Notícias

Análises

21 de junho de 2013

Game & Wario

Wario não aguenta, dinheiro e fama são elementos para ele mais importantes que o próprio oxigénio e, mal vê um novo aparelho, começa logo a pensar como é que vai conseguir tirar o melhor proveito dele. Precisamente quando estava no seu sofá em frente ao televisor vê o lançamento de um novo sistema, uma nova maneira de jogar com 2 ecrãs.

"Vou fazer o melhor jogo de sempre e fazer milhões!" pensou logo Wario e… rapidamente se aborreceu e voltou para o sofá. Trabalhar não é o seu forte afinal, mas um curto incidente com um rato ladrão esfomeado inspira Wario para desenvolver o seu jogo e considerar-se a si mesmo um génio. Sendo um jogo da série WarioWare, são várias as personagens que regressam mas com novas aventuras.

Neste novo título não temos um conjunto de mini jogos que duram escassos segundos, como estamos habituados a ver na série, mas sim diferentes jogos que exploram modos diferentes de usar o GamePad. É uma espécie de Nintendo Land ao estilo Wario, mantendo todo o aspeto bizarro mas ao mesmo tempo cativante. Cada personagem tem a sua história que se traduz no modo como jogamos.

Arrow é o primeiro jogo, o que Wario desenvolveu, cujo objetivo é derrotar um exército de pequenos robôs e no fim um boss (todos estranhamente parecidos com Wario). A sua jogabilidade consiste em segurar no GamePad na vertical, puxar a corda do arco enquanto apontamos para disparar setas e usar pimenta para criar autênticas bombas! Embora simples, os níveis vão ganhando algum desafio, os grupos de inimigos aumentam rapidamente e isso torna este jogo mais divertido, todos gostamos de alguma destruição.

Os jogos que vamos desbloqueando usam conceitos bastantes simples e exploram o charme de cada personagem. Nesta análise apontamos apenas alguns dos jogos, deixando alguma surpresa para quando forem jogar Game & Wario:

Jimmy T dedica-se agora ao Ski e tem como objetivo ter o melhor tempo em cada encosta, terminando numa discoteca, pois a febre da dança é muito forte. Para além de impressionar as diversas raparigas com os seus passos de dança, também as vai apanhando num desafio em plena montanha, tentando não cair e deixando-as em diversas discotecas que vai encontrando.

No jogo Camera, Mona é uma repórter e, por isso, usamos o GamePad como uma máquina fotográfica, com que temos de procurar por suspeitos e tirar boas fotografias, tal e qual um paparazzi, ganhando pontos extra por tirar boas fotos! Este é possivelmente dos jogos mais interessantes do grupo devido à sua mecânica e conseguir uma boa fotografia não é simples, atendendo que os suspeitos podem movimentar-se bastante rápido!

Completamente diferente é o jogo de Kat e Ana: Patchwork cai no género puzzle onde peças de feltro são cortadas e temos de construir uma imagem. Existem muitas figuras para completar, distribuídas em modos e níveis de dificuldade diferentes, compensando bastante o curto tempo de jogo que cada puzzle leva a resolver. Também pode ser jogado apenas no GamePad, permitindo ceder a televisão a quem a queira usar.

O jogo Ashley coloca a jovem aprendiz de magia num universo de guloseimas (por acidente), num jogo do género shooter horizontal em que usamos apenas o giroscópio do GamePad e os botões laterais para rodopiar. Os nossos inimigos são bolachas, que destruímos com magia, e enfrentar bosses que são formações de deliciosas bolachas é bizarro e ao mesmo tempo fascinante.

Mas se há jogo com que nos identificamos perfeitamente é Gamer, pois 9-Volt adepto dos videojogos como sempre enfia-se na cama a jogar na sua consola portátil, algo que não agrada nada à sua mãe. Aqui jogamos alguns microjogos durante breves segundos, como estamos habituados na série WarioWare, mas com uma interessante reviravolta pois, enquanto jogamos, temos de estar atentos à (demoníaca) mãe que, se nos apanhar a jogar, Game Over.

