Notícias

Análises

17 de fevereiro de 2013

Little Inferno


Comecemos pelo essencial: Little Inferno é uma perda de tempo. Esta é uma afirmação forte e capaz de fazer com que muitos não queiram ler mais, mas este jogo é precisamente para quem também não se importa de perder algum tempo a ler sobre ele.

Na sua vertente mais elementar, Little Inferno é semelhante a um conjunto de jogos "sociais" em que fazemos vezes sem conta um conjunto de acções rotineiras que, geralmente, envolvem um tempo de espera ou uma transacção monetária. Mais morangos para a quinta, um novo frigorífico para o restaurante... não sabemos bem como, mas perdemos horas a fio com este tipo de jogos cujo retorno acaba sempre por ser muito baixo ou nulo. E se um jogo "deste género" nos desse alguma coisa em troca? Mesmo que fosse... a clara noção de que estamos a perder no nosso tempo?


Está muito frio lá fora. Não pára de nevar e a poluição encobriu completamente o céu. Acima das colunas de fumo, no balão meteorológico, confirmam-se as previsões de mais frio para os próximos tempos. As pessoas isolaram-se em casa, tentando aquecer-se com aquilo que podem. A Tomorrow Corporation inventou um brinquedo perfeitamente apropriado a esta situação: a lareira Little Inferno, onde as crianças podem queimar todos os seus brinquedos de forma divertida, para se manterem quentes. Uma abordagem, no mínimo, interessante para ajudar as crianças a lidar com o frio e o isolamento.
No jogo, somos precisamente uma dessas crianças em frente à lareira. À nossa disposição, temos um catálogo de objetos que podemos encomendar para, em seguida, colocar na fogueira e queimar. Cada objecto tem uma interacção própria com o fogo e, ao queimar alguns destes em conjunto, podem ocorrer combinações especiais. A componente de puzzle entra precisamente aqui, com uma lista de pistas misteriosas que devem ser decifradas para descobrir quais objetos queimar em simultâneo. Ao queimar todos os items de um catálogo e resolver algumas combinações, é desbloqueado um novo catálogo. As encomendas dos catálogos funcionam como nos jogos "sociais", havendo um tempo de espera para a entrega dos objectos (que custam dinheiro) e podendo pagar-se para uma entrega imediata. Felizmente, todo o dinheiro é virtual e facilmente obtido ao queimar coisas.

O jogo pode ser inteiramente jogado no GamePad ou na televisão, utilizando um comando Wii ou o ecrã tátil para arrastar os objetos para a lareira e depois incendiá-los. O estilo artístico é inconfundível, da responsabilidade de Kyle Gabler, criador do fantástico World of Goo. O mesmo pode ser dito da subtil, mas excelente banda sonora, que está disponível gratuitamente na página oficial do jogo. Igualmente subtil é a história, praticamente inexistente ao início mas que se vai desvendando aos poucos através de cartas recebidas, quer da vizinha (que tem uma lareira igual), quer de outros personagens.


Mas o que acontece após queimar todos os objectos dos catálogos disponíveis? Para não estragar a surpresa, digamos apenas que desbloqueamos o fim do jogo e que esta é uma experiência completamente diferente. Uma ruptura quase chocante com o que são até aí as regras do jogo e algo que faz com que todo aquele tempo "perdido" não tenha sido em vão, mas sim o caminho para lá chegar. Little Inferno é um jogo bastante divertido e também bastante casual, mas traz consigo uma forte mensagem para quem a quiser procurar. Uma sátira aos chamados jogos sociais que, ironicamente, daria um dos melhores jogos sociais alguma vez feitos.