Notícias

Análises

18 de novembro de 2015

Mario Tennis: Ultra Smash


Lançado no ano 2000 para a Nintendo 64, Mario Tennis foi na altura um grande sucesso devido à sua elaborada jogabilidade e a diversão que proporcionava no modo para 4 jogadores, mesmo tendo sido responsável pela introdução do personagem Waluigi no mundo dos videojogos. Desde então, a série tem marcado presença em quase todas as consolas da Nintendo, com o mais recente lançamento a ter ocorrido na 3DS com um Mario Tennis Open repleto de conteúdos. No entanto, agora que chegou a vez da Wii U ter o seu próprio jogo de ténis do Super Mario, Ultra Smash parece ter sido feito com o mínimo de conteúdo.


Mario Tennis: Ultra Smash apresenta como grande novidade a introdução do Mega Cogumelo na jogabilidade, acrescentando às tradicionais partidas a possibilidade dos personagens ficarem gigantescos e com movimentos muito poderosos. Embora seja o modo de destaque no menu do jogo, em pouco difere do modo de Ténis Clássico: ao longo da partida, são ocasionalmente atirados Mega Cogumelos para o court, tendo de ser apanhados pelos jogadores para que se tornem gigantes. Não parece haver um método ou mecanismo que provoque o aparecimento do cogumelo como recompensa de bom desempenho ou handicap para ajudar o jogador mais fraco. No entanto, acertar com a bola no jogador adversário será suficiente para o colocar novamente no tamanho normal, além de ganhar mais um ponto. Além destes dois modos, há ainda o Mega Troca de Bola, onde o objetivo é manter uma bola gigante em jogo o maior número de batidas possível. Todos permitem jogar a 2 na opção Singulares e a 4 se for ténis a Pares.

O Desafio K.O. é um modo para um jogador a solo ou acompanhado de um personagem amiibo, que consiste em derrotar sucessivamente personagens que vão surgindo com um grau de dificuldade cada vez maior. Por causa do desafio que oferece, acaba por ser o mais divertido do jogo, quanto mais não seja pela sensação de progressão. Os amiibo utilizados vão adquirindo experiência, recebendo aos poucos novas habilidades que farão deles melhores jogadores. As figuras poderão, depois, ser utilizadas como parceiros para jogar a pares no modo online em substituição do segundo jogador. Infelizmente, não foi possível testar o funcionamento online além das opções do menu, por indisponibilidade nos horários estabelecidos pela Nintendo.


Em todos os modos, o jogador poderá acumular moedas, que servem para desbloquear os troféus das façanhas que não se consiga atingir (por exemplo: vencer 30 desafios K.O.) e assim "comprar" a respetiva recompensa, que pode incluir uma das 4 personagens secretas ou os campos desbloqueáveis. Entenda-se por "campos" uma simples alteração de textura no court e aplicação de diferentes regras de física. O jogo tem apenas um estádio de cenário que está carregado desde o início, não sendo sequer algo visualmente notável. A melhor componente visual está nos modelos dos personagens, que são bastante polidos e bem animados. Outro aspeto visual positivo é permitir jogar a 2 sem split screen, com  a imagem de um jogador na TV e do outro no GamePad.


A jogabilidade de Mario Tennis: Ultra Smash é muito boa, oferecendo um ótimo controlo da trajetória da bola assim que se aprende o funcionamento dos botões. Quem tiver jogado o anterior para a Nintendo 3DS não terá qualquer dificuldade com este jogo que utiliza praticamente o mesmo sistema de controlo se ignorarmos o ecrã tátil. O problema do jogo é a sensação de vazio que transmite desde que se abre o ecrã inicial ao momento em que se exploram os seus menus. Na realidade, oferece pouco mais para jogar do que o Wii Sports Tennis, embora com sistemas de controlo muito diferentes. Não sendo um jogo propriamente mau, é difícil recomendá-lo ao lado de uma alternativa recente e com muito mais e melhor conteúdo como foi Mario Tennis Open na Nintendo 3DS.


Um ponto importante a referir é que, ao adquirir este jogo através da eShop, a Nintendo está a oferecer uma cópia de Mario Tennis (Nintendo 64) para a Virtual Console da Wii U. Algo que sem dúvida será uma mais-valia para os fãs nostálgicos: os visuais poderão não ser tão detalhados, mas o conteúdo é bem mais variado.

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Wii U, gentilmente cedido pela Nintendo.