Notícias

Análises

11 de dezembro de 2017

Splasher


Partes Mario Sunshine, partes Splatoon e Abe’s Odyssey. Posso continuar? E travos de Jet Set Radio. Splasher é um jogo colorido, vistoso e extremamente rápido – Sonic, tem cuidado contigo.

A eShop da Nintendo Switch conta já com vários jogos de plataformas, mas não seja por isso, Splasher consegue destacar-se pela sua peculiaridade e qualidade. Não é um jogo longo, portanto não chateia com a sua presença. Aliás, é tão curto que convida à repetição e aos speedruns. E como o jogo é bom e tem várias abordagens e personagens para salvar, há sempre motivo para voltar.



A Plug in Digital, composta por alguns membros que trabalharam em alguns jogos do Rayman, escreveu um enredo simples para este jogo. Somos um funcionário que trabalha numa empresa gerida por gente má e num dos turnos descobrimos que andam a fazer coisas malvadas aos nossos colegas. Quando somos descobertos, temos de fugir e salvar o máximo de colegas possível. Estão a ver? Abe’s! As partes Sunshine e Splatoon devem-se à tinta.

A tinta é um elemento bastante importante no jogo, desde a nossa pistola de tinta às cores nos cenários. A cor vermelha prende-nos às paredes, a amarela serve para saltar e a água limpa tudo para nos dificultar. A jogabilidade gira à volta disto e, embora tenha gostado, há elementos que me chatearam um bocado. A personagem está sempre a correr e Splasher apela à velocidade e a níveis rápidos, mas os controlos não são os mais precisos e parecem um pouco “floaty”, isto é, é muito fácil saltar e falhar a plataforma; falhar a travagem e deslizar até à morte. Acreditem que vão morrer várias vezes, mas não há vidas nem Game Overs. Os checkpoints são vastos e frequentes – houve uma preocupação para não frustrar o jogador e nós agradecemos.


Para fazer frente aos visuais garridos e irreverentes, o departamento sonoro quis superar-se com batidas igualmente rápidas e animadas que não deixam ninguém adormecer. Há que estar com atenção 24/7. Estes elementos misturam-se e o resultado é um jogo que faz lembrar os antigos jogos Flash da Internet. E com isto não quero dizer que a qualidade é amadora. De todo, Splasher é o tipo estranho do liceu que vai para trás dos contentores fumar e taggar as paredes. Veste calças Resina e hoodies dois tamanhos acima. Não queremos dar com essa pessoa, mas quando começamos a conversar até é porreiro. Splasher é assim.

É mais um na loja, mas quando começamos a jogar, estamos a deslizar parede acima, a saltar e a disparar jactos pelo mapa. Depois só paramos no fim – para recomeçar tudo!

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo Switch, gentilmente cedido pela Playdius Games.