Notícias

Análises

23 de abril de 2018

Antevisão Detroit: Become Human



O próximo lançamento exclusivo da PlayStation 4 é Detroit: Become Human de David Cage. O jogo conta com dois anos de escrita de enredo, uma escolha longa de atores mais apropriados para darem vida às personagens e filmagens em motion capture.

O jogo teve uma enorme pesquisa de campo, desde a criação de um novo motor de jogo, à câmara e luz e à produção de uma banda sonora distinta e adequada à característica de cada cena. Ao todo teve três compositores, cada um produzindo a sua parte da banda sonora original.


Este jogo de aventura gráfica segue uma árvore de acontecimentos, sendo possível manipular a experiência de jogo tomando diferentes ações na história. Se uma das personagens jogáveis tiver algum percalço durante a sua missão, a sua história termina, não impedindo a progressão das restantes personagens.

 A história, futurista, toca nos possíveis problemas que uma sociedade que funcione simultaneamente com robots humanóides pode trazer, refletindo as três leis de Asimov. No fim de cada episódio, o jogador pode ver o mapa das suas escolhas e as consequências que estas proporcionaram.


Estivemos na presença de Grégorie Diaconu, Deputy Creative Director do jogo, que nos falou sobre o desenvolvimento do jogo e o rumo que o mesmo tomou, e conseguimos experimentar as duas primeiras horas de jogo num evento proporcionado pela PlayStation em Portugal. A história cativante e misteriosa põe-nos lado a lado com os andróides que podemos controlar, deslindando as suas interações e o seu raciocínio implacável.

Do que jogámos, encontrámos uma empolgante história policial cujas capacidades raciocinais são fulcrais, um assistente pessoal que necessita de quebrar as suas regras em prol do seu amo e uma andróide doméstica que tem de lidar com uns peculiares problemas familiares. Foi uma experiência particularmente boa de jogar em conjunto, enquanto debatíamos as decisões a tomar pelas personagens.


Uma das principais questões que queremos salientar neste título, que pudemos experienciar, é a dobrarem das vozes para Português de Portugal, com alguns dos bons atores da atualidade como Diogo Morgado, Victória Guerra e José Mata. A linguagem faz jus à classificação etária do jogo, não se coibindo de nos fazer sentir no momento e no local também neste aspeto.

Estamos tão ansiosos para jogar a versão final como os nossos leitores, pelo que mal podemos esperar pelo dia 25 de maio de 2018.