Notícias

Análises

10 de dezembro de 2015

FAST Racing Neo



Já desde a Game Cube que a fan-base de F-Zero constantemente lança a pergunta: "para quando um novo jogo?". Contudo, mesmo anos após o lançamento da Wii U, os fãs recebem apenas um certo silêncio, e a presença da série em mini-jogos como Nintendo Land ou até mesmo pistas em Mario Kart 8.

FAST Racing Neo surge para saciar a fome destes fãs, que aguardam impacientemente pelo regresso a Big Blue ou Mute City. É a sequela de FAST Racing League, lançado para a WiiWare em 2011, um jogo que teve pouca atenção mas que, também ele, foi bem recebido entre os fãs do género. A Shin'en volta a apostar no género, e o resultado é bastante positivo e irá certamente dar que falar.

Embora seja muito fácil lembrar-nos de F-Zero (por também ser exclusivo numa consola Nintendo) este jogo aproxima-se mais a Wipeout, não só pelo design das naves mas também das próprias pistas, menos "impossíveis" que as de F-Zero e mais focadas em curvas apertadas e caminhos alternativos. Também como em Wipeout cada nave está associada a uma marca, lembrando-nos da Fórmula 1, mas não existe muita publicidade às mesmas, perdendo um pouco o espírito "realista" com painéis publicitários que víamos em Wipeout.

Uma coisa certa, e bastante impressionante, é a sensação de velocidade provocada neste jogo, onde sentimos que chegamos a velocidades "impossíveis", sempre estáveis em 60 frames por segundo. O próprio desenho dos cenários ajuda bastante neste aspecto, sendo possível apreciar bastante as pistas e os ambientes em que se inserem, onde facilmente vemos minhocas gigantes a comer a terra (que a muitos de nós nos recorda o sci-fi dos anos 90 como no filme Palpitações), os contentores a serem transportados em portos, ou até mesmo os asteróides que nos barram caminho quando estamos em pistas no espaço.

A jogabilidade é bastante simples, e foca-se apenas na destreza dos pilotos e o seu conhecimento da pista, para alcançar o primeiro lugar. Uma mecânica central é mudar de boost entre as 2 cores (laranja e azul), e na pista temos áreas em que temos de ter a cor certa para ganhar mais velocidade, caso contrário ela é extremamente reduzida. Não existem armas, mas temos uma barra de boost que vamos preenchendo à medida que apanhamos as pequenas esferas que estão na pista, e a qualquer momento podemos acelerar bastante, empurrar e até mesmo derrubar os nossos adversários.

Os modos de jogo são bastante tradicionais, e podemos contar com um modo Arcade com níveis de dificuldade diferentes e 4 Cups a percorrer, com as suas respetivas pistas. Existe ainda um Hero Mode feito a pensar nos mais corajosos, que também muda um pouco as mecânicas do jogo e o aproxima um pouco mais de F-Zero. Temos também o modo de Multi-Jogador local, que se mantém sempre estável e fluido em qualquer parte da corrida, e também o modo Online para partidas rápidas contra outros jogadores.

Certamente que não é um jogo com imensas naves por escolher, mas que nos traz sempre para "jogar um bocado mais" onde breves minutos se transformam em horas. Há imenso desafio, embora pareça bastante fácil no início, e a velocidade que atingimos no jogo nos causa bastante adrenalina. Existem tempos difíceis para bater no modo Time Trial, e se nos sentirmos mais à vontade com as pistas partimos para o modo Online, que durante este tempo de análise não houve qualquer problema de lag ou cair a ligação.


Após "muito" tempo de espera temos finalmente FAST Racing Neo, sendo uma das grandes surpresas do ano. Um jogo de corridas sci-fi que, não só vai deixar os fãs de F-Zero e Wipeout bastante satisfeitos, como aqueles que estejam num espírito mais sci-fi num final de ano bastante propício para tal. Numa última curiosidade, Wipeout é facilmente associado à PlayStation, contudo é um jogo que saiu em vários formatos, entre eles a Saturn, PC e ainda a Nintendo 64.


Notas: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Wii U, gentilmente cedido pela Nintendo.