Notícias

Análises

18 de setembro de 2017

Pokkén Tournament DX


Pokkén Tournament foi uma boa surpresa para a Wii U, a fusão de Pokémon Tekken que levou as tradicionais batalhas de pokémon ao mundo dos jogos de luta mais técnicos. Aqui as combinações com timings preciosos são vitais para garantir a vitória, e foi fascinante ver a boa receção do jogo em diversos eventos, em que as pessoas se reuniam para breves combates. É um jogo de luta "a sério", e chega agora à Switch com tudo o que podíamos esperar de uma versão completa do jogo.

À semelhança de Mario Kart 8 Deluxe, em Pokkén Tournament DX temos todo o conteúdo desbloqueado à partida: todos os personagens disponíveis, tal como os Support Pokémon. Há conteúdo para desbloquear, mas que se trata apenas de comprar roupas e acessórios para adornar o nosso personagem, ou ainda conseguir títulos para acompanhar o nosso perfil. São imensos os itens a obter, mas que se acabam por tornar redundantes por pouco trazerem ao jogo.


Algo curioso com o Pokkén na Wii U foi o lançamento de novos personagens nas arcades, mas que nunca surgiram como DLC e que tornou claro que uma versão definitiva estava em desenvolvimento para a Switch. Assim sendo esta nova edição DX é tudo isso, em que Empoleon, Darkrai, Croagunk e Scizor chegam finalmente ao jogo fora das arcades, juntamente com o novíssimo Decidueye que estreia assim a 7.ª geração no jogo de luta. Temos também Litten e Popplio como pokémon assistentes, também uma novidade da versão Switch.

Para quem não conhece, este é um tradicional jogo de luta, muito semelhante a Tekken, tendo sido desenvolvido pela equipa da clássica série bastante conhecida em Portugal (curiosamente o jogo na Alemanha chama-se Pokémon Tekken!). Aqui o importante é manter um bom ritmo de ataques seguidos, criando combos que deixam o adversário sem qualquer defesa, ou até mesmo mantendo-o no ar sem que possa recuperar. Quer sejam ataques altos, de longo alcance, especias e até mesmo usando grabs ou counters, há um vasto arsenal em todos os personagens, mesmo quando a jogabilidade é bastante simples e acessível.

É  um jogo semelhante ao da Wii U, em que todo o fernesim das lutas entre 2 pokémon em alta definição é acompanhado por um esquema de controlos bastante acessível, mas com espaço para combinações técnicas e precisas. Agora podemos ter combates de 3 contra 3, que embora não seja à base de trocar personagens na própria luta, acaba por trazer uma maior longevidade às mesmas, quando comparado com o tradicional 1 vs 1. Pode não haver um grande sentimento de novidade, mas poder pegar no jogo num café, partilhar Joy-Cons e rapidamente ter umas batalhas contra amigos é bastante bom! Embora seja preferível usar quer o Comando Pro, jogar com o Joy-Con na horizontal funciona na perfeição.


Por falar no multijogador local, é possível jogar com o ecrã dividido, simulando o modo com 2 ecrãs diferentes da Wii U, ou também tudo num só ecrã. A divisão de ecrãs, mesmo sendo mais justa, sofre de uma quebra do framerate por metade, sendo que se optarmos por manter tudo num só ecrã, esta conta com a fluidez a 60 frames por segundo. De resto há conteúdo para um jogador apenas, podendo ter batalhas interessantes contra o CPU (bastante aumentar o seu nível de dificuldade), um modo história reflectido na Ferrum League, e ainda missões diárias em que facilmente aumentamos os níveis dos nossos pokémon.

Mas sendo uma série como a de Pokémon, com centenas de criaturas bastante diversas, ter um elenco com 21 personagens apenas (sendo que 2 são versões alternativas de Pikachu e Mewtwo) infelizmente sabe muito a pouco. Desde personagens favoritas de fãs (onde andas tu, Greninja?) ou até mesmo outros com Mega Evoluções, que acaba por ser uma mecânica importante em Pokkén, há muitos candidatos que, se aumentassem o roster por mais era um incentivo bastante bom para o jogo. Ter apenas mais 5 personagens como grande novidade acaba por ser desinteressante, quando havia potencial para muito mais, e talvez possa surgir uma sequela caso haja interesse, e aí sim é de esperar um grande aumento de personagens.


Ainda assim há uma boa diversidade de pokémon, cada um deles com características como sendo mais técnicos, rápidos ou fortes, e que se adaptam bem aos estilos de personagens com que lidamos em quaisquer outros jogos de luta.  É interessante ver como bem funcionam personagens fora do normal, quando comparando com outros jogos do género. Casos como Suicune em que ser quadrípede não impede de ser um personagem bastante bom, ou até mesmo casos mais estranhos como Chandelure, que funciona bem como personagem imprevisível.

Visualmente continua bastante bom, com todo o detalhe que tivemos na Wii U mas agora com a resolução de 1080, quando ligado à televisão, mantendo a fluidez desejada para os jogos do género. Continua notável o detalhe da pele, pelo, escamas, entre outros elementos dos pokémon, dando bastante realismo aos mesmos, mas mantendo o aspecto original dos mesmos. Os efeitos especiais dos ataques, tal como as cinemáticas dos mesmos tornam as batalhas mais empolgantes, mas não há assim tanto detalhe quer nos cenários, tal como noutros efeitos especiais.


É também possível lutar entre consolas, como seria de esperar, e também marcar lutas online com várias configurações disponíveis, desde criar salas onde várias pessoas podem participar, ou definir o tipo de jogadores que queremos enfrentar. É muito acessível combinar partidas com amigos, ou até mesmo enfrentar desconhecidos em lutas pelo rank, ou apenas pela diversão. Podemos ainda assistir a vídeos de combates onde podemos analisar combinações decisivas, ou até mesmo aprender como usar melhor determinados pokémon.

Havendo talvez pouco incentivo para quem já tenha o jogo, Pokkén Tournament DX é um jogo a considerar pelos fãs de jogos de luta e/ou pokémon que não o tenham tido na Wii U. Mas também é uma nova oportunidade de experimentar a fusão entre Pokémon e Tekken associada à portabilidade da Switch, com uma demo disponível na eShop caso haja interesse.

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo Switch, gentilmente cedido pela Nintendo.