Notícias

Análises

6 de fevereiro de 2014

3D Sonic the Hedgehog


Quando em 1991 a Sega lançou Sonic the Hedgehog na antiga Mega Drive rapidamente o ouriço azul se tornou famoso, muito pela velocidade que atingia e o seu estilo muito cool que se enquadrava perfeitamente o início da década de 90. Nasceu assim uma rivalidade entre Mario e Sonic que dura até aos dias de hoje. 

Foi um trunfo da Sega, bastante bem sucedido, pois Sonic era apenas possível na Mega Drive devido ao Blast Processing, propaganda esta que ajudou na popularidade deste clássico jogo de plataformas. Mas longe vão esses tempos e agora é bastante habitual ver Sonic a correr nas consolas da Nintendo, e agora podemos ter todo o poder do Blast Processing nas nossas mãos, em formato portátil e com o efeito 3D estereoscópio que a 3DS permite.

O jogo não precisa de introduções: Sonic tem de vencer o temível Dr. Ivo (Eggman) Robotnik e destruir os seus robôs, resgatando assim os animais e salvando o mundo de Mobius. Durante o percurso poderá apanhar as 6 Chaos Emeralds, estas que são apenas uma recompensa que nos permite assistir ao fim perfeito do jogo. São 6 as zonas existentes, cada uma com 3 Actos e 1 boss a enfrentar, e um nível final onde temos a derradeira batalha contra Dr. Robotnik.

Esta versão na 3DS é idêntica à versão que encontramos na Mega Drive, mas tira partido do efeito 3D realçando bastante os coloridos níveis que atravessamos, destacando-se bastante nos níveis especiais, mas é no modo pop-out que melhor se realçam os níveis, criando um bom efeito "mini-teatro". Outra novidades são a possibilidade de usar o Spin Dash, mecânica que não existia no original, e ter disponível no menu o modo Stage Select, que nos permite saltar logo para um nível.

Distribuição das diferentes camadas para criar o efeito 3D

A Sega e a M2 trouxeram excelentes versões de clássicos às nossas mãos, e com Sonic tiveram um trabalho extra a manter este título fiel a si próprio. Só conseguimos tomar atenção ao detalhe jogando com o 3D no máximo, à medida que vamos avançando no jogo, e ver como os diversos elementos surgem no que era um mundo bi-dimensional, agora com profundidade.

Para tornar esta versão melhor só mesmo se tivesse incluído Tails e Knuckles como jogáveis, e a possibilidade de jogar em ecrã completo, mas ainda assim não deixa de ser uma experiência bastante retro e ainda muito recomendada nos dias de hoje. A banda sonora continua memorável e a correr na velocidade certa e não como tivemos na nossa versão europeia que corria a 50Hz.


Se procuram uma viagem nostálgica ou conhecer o início de Sonic the Hedgehog e a sua série têm aqui uma boa oportunidade, uma versão sempre disponível no nosso bolso, onde podemos a qualquer momento jogar um ou dois níveis.