Notícias

Análises

20 de março de 2012

Resident Evil Revelations


Sustos, explosões e muita ação. São estes os ingredientes básicos de uma aventura espectacular e empolgante que se revelou um verdadeiro must have para a Nintendo 3DS. Resident Evil Revelations é o novo capítulo da famosa série de terror da Capcom que tem vindo a assustar milhares de jogadores desde 1996 e, ao contrário das expectativas dos mais cépticos por ser um jogo portátil, este é um título bastante forte e digno dos melhores da saga.


O título é enganador. Este jogo não é um spinoff, baseado em pequenas revelações acerca de outros jogos da série. Revelations é um jogo independente e pode ser apreciado por qualquer jogador, mesmo sem precisar de conhecer ou compreender o enredo da saga em geral. Ainda assim, o seu título é justificado pela forma como a história é contada, dividida por episódios, começando por levantar um grande conjunto de mistérios cujas respostas vão sendo reveladas conforme se aproxima do final. A estrutura em episódios é bastante adequada ao formato portátil do jogo, dando-lhe uma estrutura narrativa semelhante à de séries de televisão, começando com uma recapitulação cinemática dos episódios anteriores e concluindo sempre com uma cena importante, seja um cliffhanger ou uma grande revelação: tudo para dar vontade de ver o capítulo seguinte. Se é verdade que a história está recheada de clichés dentro do género e que a temática das conspirações também já possa estar um pouco gasta, também é verdade que Resident Evil nunca precisou de uma história incrível para entreter o jogador. Infelizmente, algumas partes da história nunca são suficientemente exploradas para se tornar satisfatórias, fazendo com que alguns personagens jogáveis acabem por ser pouco interessantes.


Os níveis de produção deste jogo são absolutamente impressionantes. Não só existe um número bastante elevado de sequências de animação cinemáticas espalhadas ao longo dos vários episódios, a qualidade gráfica do jogo é realmente surpreendente, mostrando que a Nintendo 3DS é capaz de muito mais do que o que se esperava inicialmente, ainda antes da consola ter completado um ano no mercado. Os modelos dos personagens são bastante detalhados e os cenários muito bem construídos, com excelentes texturas que ajudam a construir o ambiente assustador e claustrofóbico do navio Queen Zenobia. Embora os personagens estejam dentro de um barco, existe uma grande diversidade de ambientes para explorar, baseados em diferentes áreas desde a residencial, que evoca a mansão do primeiro Resident Evil, à zona das máquinas, com um ambiente mais industrial. Ao longo dos episódios, há várias partes da história que ocorrem em diferentes localizações, o que contribui para uma ainda maior diversidade de ambientes. A tudo isto, junta-se uma subtil, mas excelente banda sonora, que conduz as emoções do jogador enquanto alterna entre as partes mais assustadoras e as outras mais focadas na ação.

Infelizmente, nem tudo é perfeito. Sendo extremamente ambicioso, o jogo tenta disfarçar sequências de loading bastante pesadas ao colocar os personagens dentro de elevadores para mudar de cenário sem qualquer corte. No entanto, o resultado disto é uma grave perda de fluidez que, em momentos, parece querer congelar o jogo. Felizmente, é uma situação pouco frequente e, nos restantes casos, a transição entre salas é feita sem qualquer problema. Apesar do jogo dar uma boa utilização ao efeito 3D do ecrã, a experiência acaba por ser melhor em 2D, uma vez que os recursos libertados neste modo foram aproveitados para aplicar anti-aliasing à imagem, oferecendo uma qualidade gráfica ainda mais impressionante, e rivalizando com o aspecto dos melhores momentos de Resident Evil noutra consola.


Outro departamento de excelência deste jogo é o da jogabilidade. O controlo do personagem é bastante simples e de fácil aprendizagem, mas são oferecidas algumas configurações adicionais que o podem tornar ainda melhor e mais adequado aos gostos do jogador, incluindo até a hipótese de controlar a mira com o giroscópio da consola. Ainda assim, e mesmo sem qualquer necessidade para uma boa experiência de jogo, foi incluído o suporte do Circle Pad Pro (disponível numa versão especial do jogo ou em separado) para uma experiência mais próxima da dos comandos tradicionais. Existem dois níveis iniciais de dificuldade, desbloqueando-se depois o modo "Hell" após completar a história, que tem uma duração de cerca de 10h. Embora a experiência de jogo mais satisfatória seja a de eliminar todos os monstros possíveis em todas as salas, por vezes a única solução é fugir devido à escassez de munições (uma dificuldade extremamente rara no modo de jogo mais fácil). Em alguns episódios, há ainda sequências de jogo com uma jogabilidade bastante diferente, que serão agradáveis surpresas para os jogadores.


Para além da história principal, o jogo inclui o novo Raid Mode, onde existe um conjunto de cenários e missões disponíveis para simplesmente matar zombies e outros monstros, sozinho ou em modo cooperativo para dois jogadores, localmente ou através da internet. Este modo é uma evolução do jogo Resident Evil: The Mercenaries 3D, lançado alguns meses antes para a 3DS, adaptado ao contexto de Revelations e bastante melhorado em vários aspectos – tanto que, de certa forma, Mercenaries se tornou obsoleto. Neste modo, existe progressão dos níveis do jogador, dando acesso a novas armas e upgrades para as armas, assim como outros conteúdos desbloqueáveis. O modo StreetPass recolhe informações de outros jogadores encontrados na rua, que são transformados em zombies e colocados nos cenários do Raid Mode, criando assim novas missões e incentivando a repetir níveis já concluídos, para além de oferecer munições extra para o modo principal.


A quantidade de conteúdo oferecida pelo jogo parece ser precisamente a dose certa e ultrapassa até a de muitos jogos de sucesso nas consolas domésticas. Nada parece ter sido sacrificado para que este jogo fosse possível, sensação que é resultante do esforço que foi feito em fazer deste um jogo tão bom na 3DS como teria sido numa consola de alta definição. Devido aos ambientes assustadores e imagens que possam impressionar os mais sensíveis, este não é certamente um jogo para toda a família. Já os fãs de zombies e filmes de terror irão ficar deliciados com a experiência de jogo e, provavelmente, repetir a dose num modo mais difícil depois de acabar. Resident Evil: Revelations é uma pequena maravilha técnica da Nintendo 3DS e, mesmo não sendo um jogo sem falhas, colocou a fasquia da qualidade num patamar bastante elevado, numa fase ainda inicial do ciclo de vida da consola.