Notícias

Análises

11 de setembro de 2017

Drancia Saga


Desenvolvido pela Skipmore e distribuído pela Circle Entertainment, Drancia Saga é uma das mais interessantes propostas, dentro do género da aventura arcade, a ser lançado para o serviço digital da 3DS.

Sem uma história per se, Drancia dá-nos a possibilidade de seleccionar o nosso protagonista de entre um cinco personagens. Como seria de se esperar, cada personagem tem as suas próprias características, como forma de agradar os diferentes tipos de jogadores. A primeira delas é o Swordsman, que é o mais balanceado dos cinco. Comparativamente temos a Witch, que possui a melhor magia de todo o jogo, sendo capaz de arrasar com múltiplos inimigos do ecrã com o uso da mesma, se bem que em contra partida o resto dos seus stats sejam drasticamente baixos. Segue-se a Paladin, que detém o ataque que inflinge mais dano, mas uma defesa fraca. O Dwarf é o inverso desta última. Por fim temos o caricato Bear que, armado com a mais estranha das armas alguma vez vista num jogo de vídeo (as espinhas de um peixe!), surge-nos como aquele que tem a barra vital mais extensa, mas o segundo stat mais baixo.


Para além destas silenciosas personagens sem nome, temos ainda muitas outras que podem ser desbloqueadas via a compra das mesmas no Pub. Este local, cujo acesso é possível via o menu principal, é onde podemos recolher gemas (o dinheiro do jogo) e ouvir as músicas do jogo, assim como já foi referido acima, adquirir novas personagens. Estas novas personagens são normalmente inimigos no jogo, se bem que também podem provir de outras propriedades intelectuais da Skipmore. Para além do Pub, existe ainda a Shop. É nesta que iremos usar as gemas, obtidas no Pub e nos níveis de Drancia, de forma a podermos comprar itens para usarmos na aventura principal. Cada personagem pode ter até três itens, sendo que estes desaparecem se se forem usados ou se formos derrotados, pelo que devem ser adquiridos novamente de cada vez que voltarmos a jogar Drancia Saga. Mas deixemos de lado estas questões para nos debruçarmos no gameplay e no jogo propriamente dito.

Drancia Saga apresenta-nos uma só área que temos de livrar de diferentes monstros que vão aparecendo. Ao serem vencido,s estes desaparecem do colorido cenário e no seu lugar surgem moedas, que são usadas como forma de restabelecer a nossa barra de energia. Quantos mais adversários seguidos batermos, maior será a recompensa obtida. Para além dos inimigos, temos ainda que ter cuidado com certos perigos escondidos nas áreas de jogo, nomeadamente explosões de água, lava, estalactites, entre outras. A área termina com o surgimento de um boss, que normalmente está conectado com a temática do nível em questão.


Drancia Saga não é um jogo longo, no entanto os seus oito níveis não poderiam ser mais action packed. Com uma música ritmada e inimigos a surgirem non stop, Drancia é um desafio aos reflexos dos jogadores e, embora não seja difícil, tem uma curva de aprendizagem e sobretudo de memorização de padrões dos adversários. A personagem que seleccionarmos tem o condão de movimentar-se sozinha, sendo que apenas controlamos a direcção para onde ela vai e o ataque. Para além do ataque normal, com a espada, lança ou machado, temos ainda um Dash Attack (útil para eliminar múltiplos inimigos ou se usarmos de forma defensiva, como meio de fugirmos de certos ataques) e um Down Attack (que permite derrotarmos inimigos com escudos, sem sofrermos dano). A isso junta-se ainda uma fada, a qual funciona como sidekick e auxilia-nos no ataque. Drancia Saga tem ainda algumas componentes de RPG, com um quadro de habilidades a possibilitar o level-up das nossas personagens.

Um jogo à moda antiga. Rápido, frenético, desafiante e com sentido de humor e belo character design. Um must-have para a 3DS.

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo 3DS, gentilmente cedido pela Nintendo.