Notícias

Análises

8 de agosto de 2017

Alchemic Dungeons


Aqui está mais um jogo trazido até nós pela Circle Entertainment para a 3DS. Alchemic Dungeons é um port, feito pela Flyhigh Works, de um título disponível há cerca de dois anos para o mercados dos telemóveis.

Um Dungeon Crawler por turnos, Alchemic Dungeons apresenta-se como sendo um jogo sem história, no qual o objectivo primário passa por chegar ao fim de cada masmorra. Para o fazermos nem necessitamos de combater, mas somente encontrar a escada que nos permita alcançar o piso seguinte. Aqui, ao contrário de outras ofertas do género, não existem bosses em cada piso para superar ou qualquer outro incentivo que não seja o de simplesmente recolher matéria-prima e, com esta, criar itens para a nossa personagem usar (daí o título Alchemic). Tais matérias podem ser obtidas das mais diversas formas, nomeadamente através da derrota de um oponente, da destruição de rochas e árvores existentes no cenário ou via baús de tesouro. O processo de criação de itens está presente no nosso menu com a nomenclatura de Craft. Através do Craft podemos criar armas, poções, enfeitiçar outros objectos e desenvolver apetitosos pratos. E é no Craft que se esgotam todas as qualidades deste jogo.


Alchemic Dungeon é uma experiência desprovida de essência e originalidade, não apenas pelo facto de não motivar o jogador com nenhuma história para prosseguir (apesar de assentar num tema medieval) e com as mais genéricas das personagens. Como protagonistas temos quatro personagens sem nome e representando cada uma delas uma classe específica. Como seria de se esperar, o Fighter é a personagem mais balanceada do jogo em termos de defesa, stamina e ataque, ao passo que as outras três têm as suas próprias vantagens e desvantagens. O Dwarf tem mais HP e força, mas é menos eficaz a atacar do que a Hunter e a sua inteligência é bastante inferior à da Witch. O jogo assenta num sistema de level-up das suas personagens que consiste em obter pontos de experiência por cada monstro derrotado. Pelo meio temos a barra de stamina que vai baixando a cada movimento nosso, mas que pode ser restabelecida através de alimentos. Em compensação, o restabelecimento da barra de energia é feito de forma muito mais fácil. Basta andarmos para que este volte a subir, compensando qualquer dano provocado pela oposição.

Neste jogo, os adversários nunca estão no mesmo sítio e não são facilmente evitáveis, por causa da forma esquisita como a nossa personagem se move. Mesmo com o Dash, a movimentação (muito semelhante à de Mystery Dungeon e Tao's Adventure para a DS) não é fácil para quem não estiver habituado a dungeon crawlers e pode servir para afastar até mesmo aqueles habituados a ela.  E por falar nos adversários, estes são poucos no início, mas legiões nos pisos finais. Juntando a isso o nível elevado dos mesmos, veremos a nossa personagem ser morta inúmeras vezes.


Repleto de cenários e adversários desinspirados, assim como de uma banda-sonora sofrível, Alchemic Dungeon tenta duplicar aquilo que seria uma experiência 8 bits. Um título absolutamente deprimente, que cumpre os mínimos enquanto jogo, tendo na criação de itens o seu  grande ponto de compra. A evitar a todo o custo, até porque existem mesmo muitas alternativas de qualidade para a Nintendo 3DS.
Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo 3DS, gentilmente cedido pela Nintendo.