Notícias

Análises

15 de setembro de 2017

Greedy Guns


Declaração de interesses: há muito tempo que acompanho este jogo, devido à sua presença em eventos de videojogos nacionais. Gostei tanto do que vi, que me tornei um dos seus "backers" no Kickstarter, pelo que tinha uma enorme expetativa pela versão final.

Desenvolvido pela Tio Atum ao longo de 4 anos, chegou finalmente ao PC com um produto mais do que à altura das expetativas. Greedy Guns cruza os géneros "metroidvania" e "run and gun / bullet hell", com influências em jogos tão diversos como Metroid e Metal Slug ou Gunstar Heroes. Não bastasse a premissa, o jogo inclui suporte para dois jogadores para o dobro da diversão... e das balas a disparar!


A história é simples. Os mercenários contratados pela HOLO CORP são enviados para um misterioso planeta em busca de artefactos e DNA alienígena, tudo em troca de dinheiro. Muito dinheiro. No entanto, os aliens não estão para facilitar e irão atacar qualquer humano que lhes apareça à frente. O jogo mistura exploração e acção em boas medidas, com áreas secretas para descobrir e uma boa dose de backtracking, além de extensos corredores cheios de alienígenas para aniquilar. A jogabilidade é bastante gratificante, sendo possível disparar em qualquer direção independentemente do movimento do personagem. Por vezes ficamos completamente rodeados de inimigos a disparar por todos os lados, mas o truque é ter sangue frio e nunca largar o gatilho! É possível jogar tanto com teclado e rato como com um comando, sendo que, na minha experiência, é muito mais fácil fixar a mira num inimigo enquanto se move o personagem se estivermos a utilizar o rato.

Se há coisa que salta à vista rapidamente é o estilo artístico de Greedy Guns. Os cenários têm texturas simples, mas bastante apelativas. Ambiente perfeito para incontáveis tiros e explosões! Os cenários "limpos" comunicam facilmente a sua navegação, deixando dicas subtis de eventuais segredos que possam esconder. Embora exista algum backtracking, o avanço no jogo é consideravelmente linear. Há é muitas salas escondidas, espalhadas pelo mundo do jogo com diversas recompensas ou easter eggs. Não se pense, porém, que isto é um passeio no parque. A dificuldade de Greedy Guns é elevada e vai subindo à medida que se avança no jogo, com torrentes de inimigos vindos de várias direções e todos a disparar para o mesmo sítio: onde quer que esteja o protagonista! Jogar com um amigo ajuda.


Não podemos ignorar o facto deste jogo ter sido inteiramente desenvolvido em Portugal, com uma qualidade de referência para os géneros que tentou desafiar. Sem ser revolucionário, oferece uma experiência perfeitamente sólida, com exploração, plataformas e muita acção ao nível do melhor que se faz na indústria hoje em dia. Acima de tudo, o jogo é gratificante e genuinamente viciante. Para rematar, um desejo de que o jogo tenha toda a visibilidade que merece - não quereria ser aquele tipo que nunca ouviu falar no Greedy Guns.


Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo Greedy Guns, obtido via Kickstarter.