Notícias

Análises

27 de abril de 2018

Extinction


Para os fãs de Attack on Titan ou Shadow of the Colossus, Extinction é um jogo inspirado ambos e tenta criar algo de especial, com um visual animado mas com bastante sangue à mistura. Um jogo de ação hack’n’slash ao estilo dos antigos God of War e com monstros pequenos e gigantes, no qual se trava uma luta para salvar a humanidade da sua extinção.

Avil é um Sentinel e o seu objetivo é salvar a humanidade dos monstros Jackals  e dos Raveni, uma espécie de titãs. No inicio pouco se sabe acerca da história, o porquê de estes monstros invadirem as cidades, no entanto pouco a pouco se vai entender quais são os seus reais motivos, numa campanha distribuída por 7 capítulos, cada um dividido por 4 níveis que desbloqueiam à medida que se vai progredindo, e cada nível tem os seus objetivos. Ao começar o jogo, por exemplo, é necessário salvar 15 humanos e para tal é preciso usar cristais que formam portais que se encarregam de encaminhar os civis para um local seguro antes que estes sejam exterminados. Além do objetivo primário, há sempre outros secundários que dão acesso a medalhas bónus.


O jogo conta com um sistema de habilidades, que podem ser compradas com pontos SP para fazer upgrades. As habilidades andam à volta do que se pode encontrar em qualquer outro jogo do género, como por exemplo aumentar o nível de saúde, a altura dos saltos, a velocidade dos portais de salvamento etc…

A jogabilidade é fluída, rápida e divertida. Avil tem um salto duplo, pode até correr sobre paredes e além disso esquivar-se e atacar como é costume num jogo do género. O botão R1 serve para usar uma espécie de graple hook e serve para ganhar terreno para o confronto contra um gigante. Para atacar os Raveni é preciso desfazer pelo menos as armaduras das pernas com um ataque especial para depois poder cortar uma das pernas. Assim que ele cair basta escalar pelas costas do gigante e, tal como no anime Attack on Titan, é só cortar a cabeça pela nuca.

Para lutar contra um Raveni é preciso energia Rune, que dá um poder à espada para fazer o corte perfeito seja à armadura seja para eliminar o Raveni. Para tal, é preciso encher a barra da energia Rune salvando por exemplo um determinado número de civis ou matar Jackals (os pequenos monstros que tentam eliminar os civis). Para que conste, se algum Raveni atingir o nosso protagonista, é "game over", no entanto o jogo conta com checkpoints e isso ajuda a manter um bom ritmo. Além disso, qualquer membro que for dissecado é regenerado após algum tempo.


Extinction é divertido, mas torna-se rapidamente repetitivo e anda sempre à volta do mesmo, salvar civis e matar os monstros. As animações que contam a história, ao estilo de uma BD/Manga, são boas e a história é razoável. Infelizmente alguns momentos são tão semelhantes a eventos do anime de Attack on Titan que se nota uma grande falta de originalidade e até pode chatear alguns fãs. É um bom jogo que podia ser muito mais, porque a ideia é de facto boa, mas nunca atinge o potencial épico que ambicionava.

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a PlayStation 4, gentilmente cedido pela Upload Distribution.