Notícias

Análises

10 de julho de 2018

The Spectrum Retreat


Análise por Pedro M. Macedo

Com apenas 18 anos, Dan Smith foi um dos vencedores do prémio BAFTA em 2016 com o primeiro protótipo de “The Spectrum Retreat”. A versão final chega agora às consolas e PC graças à publicadora Ripstone Games, responsável por trazer jogos como Stick it to the Man.

“The Spectrum Retreat” é uma narrativa com puzzles na primeira pessoa que se passa num futuro próximo, no Penrose Hotel, um estabelecimento “art-deco” refugiado do mundo exterior. Rodeado pelos funcionários de Inteligência Artificial, o jogador sente-se acomodado pela tranquilidade, luxúria e serviços do hotel. Até que uma chamada de Cooper revela que fomos levados para aquele hotel contra a nossa vontade e fará de tudo para nos tirar de lá. Após nos pedir para usarmos o elevador para chegar ao telhado, rapidamente descobre que o sistema se encontra protegido e só o jogador poderá, internamente, desbloqueá-lo.

Para isso, o jogador deve descobrir algumas pistas pelo hotel para desvender o código das portas “challenge”, portas essas que dão acesso aos puzzles e, por conseguinte, ao piso superior. Pelo caminho vamos encontrando objetos que nos dão informações sobre o hotel, a IA e a própria personagem que controlamos.


O conceito dos puzzles é simples: o jogador deve localizar a saída e usar um dispositivo que absorve e expele as cores de algumas superfícies para passar, estrategicamente, por barreiras da mesma tonalidade. Ou seja, ao encontrar uma cor laranja, o jogador deve absorver essa cor para poder passar pelas barreiras laranja. Durante os dois primeiros pisos começamos a implementar este conceito e experimentar algumas alternativas como atravessar pontes – usar uma cor diferente sobre uma barreira horizontal; ou usar geradores de cores que permitem eliminar cores desnecessárias para a prova. Mas o mais importante de tudo é a perspetiva do jogador, pois, às vezes, aproveitar uma frincha na parede permite-nos aceder a objetos mais longínquos. Por isso, é recomendado que se analise o cenário antes de tomar uma decisão e saber onde cada cor deve ficar no final de cada sequência, senão acabamos encurralados.

Todos os dias temos acesso a um novo piso e, com ele, uma nova técnica. Por mais difícil que o jogo se vá tornando, nunca me senti injustiçado como aconteceu com o The Witness. Isto porque, no referido, sempre que descobrimos uma lógica, logo a seguir temos que descobrir uma exceção para um tabuleiro semelhante e nunca nos dão indicações de nada. Aqui o jogo implementa uma nova técnica, deixa-nos descobrir o que podemos fazer com ela e só depois incrementa a dificuldade ao que foi aprendido anteriormente. Aliás esta dificuldade não aumenta porque os criadores decidiram adicionar objetos aleatórios ao cenário: tudo o que nos é dado é fundamental para a resolução. Mas claro está que se colocarmos uma cor essencial num sítio inatingível ou eliminada num gerador, o jogo penaliza-nos por esses erros e obriga-nos a recomeçar.


Embora não se notasse tanto durante os pisos de puzzles (provavelmente por ter menos detalhes e cores que o resto do hotel), senti falta de algumas opções no jogo. Para começar, o jogo corre a 30fps numa PS4 Pro. Como não corre em HDR, seria interessante haver a opção que permitisse dar prioridade a Fotogramas sobre a Resolução.

Como não podemos andar num triciclo como o Danny no Overlook Hotel, um botão para andar mais depressa não fazia mal a ninguém. Enquanto procurava as pistas para desbloquear a porta “challenge”, vou para uma divisão num canto do hotel e, sem nada, tenho que voltar para a segunda hipótese a um passo lento porque alguém se esqueceu de adicionar um botão para andar a passo acelerado.

Mas atenção: nenhum destes dois pontos é realmente prejudicial. Acontece que quando estamos desorientados, estes detalhes acabam por ganhar destaque e causam algum desconforto ou aborrecimento.

[E sim, vamos ignorar o facto do hotel ter um elevador no primeiro piso – carreguem vocês as malas pela escadaria, se quiserem.]

Podem ver uma curta amostra de dois puzzles do segundo piso, capturados pela nossa equipa numa PS4 Pro.

“The Spectrum Retreat” estará disponível nas consolas e PC na próxima sexta-feira 13, embora os jogadores Nintendo tenham que aguardar até ao final do ano. Para os jogadores da PS4, está disponível uma lista de troféus que envolve completar o jogo duas vezes com finais alternativos, mas não inclui platina.

Acima de tudo, o jogo tem imenso valor pela narrativa e pelo trabalho do elenco que lhe dá voz. Vale a pena jogar esta tão aguardada experiência do jovem vencedor Smith, porém o jogo peca por ter aproximadamente 50 puzzles que, para um jogador acostumado, conseguirá concluir em pouco mais de 4 horas. Ainda assim, quem quiser introduzir-se no género e considerando o preço, “The Spectrum Retreat” é um bom ponto de partida.

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a PlayStation 4, gentilmente cedido pela Plan of Attack.