Notícias

Análises

30 de outubro de 2017

Cars 3: Driven to Win


O Faísca McQueen está de volta num terceiro filme e terceiro jogo. Confesso que nunca vi nenhum dos filmes, mas conheço perfeitamente o veloz carro vermelho com os olhos grandes e simpáticos que deixam as crianças todas entusiasmadas e a alegres. O videojogo, apesar de simples, é de facto algo que também irá certamente alegrar os miúdos e até agradar aos graúdos.

O jogo começa com um dos tutoriais mais engraçados que eu tive o prazer de jogar. Assim que temos controlo do Faísca McQueen, somos apresentados aos amigos do protagonista e, enquanto isso, também aprendemos a jogar Cars 3. Vamos encontrar troncos na estrada e aprender a saltar no X sobre estes obstáculos como aprendemos a fazer drift para carregar a barra do turbo. Muitas destas coisas já vêm de outros jogos do género, no entanto existem pequenos detalhes que tornam o jogo mais interessante do que se podia pensar à partida. É possível conduzir de costas e encher a barra do turbo em certas ocasiões, tal como andar apenas em duas rodas e igualmente encher essa mesma barra novamente em certas partes da pista que indiquem como conduzir para ganhar o turbo.

A jogabilidade é de facto divertida, entre saltos, manobras e turbos, é uma surpresa que me agradou imenso. Até empurrar os adversários é possível! Evitem julgar o jogo pela capa, pois até é bastante surpreendente.


O conteúdo é imenso, existem 22 carros/personagens para desbloquear, o multiplayer local também está incluído, seis eventos diferentes, personalização dos nossos próprios carros e 21 pistas para desbloquear, fora os cortes de caminho que ao longo das corridas vão conhecer e evidentemente usar para ganhar vantagem nas corridas. Um modo existente em Cars 3 é o da batalha, como o nome indica, batalhamos contra os nossos adversários, isto ao estilo de Mario Kart mas não tão desenvolvido.

Em termos de desafios o jogo está repleto deles. Alguns básicos, fáceis, outros levam o seu tempo. Estes desafios servem para desbloquear novas habilidades, conteúdo não falta em Cars 3. Para que possamos ter tudo desbloqueado ainda vão levar umas horas, como o jogo consegue ser divertido, não deverá ser muito difícil de atingirem esses objetivos.

Mas nem tudo é bom ou engraçado em Cars 3. O jogo não se baseia na estória do filme o que é uma pena, vejam Driven to Win apenas como um jogo à parte. Pelo menos o jogo mostra que o nosso protagonista já não tem a mesma velocidade que tinha no passado, demonstrando o seu desgaste e cansaço, onde a velhice tomou conta do nosso Faísca e as pistas estão agora com as curvas mais acentuadas para os novos e velozes carros potentes. Um outro ponto negativo a apontar é o facto de o jogo estar totalmente em inglês, o que poderá muito provavelmente afastar o público mais novo por não entenderem alguns dos objetivos ou simplesmente porque não se trata do Faísca ao qual estão habituados a ouvir desde crianças.


Para terminar, é claro que há jogos com melhor qualidade no mercado, principalmente para quem tem uma Nintendo Switch com o Mario Kart 8: Deluxe. No entanto, quem tiver uma PlayStation 4 ou Xbox One e queira algo do género sem ter de se virar para os simuladores do desporto automóvel, não ficará nada mal servido com Cars 3: Driven to Win.

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a PlayStation 4, gentilmente cedido pela Upload Distribution