Notícias

Análises

30 de junho de 2015

Samurai Warriors Chronicles 3


A série Samurai Warriors é uma ramificação da franquia iniciada em Dinasty Warriors, sendo parte de um universo que muitos fãs da Nintendo só descobriram com o lançamento de Hyrule Warriors, um cruzamento desta franquia com o universo de The Legend of Zelda. Já com mais de uma década, esta série inspirada nos lendários guerreiros Samurai conta já com um vasto leque de títulos, muitos dos quais disponíveis em plataformas Nintendo, embora nem todos tenham chegado ao Ocidente. A acompanhar a série principal, existe ainda a ramificação "Chronicles", onde um personagem fictício controlado pelo jogador acompanha na primeira pessoa os eventos históricos retratados, e dos quais este Samurai Warriors Chronicles 3 é a mais recente entrada da série na Nintendo 3DS. Colocando de parte a confusão ou dificuldade que possa haver em acompanhar todos os lançamentos da série, importa salientar que este é um título independente e que não requer conhecimento prévio de outros "Warriors" para ser devidamente apreciado.

Em Samurai Warriors Chronicles 3, o jogador pode criar o seu próprio guerreiro (ou guerreira) Samurai fictício e que participar diretamente nos eventos históricos reais da era Sengoku no Japão. Logo no início, o protagonista é colocado ao lado de Nobunaga Oda, um promissor Samurai visto por muitos como um tonto cuja ambição é unificar o Japão e acabar com uma guerra que dura há várias gerações. Rapidamente, Nobunaga irá colocar em prática um método extremamente eficaz de combater a guerra com mais guerra, espalhando o terror a cada conquista, formando alianças e eliminando friamente os seus opositores. Inicialmente, o jogo parece glorificar os feitos de Nobunaga, realçando a ideia que a sua única ambição seria terminar com aquele período de guerra. No entanto, conforme o protagonista vai interagindo com os outros personagens, a moralidade destes métodos vai sendo colocada em causa. A história irá, então, acompanhar a ambição de Nobunaga e o legado deixado pela mesma. Embora bastante romantizado e adaptado à história do personagem criado pelo jogador, o modo principal de história acompanha fielmente os eventos históricos, o que faz com que este seja realmente interessante. No entanto, é possível voltar atrás e repetir qualquer cenário com outros personagens, e até desbloquear campanhas alternativas com histórias totalmente fictícias.

   

A jogabilidade é muito fiel ao que é habitual na série Warriors, incluindo o Hyrule Warriors: o personagem desloca-se livremente pelo cenário distribuindo porrada por centenas de NPCs completamente inúteis comandados por figuras históricas (estas sim já dotadas de alguma inteligência artificial). Em cada cenário, há até 4 personagens jogáveis à disposição, todas colocadas no terreno de acordo com os eventos históricos representados, e um conjunto de objetivos e missões para cumprir. A qualquer momento, com um toque no ecrã, o jogador pode alternar entre os personagens e controlá-los diretamente, mas é também possível utilizar o ecrã tátil para comandar os restantes com instruções para vigiar um local, atacar um adversário ou proteger um aliado. Isto faz com que o jogo seja bem mais interessante para além da satisfação de fazer combos elevadíssimos a matar NPCs que pouco fazem, acrescentando uma camada de estratégia que o jogo utiliza eficazmente – uma característica que infelizmente fez falta em Hyrule Warriors.

Outra caraterística muito boa deste título é a sua banda sonora completamente japonesa e o facto dos personagens não terem sido localizados, havendo apenas legendas para o diálogo em japonês. Já a nível gráfico é um jogo que se pode considerar aceitável para a Nintendo 3DS, embora longe de ser impressionante. Ocasionalmente, notam-se alguns glitches, e em muitos cenários a draw distance é também reduzida, embora a experiência de jogo não seja muito afectada por isto. O pior aspeto do jogo é provavelmente o posicionamento da câmara, que em locais mais apertados atrapalha um pouco a jogabilidade. O jogo não tira partido das melhorias da New Nintendo 3DS, embora utilize o Circle Pad Pro e, consequentemente, os botões da nova consola também. Por outro lado, é compatível com as funcionalidades StreetPass e SpotPass e tem ainda à disposição um vasto conjunto de pacotes DLC (embora a preços questionáveis).


Apesar de ter várias falhas a apontar, na sua essência este é um jogo bastante interessante e divertido, com uma jogabilidade viciante e bastante replay value, embora a motivação em jogar as histórias alternativas vá mudar de jogador para jogador. Recomenda-se vivamente a todos os que tiverem gostado de Hyrule Warriors na Wii U ou a quem tiver interesse na história e cultura do Japão e quiser jogar na pele de dezenas de guerreiros que hoje pertencem ao mundo das lendas.
Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo 3DS, gentilmente cedido pela Nintendo.