Notícias

Análises

30 de março de 2017

World of Goo


World of Goo foi um dos primeiros jogos indie que joguei no serviço "WiiWare" da Wii, em 2008. Quase uma década depois, o seu lançamento na Nintendo Switch revelou-se uma excelente oportunidade de revisitar um jogo memorável e que várias vezes me fez sentir tentado a comprá-lo de novo para o meu tablet Android.

Para quem nunca jogou World of Goo, é importante dizer que em nenhum aspeto este jogo revela a sua idade. World of Goo é um jogo de puzzles baseado em física, que consiste em criar ligações entre bolas de "goo", formando estruturas que permitam atingir um dado objetivo. São desafios interessantes e inteligentes, com objetivos diversificados e com uma dificuldade bem equilibrada. Ao longo do jogo, vão sendo introduzidos novos tipos de "goo" com diferentes propriedades, uns que podem ser reutilizados e outros que nem sequer podem ser levados ao objetivo mas devem ser utilizados como meio de o atingir.


Acima dos puzzles interessantes e da mecânica de ligação dos "goo" ser bastante viciante, está a arte do jogo que, tanto a nível visual como de áudio, é simplesmente fantástica. A construção do mundo, a ausência de personagens além do Sign Painter (que deixa dicas algo filosóficas dentro dos níveis) e a jogabilidade intuitiva fazem deste um universo memorável no qual é fácil deixarmo-nos sentir imersos. Nesta versão para a Nintendo Switch, os gráficos não parecem tirar partido da alta-definição. Isto é, os gráficos são HD, mas foram adaptados e não redesenhados para esta nova edição. Não que isso seja um problema, de certa forma até contribui para a estética retro-futurista do jogo. Os amantes da banda sonora irão gostar de saber que a poderão apreciar diretamente a partir do menu principal do jogo, pois vem desbloqueada desde o início.

O jogo pode ser jogado em qualquer um dos modos da Switch, utilizando o giroscópio do Joy-Con como um ponteiro no ecrã controlado por movimentos. Embora seja necessário recalibrar o ponteiro ocasionalmente, o jogo faz uma boa adaptação dos controlos intuitivos que a versão Wii tinha com o Wii Remote. Tal como na Wii, a versão para a Nintendo Switch tem suporte para multiplayer, aqui permitindo jogar a dois com os comandos Joy-Con. É um bom jogo cooperativo: por exemplo, ao fazer uma torre, pode estar um jogador de cada lado a equilibrar os pesos e evitar que tudo caia de repente. Com a consola em modo portátil, é possível jogar a solo utilizando o ecrã tátil em vez dos movimentos do comando, como nas versões do jogo para dispositivos móveis.


Em 2008, World of Goo recebeu inúmeros prémios de game design e até mesmo de jogo do ano. Não foi por acaso. A mecânica de jogo é fantástica, assim como o seu estilo artístico, e até a história subliminar que se vai desenrolando. Nada disto mudou, foi um enorme prazer regressar a este que foi o primeiro título da Tomorrow Corporation. Atualmente, o jogo tem um preço mais elevado na Nintendo Switch do que nas versões para dispositivos móveis, no entanto poderá compensar investir nesta versão pela componente multijogador e o suporte para os comandos Joy-Con.

Nota: Esta análise foi efetuada com base em código final do jogo para a Nintendo Switch, gentilmente cedido pela Tomorrow Corporation