Notícias

Análises

6 de agosto de 2018

Ultra Space Battle Brawl


Ultra Space Battle Brawl é um jogo tão estúpido como o seu nome. E eu sabia que depois de vários jogos bons me haveria de calhar algo assim.

Vamos lá ser imparciais para saberem se devem evitar ou jogar este USBB. Eu diria que não, mas enfim. Eu entendo o que o estúdio indonésio Mojiken Studio quis fazer: criar algo divertido e leve. E até conseguiu, mas é apenas mais um entre muitos com menos qualidade.

Este jogo com laivos de fighter pega em Pong e dá-lhe um cunho próprio e colorido. Parece um Street Fighter à antiga, mas em vez de lutadores corpo a corpo temos pessoas com mata-moscas, réguas e chinelos. Que engraçado!, dizem. E é, mas passados alguns minutos torna-se mais do mesmo.


Há poucos modos de jogo como batalhas individuais, a pares e o modo História. Se escolherem o modo História, optem pela personagem que engraçarem e avancem por vários combates até ao final. De quando a quando, participam em rondas de bónus onde lutam contra pássaros outras coisas para ganharem mais pontos.

Cada personagem tem as suas próprias características e ataques especiais que podem ser activados à medida que a batalha se prolonga. Para ganhar os combates temos de ultrapassar as defesas do adversário e destruir o cristal que este protege. Dois rounds é o que basta para acabar com o sofrimento. Os combates vão desde o fácil ao irritante e não passam de um spam de botões para manter a bola no campo do adversário e rezar para a controlar. Aconselho a terem reflexos rápidos e dedinhos a acompanhar para saltarem pelo campo todo. Assim como peguei no jogo, rapidamente o larguei quando num nível enfrentei dois inimigos ao mesmo tempo. Suspirei e optei por outra personagem para tentar.

A pouca diversidade no jogo é nos cenários e na forma como os cristais estão protegidos, levando a algum pensamento fora da caixa e estratégia. De resto, outra vez arroz.


Há pessoal do estúdio a fazer rondas pelos comentários de sites conhecidos, mas infelizmente a boa vontade e ingenuidade não os levam muito longe. Este é daqueles jogos de telemóvel que servem para ocupar o tempo entre estações de comboio ou visitas à casa de banho. Se quiserem algo mais robusto procurem noutro lado ou joguem ao Pong original.

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo Switch gentilmente cedido pela Plan of Attack.