Notícias

Análises

16 de março de 2015

Inazuma Eleven GO Chrono Stones: Thunderflash / Wildfire


O mundo do futebol está novamente em risco em Inazuma Eleven GO, o segundo capítulo da história do capitão Arion Sherwind. Munidos com incríveis truques de bola, a equipa de Raimon prepara-se para lidar com uma nova ameaça, que não só coloca em perigo o desporto-rei, como põe em risco o destino de vários dos personagens da série, entre eles Mark Evans.


Poucos meses depois de recuperarem o futebol das garras do Fifth Sector, Arion encontra-se a treinar jovens entusiastas da bola, mas ao regressar a Raimon depara-se com a falta de futebol na escola, desde o desaparecimento dos campos à inexistência do seu clube. Ele também não é reconhecido por quase todos os seus amigos, e enquanto tenta perceber o que se passa é interceptado por Alpha, um misterioso rapaz que tenta, também, eliminar quaisquer vestígios de futebol em Arion. No entanto a sua paixão pelo seu desporto favorito torna-se um forte obstáculo na investida de Alpha.

No meio desta confusão surge Fei Rune, um fã de futebol vindo do futuro que explica a situação a Arion: no futuro existe a organização El Dorado, que envia jovens como Alpha a viajar no tempo para eliminar o futebol do mundo. Perante esta situação Arion toma uma nova missão, juntamente com Fei e ainda Wonderbot, um "urso de peluche"que conduz uma carrinha capaz de viajar no tempo. Rapidamente são capazes de recuperar a equipa de Raimon, mas no entanto esse é apenas o ponto de partida para a aventura.


Os problemas complicam-se quando Mark Evans, ao defender a sua equipa, é transportado para uma nova realidade onde não consegue escapar. Para o tentar recuperar, Arion conta com a ajuda do avô do seu treinador, David Evans, que visionou a "equipa perfeita" inspirando-se em figuras histórias do nosso mundo. Deste modo a equipa de Raimon irá viajar no tempo para conhecer personagens como Nobunaga Oda, Jeanne d'Arc, o Rei Artur, entre outros.

Neste jogo são introduzidas duas novas mecânicas principais, que se juntam ao leque de diversas habilidades especiais e os Fighting Spirits. A primeira é Armourfy, que permite aos personagens equipar os seus Fighting Spirits durante algum tempo, como se fossem armaduras. Deste modo são capazes de usar os seus movimentos especiais, mais fortes ainda e sem qualquer custo, embora a energia dos seus espíritos se vá esgotando mais rapidamente, enquanto equipados.


A segunda habilidade é o Miximax, que ganha bastante importância devido ao seu peso na história. Ela trata-se de uma espécie de fusão, onde a aura de uma pessoa é transportada para uma personagem da nossa equipa, garantindo-lhe mais força. Quando se torna num Mix 'n' Match todo o potencial da fusão é invocado, e para além de uma maior força, o personagem é capaz de usar ataques especiais, únicos dessa fusão. Esta é a chave para implementar a força de 11 figuras icónicas da história do mundo na equipa de sonho, e deste modo enfrentar El Dorado.

A jogabilidade mantém-se fiel ao jogo anterior,  introduzindo ainda a possibilidade de desviarmo-nos ou cortar a bola para a esquerda ou direita, juntamente com a possibilidade de usar um movimento especial de roubo de bola (ou de desviar dos adversários, se estivermos em posse da mesma). As novas mecânicas trazem uma nova força às batalhas, funcionando como uma vantagem e, ao mesmo tempo, um novo obstáculo a enfrentar.


Enquanto viajamos no tempo o enredo vai-se desvendando a bom ritmo, e não nos arrasta demasiado em cada uma das épocas que visitamos. É capaz de explicar, de um modo bastante simples, como funcionam as viagens no tempo, o que são paradoxos temporais ou até mesmo universos paralelos, aos jogadores mais novos. No entanto torna-se um pouco estranho quando tempos personagens a comunicar com outros tempos, como se estivessem a fazer uma simples chamada telefónica.

Comparado com outros títulos da série, não são introduzidos muitos novos personagens à equipa principal do jogo, embora conte com o regresso de muitos do primeiro jogo da série GO. No entanto continuam à nossa disposição imensos personagens a recrutar, através do mesmo método que já estamos habituados na série. Já os nossos inimigos vão mudando regularmente, trazendo de volta o estilo de rivais que tivemos em Inazuma Eleven 2, bastante misteriosos e com poderes "de outro mundo".


Para além do modo de história contamos novamente com os modos de jogo local, para testar a nossa equipa contra os nossos amigos. Temos imensos personagens para recrutar, para além de vários movimentos especiais, equipamentos e emblemas, de modo a personalizar um pouco melhor a nossa equipa. Existem novamente os vários objetivos a cumprir para desbloquear determinados personagens, o que nos obriga a explorar bastante os cenários.

Em suma, Chrono Stones cumpre o seu objetivo e continua a desenvolver a série, introduz novas mecânicas mas não altera drasticamente o jogo. As partidas continuam bastante fluídas e tanto o Armourfy como o Miximax dão uma nova vantagem, tal como um novo desafio, às batalhas. Se são fãs da série é um capítulo que não vão perder, e para os restantes, uma nova oportunidade de experimentar este curioso RPG de futebol.