Notícias

Análises

13 de dezembro de 2017

LocoRoco 2


Este ano a Playstation 4 tem recebido vários portes da bem-sucedida PlayStation Portable. Títulos como LocoRoco e Patapon já se encontram disponíveis na PS Store, mas para se juntar à festa chega-nos agora LocoRoco 2.

Após o sucesso do primeiro jogo na PSP, foi lançada uma sequela para a mesma portátil. Passados quase 10 anos desde o lançamento original, eis que LocoRoco 2 surge em HD na PS4. O importante de um remaster nos dias de hoje é que a novíssima versão traga mais conteúdo, um upscaling decente, preço acessível e que não tenha quebras de frame rate.


Para um jogo que carrega alguns anos nas costas, a versão HD é lindíssima. Isso já aconteceu com o remaster do primeiro título, neste seria evidente que as coisas estariam no ponto no que diz respeito à qualidade que nos é transmitida na TV. Melhor ainda será certamente quem jogar LocoRoco 2 numa PS4 Pro para tirar proveito da tecnologia 4K, embora quem jogar numa PS4 não sentirá falta da qualidade pois é perfeitamente jogável e o ecrã continua colorido e animado com o seu belo Full HD 1080p.

Apesar de ser muito bonito enquanto jogamos, quando assistimos às cut-scenes, temos de volta os pixéis horrorosos os quais a Sony podia muito bem ter evitado, nem que trabalhassem em algo novo. Um jogo "remastered" com as cutscenes num upscale em que é possível notar os pixéis fica muito feio. O que vale é que as cutscenes, para além de serem curtas, não interferem no gameplay.

Mas se querem saber acerca de alterações positivas foi a qualidade de som, essa sim está bastante audível e num jogo como LocoRoco 2, onde a banda sonora é peça essencial na aventura, forma o puzzle na perfeição, então se jogarem num bom sistema de som, as músicas estão mais “catchy” que nunca. Porque LocoRoco 2 é famoso não só pelo seu charme e originalidade como também pela sua música, se nunca jogaram nenhum jogo da série experimentem ouvir algumas músicas. Sendo a versão PS4 e tendo o Dual Shock 4, não se assustem quando ouvirem as vozes destes “malucos” a cantarolar pelos speakers do comando.


Quanto ao gameplay, não há muito a dizer, é uma sequela, não conta com alterações, trata-se do mesmo esquema de botões, L1 para virar o mundo para a esquerda e R1 para a direita. Saltando e rebolando, encontrando os Muis perdidos, este continua a ser o nosso objetivo. Embora tenha uma novidade ou outra, desta vez, temos de limpar as flores que foram atacadas por nuvens negras e o planeta está poluído por estas nuvens negras. Além destas nuvens negras que poluem o mundo de LocoRoco, um novo tipo de colecionáveis junta-se à festa. Como neste capítulo a componente musical está em força, nada como apanhar notas musicais pelo jogo fora dando origem a uma música divertidíssima. Os LocoRoco’s continuam a ser imensos e variados. A função do botão círculo mantém-se, servindo para eles se separarem ou juntarem com o intuito de se tornar num só gigante LocoRoco. Os minijogos de ritmo estão igualmente de volta neste capítulo.

É importante referir que o primeiro remastered contou com controlos de sensores e neste título essa mesma opção está incluída. Embora não nos seja apresentado no tutorial, para que ativem essa opção basta premirem o painel tátil do vosso comando. A vibração está igualmente incluída tal como os sons que são transmitidos através do speaker do Dual Shock 4.


Para finalizar, talvez este seja o caminho para a Sony trazer uma nova sequela a esta franchise que apesar de simples, consegue deixar um sorriso no rosto dos jogadores independentemente da idade que tenham, é um género inovador, diferente do habitual, charmoso e apelativo, agora em HD, é a oportunidade ideal de jogarem caso não o tenham feito no passado.

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a PlayStation 4, gentilmente cedido pela SIEE. Por lapso, a publicação indicava que este jogo não incluía controlos por movimento. A informação encontra-se retificada.