Notícias

Análises

14 de julho de 2017

Mighty Gunvolt Burst


No passado tivemos Mighty Gunvolt, um jogo de download gratuito para quem adquiriu Azure Stiker Gunvolt na 3DS. Se Azure Stiker é inspirado em Mega Man mas com um aspeto moderno e jogabilidade 2D, em Mighty Gunvolt Burst a inspiração está no original Mega Man de 8 bits, pois temos duas personagens jogáveis e uma delas é Beck, o suposto Mega Man dos tempos modernos, igualmente criado por Keiji Inafune. O novo herói não teve muito sucesso com o seu jogo Mighty Nr. 9, já disponível no mercado, mas não é acerca desse jogo que a análise de hoje se trata.

Vamos focar-nos em Mighty Gunvolt Burst, que conta com os dois protagonistas das séries acima mencionadas. Enquanto que o antecessor foi um jogo que levava cerca de 20 minutos para ser terminado, Burst é claramente um jogo à parte e com a intenção de ser algo bem maior, o que pude obviamente confirmar jogando-o.

   

Mighty Gunvolt Burst não é um jogo para todos, por várias razões. A primeira é inequivocamente a sua dificuldade: se já no normal consegue ser desafiante, não quero imaginar no modo Hard. No entanto não é impossível de se chegar ao fim, pois ainda assim vamos encontrando checkpoints que nos facilitam bastante a vida e, para além disso, podem contar com frutos espalhados pelos níveis que podem e devem comer para restaurar a vossa saúde. Segundo, o sistema de equipar e fazer melhorias às armas consegue ser um tanto confuso, tive mesmo de ir experimentando por mim mesmo para dar conta do recado e entender como funcionara tudo. Algo que só faz sentido para quem vê este jogo como uma competição é o facto de derrotar os inimigos à queima roupa, que vos dará um "Burst combo". A única coisa positiva disto é a pontuação final, até porque é mais difícil derrotar de perto, por isso o melhor é mesmo manter a distância dos inimigos e derrotá-los bem longe. Em quarto lugar, embora não faça de todo muita diferença, esta versão (que testei) 3DS não tem compatibilidade com o 3D, o que neste jogo poderia ficar engraçado na minha opinião. Para concluir a parte má, por vezes existem algumas, mas pequenas quebras de framerate. Não estraga totalmente a experiência, mas é algo a que podiam ter tido mais atenção.

Quanto às coisas boas em Mighty Gunvolt Burst, para alguém como eu que gosta de desafios e sendo fã de Mega Man, este sim é o jogo que Mighty Nr.9 devia ter sido. Para além do jogo ser desafiante tal como referi anteriormente, temos então a oportunidade de jogar com duas personagens, Beck (protagonista de Mighty Nr.9) e Gunvolt (protagonista do jogo de sucesso na eShop de nome Azure Striker Gunvolt). Assim sendo, após escolherem uma das duas personagens, temos a estória de cada uma apresentada igualmente nos clássicos 8 Bits. No caso de Beck, ele encontra-se preso numa sala de realidade virtual onde terá de derrotar todos os seus inimigos que outrora derrotara em Mighty Nr.9. No caso de Gunvolt ele é transportado para um lugar misterioso e tem de participar num torneio de luta contra robôs, por isso mesmo, a estória não é de todo o ponto fulcral de Mighty Gunvolt Burst.

   

O melhor é mesmo a jogabilidade, o grafismo, o sentimento nostálgico que transpira Mighty Gunvolt Burst, pois joga-se tal como um Mega Man. E claro, no fim de todos os níveis sabemos que vamos enfrentar um boss, no qual vão ter sempre de aprender os padrões de cada um deles. Não será à primeira que vão passar estes bosses certamente, e mesmo após conhecerem os seus movimentos podem contar com um desafio bem acima da média. Além da dificuldade, a maior parte deles exige boas habilidades e esperteza antes de atacar, pois estão bastante originais e não serão derrotados facilmente. A tarefa de derrotar todos estes bosses finais levará o seu tempo, a não ser que estejam carregados de comida nestas lutas finais.

Podem contar com 8 robôs, tal como sucede na série Mega Man, existindo ainda a possibilidade de escolherem o nível por onde começar a aventura. Assim que derrotarem os robôs, vão ainda desbloquear mais uns níveis e, como de costume, voltar a derrotar todos os bosses novamente para, aí sim, enfrentar e derrotar o boss final que conta com mais que uma fase! Se existe diferença entre jogar com Gunvolt ou Beck? Não, apenas nos poderes, pois os níveis serão os mesmos e os bosses igualmente.

O jogo conta com desafios que por vezes vão sendo desbloqueados sem terem ideia do que fizeram, outros terão de se dedicar para tal acontecer. Não são obrigatórios, mas para os mais atrevidos e que querem tirar maior proveito de Mighty Gunvolt Burst, aconselho aceitarem esses desafios.


Para terminar, este é o novo “Mega Man” que os fãs tanto desejavam, tanto pelo grafismo retro como pela jogabilidade de excelência. Podem deixar de lado Mighty Nr.9 e jogar Mighty Gunvolt Burst tanto na Nintendo 3DS como na Nintendo Switch, é um obrigatório para os fãs da franquia do robô azul e de jogos desafiantes.

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo 3DS, gentilmente cedido pela Nintendo.