Notícias

Análises

14 de setembro de 2017

Quest of Dungeons (Nintendo Switch)


Quest of Dungeons é um daqueles títulos indie que fez questão de marcar presença em todas as plataformas atuais, pelo que seria expectável encontrá-lo, eventualmente, na Nintendo Switch. O que ninguém esperava é que David Amador e o seu Upfall Studios o fizessem tão rapidamente. A meros seis meses de existência da plataforma, eis o primeiro título nacional a chegar à Nintendo Switch!

Para quem não conhece, este jogo é um roguelike onde navegamos masmorras geradas aleatoriamente ao controlo de um de quatro personagens à escolha. Com elementos RPG, o protagonista vai sendo melhorado à medida que adquire experiência por derrotar inimigos e obtém melhores equipamentos. No entanto, é imperativo manter a atenção na barra de energia e nos inimigos próximos, pois neste jogo a morte implicará começar tudo de novo! No final, tudo o que resta é a memória da aventura... e uma posição nas leaderboards online. A dificuldade do jogo é bastante considerável, pelo que a melhor abordagem é levar o jogo com calma, tentar explorar todas as salas de um piso e melhorar o equipamento antes de avançar para o seguinte. No entanto, nada nos impede de encontrar inesperadamente uma situação complicada - demasiados inimigos na sala? um boss? uma armadilha? Até onde conseguiremos ir?

Os quatro personagens disponíveis têm todos caraterísticas diferentes, mudando um pouco o estilo de jogo. Temos o Guerreiro, o Feiticeiro, o Assassino e o Xamã - chamam-se assim mesmo! Quase tudo no jogo é o mais "genérico" possível, de encontro aos diálogos e mensagens divertidas que se vai encontrando pelo caminho. É particularmente divertido jogar em Português por causa disso mesmo.


Nesta versão para a Nintendo Switch, o jogo comporta-se bastante bem, especialmente no modo portátil. Embora a resolução se adapte tanto ao modo TV como ao modo portátil, é nas mãos que este jogo transmite uma sensação mais natural, devido ao seu estilo artístico. O jogo é ideal para sessões curtas de jogabilidade, oferecendo a opção de gravar e sair para mais tarde retomar a aventura - desde que o personagem não morra, claro está. Embora divertido tanto para se jogar casualmente como para quem procura um grande desafio, o jogo pode também frustrar quem não apreciar o conceito de morrer e ter de começar tudo outra vez. Uma aventura divertida e desafiante para jogar vezes sem conta!


Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo Switch, gentilmente cedido pelo Upfall Studios.