Notícias

Análises

11 de outubro de 2017

Story of Seasons: Trio of Towns


Quem disse que a vida no campo é fácil? Todos sabemos perfeitamente que as coisas não são nada fáceis para um agricultor. A verdade é que nem em Story of Seasons: Trio of Towns as coisas são simples, aliás, o jogo pode até ser simples, mas é muito rico em vida agrícola.

Story of Seasons: Trio of Towns celebra os seus 20 anos de existência com um exclusivo Nintendo 3DS para os amantes da vida no campo. No caso de nunca terem jogado Harvest Moon, pioneiro no género e lançado no passado na velha Super Nintendo, Trio of Towns chama os jogadores a regressarem à vida dura de agricultor. Entretanto, os direitos de Harvest Moon foram adquiridos pela Natsume, sendo que os criadores da original acabaram por criar a nova série onde se insere este jogo. Apesar de conhecer o género, confesso que nunca tinha jogado nada semelhante - e, não, não fui um dos jogadores do FarmVille quando este esteve em alta e que apaixonou milhares de pessoas fossem ou não gamers.

   

Em Story of Seasons: Trio of Towns as coisas até que são bem mais interessantes, disso não tenho a menor dúvida. Antes de tudo, criamos a nossa personagem, com a opção de escolher entre o género masculino ou feminino. Como muitos jogos, decidimos a sua aparência desde cores dos olhos, cabelo e o seu aspeto em si. Depois passamos diretamente à estória do jogo. Seja como for a nossa personagem, tudo começa com uma decisão importante na nossa vida, o que queremos ser no futuro. O sonho vem desde criança, trabalhar numa quinta tal como o tio Frank. Os pais da nossa personagem estão sempre em viagem devido ao trabalho que o nosso pai tem, por isso a mudança de casa é constante. Um dia, numa discussão acerca de uma nova mudança, também nós decidimos o que queremos fazer da vida, que é nada mais, nada menos, que seguir as pegadas dum agricultor, embora o nosso pai não concorde muito com esta decisão.

Assim que chegamos à quinta do tio Frank, começamos a ter uma pequena aprendizagem da vida no campo, como por exemplo, acordar cedo para tratar das colheitas, da rega e tudo o que engloba esta vida de agricultor. Inicialmente vivemos um par de dias na casa deste nosso tio. Para além da aprendizagem das tarefas diárias, somos apresentados à população da pequena vila Westown. O tio Frank indica-nos as lojas onde podemos comprar animais, artigos para cuidar deles, o restaurante, a loja das flores e onde ficam os correios. Embora esta apresentação leve tempo, até suscita curiosidade, porque não é logo desde o início que conhecemos todos estes estabelecimentos. A pequena clínica por exemplo, só estará aberta após umas horas de jogo pois o médico não se encontra na vila. Um aspeto engraçado é o facto de uma vila de agricultores só abrir às 10h00 quando a nossa hora de acordar é às 06h00, o que por vezes eu tive de fazer tempo para que as lojas abrissem para poder comprar os produtos que necessitava. Após toda esta apresentação de personagens da vila e de como o básico funciona, somos recompensados com uma barraca e uns pequenos terrenos para cultivar.

Como seria de esperar, o tutorial estende-se por horas a fio, o que pode afastar os jogadores menos pacientes. Vamos aprender todo o tipo de coisas, desde plantar como tirar o leite às vacas, pescar para obter peixe fresco ou até mesmo trabalhar em part-time para receber um dinheiro extra. Mas quanto aos part-times, estes podem ser bastante aborrecidos, porque passamos a vida a fazer o mesmo, entregas de cartas ou presentes a pessoas da vila ou simplesmente depositar na caixa de envio os alimentos que são exigidos para a pessoa que fez o pedido.

   

Algo importante a ter em conta é o clima, o qual pode exigir que trabalhemos o dobro ou simplesmente não tenhamos de fazer nada como é o caso da chuva, que nos facilita a rega dos terrenos. Já no verão, o clima aquece e por essa razão devemos ter mais cautela na rega diária. Após uns dias podem recolher os alimentos como beterrabas e batatas ou mesmo flores que plantarem, sejam para o vosso consumo ou até dos animais, como também podem ser usados para venda.

A vida de um agricultor é dura, por isso a nossa, apesar do jogo ser simples e acessível, não nos facilita quando temos de cuidar dos nossos terrenos. Primeiro porque temos várias tarefas ao longo do dia, tal como trazer os animais para fora do estaleiro e mesmo regar ou cultivar. Isto faz com que suemos, logo, perdemos stamina enquanto trabalhamos. Para recuperar a stamina temos várias opções. Podemos dormir até ao dia seguinte para descansar, podemos almoçar/jantar num restaurante ou simplesmente comer pão ou algo que tenhamos cultivado para recuperar um pouco da energia perdida. Mas esta vida tem mais do que trabalho, afinal de contas, não vivemos apenas para tal. Podemos conviver com as pessoas, criar laços de amizade e conhecer novas vilas. Afinal, não há nada como descobrir o amor e encontrar companhia para a vida!

O grafismo do jogo é apelativo mas nada de especial. Já a banda sonora adequa-se perfeitamente pois é um género country e que até fica bastante no ouvido. As personagens são engraçadas, mas um pouco cansativas. A verdade é que a vila está recheada de habitantes e mesmo animais como cães e gatos ou mesmo insetos.


Antes de finalizar a análise, o jogo conta com uma componente online onde podemos partilhar os nossos alimentos ou até trocar com outros agricultores, que não me foi possível testar.

Com o passar dos meses as coisas começam a ganhar mais vida em Westown, no entanto é preciso “levar” com muitos tutoriais até chegarem a esse ponto. A vida de agricultor é divertida, mas pode muito bem ser cansativa. Um jogo tranquilo que exige alguma paciência mas pode ser uma boa companhia na Nintendo 3DS.

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo 3DS, gentilmente cedido pela Nintendo.