abordagem aos níveis, sendo que alguns ficam bastante mais fáceis a dois, enquanto que noutros a existência de um jogador extra só parece dificultar. Durante a análise ao jogo em modo para dois jogadores, verificou-se que em alguns momentos onde havia muitos elementos presentes em ecrã, a imagem perdia consideravelmente a sua fluidez - uma situação muito esporádica mas que dá a entender que talvez o jogo tenha sido melhor otimizado para um jogador.


Na falta de um segundo jogador para ajudar, é possível utilizar uma figura amiibo para criar um clone do Yoshi, que repetirá todos os movimentos feitos pelo jogador e pode também ser arremessado. É, por exemplo, uma forma prática de ter bolas ilimitadas para arremessar aos inimigos ou contra outros obstáculos. Para isso, é necessário uma figura amiibo do Yoshi, podendo usar-se qualquer uma que seja alusiva ao personagem, incluindo as novas do Yoshi de Lã. Caso se utilize uma destas últimas, o jogo permitirá atribuir o aspeto desejado ao clone que surge dentro dos níveis, caso contrário irá surgir um Yoshi verde que não é feito de lã.

O aspecto do Yoshi é também uma componente forte do jogo, e diretamente ligada à história. Em todos os níveis, existem 5 novelos de lã para colecionar, que o Kamek deixou cair acidentalmente. Caso sejam todos recuperados dentro de um nível, será desbloqueado um novo Yoshi cujas cores correspondem às desses novelos. A partir daí, o jogador poderá escolher trocar a cor do seu Yoshi pelo novo padrão, ou atribuí-lo ao clone gerado pelo amiibo de lã. O jogo é ainda compatível com figuras amiibo de outros personagens, que desbloqueiam padrões de cores para o Yoshi inspirados nos mesmos, permitindo jogar com as cores do Mario, Luigi, Link e até um Inkling do Splatoon. Há também uma galeria onde é possível observar todos os padrões desbloqueados e selecionar o pretendido, algo que fará as delícias dos colecionadores.


Além dos novelos, há mais coisas para colecionar, nomeadamente as caraterísticas flores sorridentes e os novos carimbos para o Miiverse (no papel das moedas vermelhas que se encontrava em Yoshi's Island). Muitas vezes, alguns destes objetos só ficam evidenciados depois do jogador passar um ponto sem retorno, o que incentivará a tentar novamente. Outras vezes, estão tão bem escondidos que será preciso passar o mesmo nível várias vezes até se encontrar todos os seus segredos. Tanto a coleção de padrões do Yoshi, como a recompensa por se conseguir encontrar todas as flores, acabam por ser excelentes incentivos a jogar mais do que uma vez um jogo que é, sem dúvida, merecedor dessa repetição.


Yoshi's Woolly World é um dos jogos mais bonitos da Wii U e com um grafismo realmente fascinante, mesmo vindo no seguimento do que a mesma equipa já tinha feito em Kirby's Epic Yarn. É um trabalho artístico impressionante e que dificilmente passará despercebido, mas que ainda assim não descura a jogabilidade e o level design. É um dos melhores jogos de plataformas do Yoshi desde o primeiro que protagonizou na SNES, uma experiência divertida e que apetece partilhar com os amigos, tendo tanto cuidado com a acessibilidade como com a garantia de que um jogador experiente não se irá aborrecer. Um exercício de criatividade fascinante e que vem reforçar a posição da Wii U como a primeira escolha para quem gostar de jogos de plataformas.
Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo gentilmente cedido pela Nintendo.