Notícias

Análises

22 de março de 2013

Luigi's Mansion 2


Quando foi apresentado pela primeira vez em 2011, Luigi's Mansion 2 surpreendeu toda a gente: finalmente uma sequela para o jogo de lançamento da GameCube que, apesar de não ter sido muito popular na altura em termos de vendas, deixou uma legião de fãs ansiosos por jogar mais. Luigi's Mansion foi, em 2002, considerado um jogo bastante inovador e tecnicamente impressionante, mas com pouca longevidade. A primeira hipótese do Luigi saltar finalmente para o estrelato, num universo onde os canalizadores e os personagens vestidos de verde já tinham os seus respectivos reis. Mais de uma década depois, Luigi está de volta com todo o seu carisma e preparado para conquistar um lugar especial no coração dos fãs da Nintendo.

O Luigi é um pobre coitado. Estava descansadinho em casa a ver televisão, quando lhe surge no ecrã o Professor A. Luado e lhe pede ajuda – os fantasmas do Vale das Sombras estão descontrolados e alguém tem de ter coragem para os enfrentar. Luigi não tem coragem, mas vai na mesma porque não tem escolha! Munido do aspirador Sugospectro 5000 e uma estrobolâmpada, Luigi é relutantemente enviado para um conjunto de mansões assombradas em busca de pedaços da Lua Negra que irá permitir controlar os fantasmas e repor a ordem no vale e descobrir quem está por detrás de tanta confusão.

Em Luigi's Mansion 2, o jogador não explora apenas uma, mas várias mansões assombradas. Nestes cenários, existem diversos tipos de fantasmas que Luigi terá de sugar com o aspirador (ao estilo Caça-Fantasmas) depois de os encandear com a estrobolâmpada. Os fantasmas variam desde os mais brincalhões aos mais "agressivos", passando pelos que adoram pregar sustos ao Luigi – e apesar do Luigi se assustar, o jogador só se pode divertir com as situações apresentadas. A jogabilidade é introduzida gradualmente ao longo da história de forma muito simples e intuitiva, aplicando utilidades surpreendentes à capacidade de sugar e expelir o ar com o aspirador: por exemplo, sugar primeiro um balão e depois expelir o ar para fazer o personagem flutuar, ou então sugar um objeto em chamas para fazer uma tocha. Com apenas 2 botões para controlar o aspirador e outros 2 para as lâmpadas, jogar LM2 não podia ser mais simples. Mesmo sem a existência de um segundo analógico, poucas são as vezes em que se sente a falta de um controlo mais preciso.

Em vez de deixar explorar todo o cenário de uma vez, o jogo tem uma estrutura dividida em várias missões onde Luigi terá de atingir certos objectivos, que podem ser a captura de algum destes fantasmas em particular ou encontrar um objeto importante, por exemplo. A estrutura de missões, que geralmente duram entre 15 a 30 minutos, é uma das principais vantagens deste jogo em relação ao anterior. Cada sequência de jogo tem um objetivo concreto, mas também permite explorar os cenários à procura de outros segredos: munido de um dispositivo de luz negra, Luigi consegue encontrar objetos, fantasmas e até caminhos escondidos no cenário. Mais do que um jogo de acção, este é um jogo de puzzles e investigação. Há imensas situações em que o jogador pode ficar algum tempo encravado até decifrar a forma de passar certas salas mas, como tudo o que existe à disposição é o aspirador e as duas lâmpadas, é apenas uma questão de criatividade para interagir com os elementos do cenário. É esta simplicidade que faz com que os momentos "eureka!" sejam bastante gratificantes e motivem a continuar para ver os puzzles seguintes.

Há alguns tipos de missões que são mais recorrentes, como resgatar o Toad, personagem engraçado por estar ainda mais assustado que o Luigi, ou perseguir o Fantacão com o dispositivo de luz negra, mas são sempre divertidas e desafiantes mesmo quando não são as mais surpreendentes. Porque o factor surpresa é um dos elementos fortes do jogo: a surpresa de encontrar fantasmas onde menos se esperava, a surpresa da forma como se resolve um puzzle, a surpresa do que se vai encontrar na próxima sala. As próprias batalhas contas os bosses têm elementos de puzzle incorporados, fazendo com que sejam bastante interessantes de se jogar.

Graficamente, o jogo é impecável, extremamente fiel ao estilo utilizado pelo jogo original mas com muito maior variedade de cenários e objectos animados. Tudo reage ao aspirador, desde os móveis às cortinas, e os efeitos de luz são fantásticos, tirando o máximo partido do efeito 3D da consola para efeitos especiais e até truques com espelhos. As animações, especialmente do Luigi, são o maior feito deste jogo em criar algo especial, tal é o nível de detalhe e a variedade de reacções do personagem a diferentes situações. Com inspiração em clássicos como Scooby-Doo e Mr. Bean, os criadores de LM2 deram a Luigi um carisma ainda mais forte do que o representado no clássico da GameCube: o pobre Luigi está assustado e acontece-lhe todo o tipo de peripécias e, ao mesmo tempo que isso nos diverte, também aumenta a empatia que sentimos pelo personagem.

Além de uma excelente aventura a solo, Luigi's Mansion 2 oferece um sólido modo multijogador para até 4 pessoas que pode ser jogado localmente ou através da internet, chamado Torre dos Sustos. Graças à funcionalidade Download Play, é possível transmitir este modo a jogadores 3DS que não tenham o jogo – o melhor de tudo é que estes poderão continuar a jogar multiplayer depois da consola que tinha originalmente o jogo sair, desde que não desliguem a consola!

O modo Torre dos Sustos é uma espécie de Zelda: Four Swords do Luigi, sem elementos de puzzle mas com muito mais acção, e está dividido em 3 modos diferentes: Caça, Tempo e Fantacães. O modo de Caça é o mais convencional, onde os jogadores exploram diversos pisos de uma torre à procura de fantasmas, dentro de um tempo limite. O modo de Tempo é para os jogadores mais experientes, que lutam contra o tempo para capturar todos os fantasmas de uma sala e, assim, ganhar mais tempo para continuar. Já o modo Fantacães é o mais divertido, no qual os jogadores devem usar o dispositivo de luz negra para procurar e capturar os divertidos cães-fantasma espalhados pela torre.

Apesar de não ser perfeito, o modo multijogadores é uma grande surpresa deste título e permite personalizar as sessões de jogo ao gosto dos jogadores – tempo, dificuldade e estilo de jogo. Infelizmente, para mudar alguma destas configurações no final de um nível, é necessário voltar a criar uma sala do zero e reagrupar os elementos, mas esta acaba por ser uma inconveniência menor. Da forma que foi criado, poderia muito bem dar uma aplicação vendida em separado na eShop, mas não deixa de ser uma grande adição a Luigi's Mansion 2.


Um jogo de "terror cómico", bastante divertido e bastante desafiante, apesar de ser sempre acessível, Luigi's Mansion tem ainda uma boa longevidade com bastantes missões e imensos segredos para desvendar, além do modo multijogadores. A atenção ao detalhe e a constante entrega de surpresas a cada nível que passa faz desta uma sequela que não só está à altura, como supera o jogo original. Além disso, está completamente legendado em Português e acompanhado de uma banda sonora que promete ficar no ouvido durante dias. Luigi pode não ter a coragem de Link ou a energia de Mario, mas tem um carisma único que faz os jogadores sorrir com as suas peripécias. A Nintendo disse que este era o Ano do Luigi, e agora percebemos porquê.