Notícias

Análises

4 de outubro de 2017

The Escapists 2


The Escapists 2 é um jogo sandbox ao estilo 8-bits, lançado para o serviço digital da Steam e consolas PS4 e Xbox One. Desenvolvido pela Team17 em conjunto com o indie Mouldy Toof Studios, o jogo tem um objectivo único, o de escapar da prisão na qual a nossa personagem se encontra detida. Não existe apenas uma maneira de o fazer, mas múltiplas, sendo que a discrição deve ser a palavra-chave em todas elas, se esperamos ter sucesso. Mas já me estou a adiantar.

Vejamos as personagens. Aqui não existe uma personagem pré-definida, mas antes um conjunto de reclusos cuja aparência e nome podem ser alterados na opção My Character, disponível no menu principal. Também será aqui que poderemos aceder às nossas estatísticas de jogo, via o Criminal Record, de forma a sabermos quanto tempo já jogámos (ou que cumprimos a pena, se quisermos entrar no espírito do jogo) e o título que nos é atribuído, sendo que começámos com o nada abonatório Fresh Meat. Para além disso, é também possível aceder ao número de recompensas arrecadadas enquanto jogamos.


The Escapists 2 tem uma forte componente multiplayer, com sessões onde múltiplos jogadores podem competir entre si em simultâneo. Nestas sessões, que podem ser privadas, públicas ou locais, vence o primeiro jogador a conseguir escapar da prisão dentro do tempo limite. Mas se quisermos seguir pela via do single player, temos uma espécie de modo história, que começa com um hilariante tutorial com um preso chamado Robinson. Este irá explicar-nos passo a passo a sua tentativa bem sucedida de fugir do estabelecimento prisional.

Temos diferentes prisões das quais escolher, com muitas a poderem ser desbloqueadas mais tarde, cada uma com a sua particularidade e dificuldade. A mais interessante e intensa das prisões iniciais tem como localização um comboio e rege-se por um tempo limite apertadíssimo. Independentemente da prisão escolhida, existem regras que devemos respeitar de forma a facilitar a vida na cadeia. É importante para o jogador não dar nas vistas, evitando lutas com outros presos e com os guardas ou falhando as apresentações nas actividades (horas do lanche, jantar, exercício, chamada final, etc...). É verdade que temos um botão de soco, que pode ser mais poderoso se mantivermos pressionado o botão, e podemos inclusive equipar as mais variadíssimas e estranhas armas, mas o ideal é mesmo evitar conflito. Caso contrário, não só seremos visita regular do posto médico, como também teremos o olhar dos guardas constantemente sobre nós. Em casos extremos, nos quais a prisão fica em lockdown e os cães são soltos, somos inclusive relegados para a solitária, onde teremos inúmeras batatas para descascar.


The Escapists tem alguns elementos que parecem retirados do mundo dos RPGs. Mais do que o equipamento que podermos equipar, guardando o excedente em esconderijos próprios, o jogador pode fazer level-up da sua personagem. Esse será feito nas bibliotecas, se quisermos elevar o nosso Q.I, e no ginásio, se pretendemos fazer o mesmo relactivamente ao stamina e força da personagem. Qualquer um é relevante para o nosso sucesso final. De salientar que convém descansar, se quisermos recuperar vida e stamina. Tal pode ser feito pelo simples acto de nos sentarmos ou deitarmos. Outro elemento comum nos RPGs e aqui fortemente presente assenta na criação de novos itens a partir de outros já existentes. Para tal é importante um elevado Q.I como devem imaginar.

Para além das actividades pré-definidas pelo pessoal da prisão, temos inúmeros tempos livres que podem ser usados de diversas maneiras. Podemos fazer o referido level-up, aceitar tarefas de outros presos, o que nos permitirá elevar o nosso status dentro da cadeia e conseguirmos moedas, as quais serão usadas para obter melhores itens. Outra coisa que poderemos fazer passa por aceitarmos trabalhos nos serviços sociais da prisão e com isso ganharmos acesso a partes restritas da prisão. Se não quisermos passar por todo este trabalho, existe sempre a possibilidade de assaltarmos outras celas ou divisões comuns da cadeia, assim como colocarmos em KO outro preso e de seguida rapinar-lhe aquilo que tenha em sua posse. Uma vez mais, tais actividades devem ser feitas discretamente e nunca com um guarda por perto.

As prisões variam a nível de tamanho e densidade populacional, mas têm em comum o humor extremamente sarcástico dos seus ocupantes. Com uma música adaptada a todos os momentos da vida prisional, é impossível perdermo-nos em The Escapists. O mapa e a pequena seta amarela indicam sempre para onde devemos ir, embora a liberdade para explorar seja total.


Em suma, The Escapists 2 é um jogo muito interessante, variado e que nos fará perder inúmeras horas diante do ecrã impulsionados pelo desafio de vencermos a prisão seguinte.

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para PC via Steam, gentilmente cedido pela Team17.