Por último, um dos jogos apresentados quando foi revelada a Wii U, foi um jogo de piratas em que movíamos o GamePad para nos proteger de setas. Este foi aproveitado e é agora Pirates, um jogo de ritmo em que usamos o comando como um escudo de ataques de diversas direções. Este é o jogo que melhor capta o que é WarioWare e que, jogando com amigos, pode proporcionar cenas embaraçosas e igualmente divertidas.

Para além de 2 jogos no modo Single que permitem que até dois jogadores participem, existe também o modo Multi com jogos que vão dos 2 aos 5 jogadores. O jogo Artwork coloca os nossos dotes de desenho à prova, onde temos de desenhar uma palavra que surge no ecrã para os restantes adivinharem; em Fruit o jogador que tem o GamePad tem de roubar fruta sem ser descoberto, e o objetivo dos restantes jogadores é descobrir quem é o ladrão.

O jogo usa ainda a componente Miiverse que irá colocar os nossos dotes de desenho à prova. Dentro de Miiverse Artwork podemos ou desenhar uma palavra específica dentro de um tempo ou submeter sugestões a outros jogadores. O desafio de desenho envolve escolher rapidamente uma de várias palavras para desenhar, que podem ser das 200 presentes já no jogo ou sugestões por parte dos jogadores. Em 60 segundos temos de desenhar o melhor possível, e quando terminar (ou o tempo acabar) o nosso desenho é submetido automaticamente no Miiverse. Infelizmente este modo não se encontrava disponível para teste a tempo desta análise.

Islands tem como objetivo atirar pequenas criaturas para uma plataforma flutuante com diversas áreas coloridas com pontos atribuídos, que embora pareça um jogo simples existem algumas surpresas que nos podem favorecer ou arruinar o jogo por completo; por último temos Disco, uma batalha de ritmo entre 2 jogadores, onde um jogador estabelece um ritmo e o oponente tem de respeitar esse mesmo ritmo, tudo dentro da batida da música

Game & Wario é um jogo com diversos minijogos para explorar mas, embora tenha muita diversidade, a quantidade é por vezes escassa. Por um lado temos Patchwork que nos oferece imensos puzzles para completar, mas já Ashley dispõe de muito poucos níveis e acaba extremamente depressa. Até mesmo  Gamer poderia ter mais jogos, pois rapidamente acabamos por repetir os diversos microjogos. Há minijogos bastante interessantes que quando ainda estamos muito entusiasmados já terminamos tudo o que esse jogo tinha para oferecer.

É um título que podia ganhar um pouco com o DLC, acrescentando depois mais mini jogos ou compensar aqueles que têm poucos níveis, e podendo até aceitar sugestões de jogadores sobre que tipos de jogos gostariam de ver, um pouco como as sugestões que vão ser colocadas no Miiverse Artwork. Também o jogo será vendido a um preço mais baixo quando comparando com outros jogos da Wii U, o que acaba por compensar.

O objetivo destes minijogos todos, para além da diversão garantida, é adquirir pequenas moedas, Tokens que podemos usar para obter cápsulas em Chick-N-Win, que nos oferece inúmeros brinquedos e até mesmo mini jogos! Existem muitos para descobrir e coleccionar, e mantêm bem presente o espírito do universo bizarro de Wario.


Se gostam de minijogos, este é um título recomendado e, embora seja mais focado no single player, não deixa de ser divertido para jogar em grupo, passando a vez no fim de cada nível. O artwork desta equipa continua bastante bom, com animações simples e engraçadas, e desta vez podemos ainda encontrar algumas personagens da série Rhythm Paradise! Wario continua a explorar as mais recentes modas, e lançou até o seu Crowdfunder Crowdfarter para poder desenvolver jogos para se dedicar ao que o GamePad da Wii U permite!

É um jogo que vamos querer voltar sempre um pouco, e com a mecânica do Miiverse Artwork vai acabar por prolongar mais a vida do jogo, até porque muita gente já faz excelentes desenhos no Miiverse, mas aqui tem um desafio. Um jogo que também vamos querer colocar os nossos amigos a jogar, desafia-los a bater as nossas pontuações, a custo de passar por algumas situações embaraçosas.